Portugal vai enviar para São Tomé e Príncipe um terceiro lote de 37 mil vacinas contra a Covid-19, fazendo ascender a 86 mil o total de vacinas já disponibilizadas ao país lusófono, anunciou esta terça-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE).

Em comunicado enviado à agência Lusa, o ministério acrescenta que o terceiro lote de vacinas da Astrazeneca será acompanhado de todo o material necessário para viabilizar a sua administração, incluindo, nomeadamente, seringas e agulhas, e que chega quarta-feira a São Tomé.

A entrega das vacinas às autoridades são-tomenses será feita pelo embaixador de Portugal, Rui Carmo.

“Esta ação decorre do compromisso político de disponibilizar aos PALOP [Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa] e a Timor-Leste pelo menos 5% das vacinas contra a Covid-19 adquiridas por Portugal, estando enquadrada na segunda fase do Plano de Ação na resposta sanitária à pandemia” entre “Portugal e os países africanos lusófonos e Timor-Leste”, destaca a nota.

A operação resulta do “trabalho conjunto do Ministério dos Negócios Estrangeiros, designadamente através do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua e da embaixada de Portugal em São Tomé, e do Ministério da Saúde, através da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed)”, acrescenta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O MNE explica que o transporte das vacinas conta com o apoio da TAP, no âmbito do Acordo de Parceria Institucional assinado a 30 de setembro entre a transportadora nacional e o instituto Camões, “com o intuito de promover a colaboração entre as duas instituições, com especial enfoque no transporte de vacinas contra a Covid-19 e respetivos consumíveis para os PALOP e o Brasil”.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.053.909 mortes em todo o mundo, entre mais de 250,23 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.