O Parlamento Europeu está a apertar o cerco a Fernando Medina devido ao envio de dados pessoais de manifestantes anti-Putin para a embaixada da Rússia. O presidente da Comissão das Liberdades Cívicas, Justiça e Assuntos Internos do Parlamento Europeu (a LIBE), o socialista López Aguilar, elaborou uma carta — que será esta quinta-feira enviada ao presidente da câmara de Lisboa e à qual o Observador teve acesso — a afirmar que, depois de analisado o caso, fica claro para esta comissão do Parlamento Europeu que “estas transferências de dados pessoais [no caso da manifestação em solidariedade com Navalny em Lisboa] violaram o direito da União“. Os deputados da comissão assumem ainda ter visto este caso com “grande preocupação”.

López Aguilar, que é do PSOE e dos S&D (família política do PS na Europa), lembra a Medina que a comissão que dirige tem competências para fiscalizar a forma como os Estados-membros cumprem os direitos fundamentais “consagradas nos Tratados e na Carta da UE, como é o caso da proteção das pessoas em relação ao tratamento de dados pessoais”. É, por isso, “da maior importância para LIBE saber como os Estados-Membros da UE cumprem as suas obrigações legais.”

Mais do que isso, esta Comissão do Parlamento Europeu exige explicações a Fernando Medina e que responda por escrito à carta com vários dados sobre este procedimento. Mesmo que o presidente da Câmara de Lisboa não tenha a obrigação legal de responder à carta — como teria numa comissão de inquérito em Portugal — fica a pressão política para o fazer. E o que o presidente da LIBE convida Medina a responder não é pouca coisa:

  • “Clarificar a base jurídica ao abrigo do Capítulo V do RGPD que tem sido utilizada na transferência dos dados pessoais para países terceiros nestes casos e se a autoridade portuguesa para a Protecção de Dados foi informada desta prática;”
  • “Explicar a situação no terreno no que diz respeito à violação de dados ocorrida em janeiro de 2021 e as medidas de acompanhamento que foram tomadas;”
  • “Confirmar para que outros países não pertencentes à UE essas transferências foram feitas;”
  • “Fornecer o número de pessoas afetadas por essas transferências;”
  • “Esclarecer há quanto tempo esta prática já existe na cidade de Lisboa e se já terminou;”
  • “Definir se a cidade de Lisboa ou o Governo português tem tomado medidas para proteger os ativistas expostos de potenciais consequências repressivas por parte de países terceiros com os quais os dados pessoais foram partilhados;”
  • “Explicar se as autoridades portuguesas tomaram medidas para assegurar a eliminação desses dados pessoais do lado da embaixada beneficiária ou se solicitaram garantias de que não ocorreram transferências subsequentes.”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.