Bélgica, Alemanha, Luxemburgo e Suíça. Todos estes países da Europa central estão a sofrer inundações nunca antes vistas. Até agora, contabilizam-se mais de uma centena de mortos na Alemanha e na Bélgica, e mais de mil pessoas estão desaparecidas. A causa: chuva, muita chuva num curto espaço de tempo. Ao Observador, Ricardo Tavares, meteorologista no Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), explica que uma “região deprecionária na Europa central está a causar este tempo severo”. Porque foram estes países apanhados de surpresa e o que pode explicar tantas vítimas? As causas apontadas têm sido várias, mas ministra alemã do ambiente elege o principal culpado: “As alterações climáticas chegaram”, escreveu Svenja Schulze no Twitter.

Sobre hipótese deste “tempo severo” ser ou não fruto do aquecimento global ou tratar-se de um fenómeno atípico, o IPMA não se pronuncia. Principalmente na Alemanha, o caso está a ser visto com perplexidade e promete colocar as alterações climáticas na discussão política — principalmente num ano de eleições no país. A Chanceler alemã, Angela Merkel, que está neste momento na capital dos EUA, Washigton D.C, assume o choque e lamenta a perda de vidas humanas “neste desastre”. A governante adiantou também: “Ainda não sabemos o número [total de mortos], mas serão muitos”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.