Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de Paris ter ordenado o regresso do embaixador nos Estados Unidos, o presidente americano Joe Biden tomou a iniciativa de propor uma conversa telefónica com o seu aliado revoltado francês. O telefonema, segundo avança a cadeia francesa BFMT, citada pelo Le Figaro, vai acontecer nos próximos dias.

Um porta-voz de Emmanuel Macron adianta que a conversa terá como tema a crise dos submarinos que resultou da decisão da Austrália de romper um contrato firmado com a França para fazer negócio com os Estados Unidos. Será uma interação mais estratégica do que comercial, com o presidente francês à espera de clarificação, afirmou. “Queremos explicações sobre o que parece ser uma quebra da grande confiança” entre os dois países membros da NATO.

A mesma fonte reconhece que o lado francês teve “momentos de choque e legítima cólera” a propósito do tema — e que foram verbalizados publicamente — mas acrescenta que agora “o governo quer encontrar um caminho para avançar com os seus parceiros. Sem confiança, isso não pode acontecer”.

Ainda ontem o ministro dos Negócios Estrangeiros francês acusou os aliados Austrália e Estados Unidos de mentirem, comparando Joe Biden a Donald Trump sem os tweets.

Paris acusa EUA e Austrália de mentirem sobre contrato de submarinos e adverte para impacto na NATO