804kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Livraria Ferin, em Lisboa, está fechada por tempo indeterminado para "levantamento de problemas"

Histórica livraria lisboeta reabriu em 2017 pela mão de José Pinho. Filha do livreiro, que morreu em maio, justifica fecho atual com um "inventário profundo" impossível de fazer com a loja aberta.

É na Rua Nova do Almada que está a segunda livraria mais antiga da capital. Foi fundada em 1840 por Jean Batiste Ferin, de origem belga
i

É na Rua Nova do Almada que está a segunda livraria mais antiga da capital. Foi fundada em 1840 por Jean Batiste Ferin, de origem belga

ferin

É na Rua Nova do Almada que está a segunda livraria mais antiga da capital. Foi fundada em 1840 por Jean Batiste Ferin, de origem belga

ferin

A Ferin, histórica livraria na Rua Nova do Almada, em Lisboa, que sobreviveu ao fim da monarquia, à 1ª República e ao incêndio do Chiado, está fechada. A informação é confirmada ao Observador por Joana Pinho, uma das proprietárias, depois de começarem a circular nas redes sociais imagens que mostram as vitrines da loja forradas, impedindo vislumbrar o que se passa no interior.

Ao Observador, Joana Pinho justifica o fecho de portas com a necessidade de fazer um “levantamento de problemas” da livraria, sem especificar quais, mas que, sublinha, já existiriam quando o pai, José Pinho, dono da Ler Devagar e fundador dos festivais literários Folio e Lisboa 5L, que morreu em maio deste ano, comprou o espaço, em novembro de 2016.

[Já saiu: pode ouvir aqui o sexto e último episódio da série em podcast “O Encantador de Ricos”, que conta a história de Pedro Caldeira e de como o maior corretor da Bolsa portuguesa seduziu a alta sociedade. Pode sempre ouvir aqui o quinto episódio e aqui o quarto, o terceiro aqui, o segundo aqui e o primeiro aqui]

A segunda livraria mais antiga da capital foi fundada em 1840 por Jean Batiste Ferin, de origem belga, que se instalou em Lisboa durante as guerras napoleónicas. Em 2016, José Pinho comprou-a para a salvar do encerramento e dar-lhe um novo rumo. “Esta livraria foi comprada por um valor simbólico, mas que tinha atrás dele uma série de dívidas a fornecedores, de encargos com o pessoal, etc., que, se não fosse bem gerida, não teria viabilidade”, disse o livreiro numa entrevista ao Diário de Notícias, em 2020, em que lamentava não ter tomado algumas medidas mais cedo, “acreditando que as vendas iam aumentar e resolver as coisas sem uma reestruturação radical”, lê-se. “Mas não aconteceu, e quando decidiu avançar, chegou a pandemia”, continua o texto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No grupo de Facebook "Fórum Cidadania Lx" surgiram imagens da livraria nos últimos dias

Joana Pinho não antecipa um desfecho para a livraria Ferin. Diz que o fecho de portas nos últimos dias foi uma necessidade para fazer o “inventário profundo” de problemas, depois de uma tentativa de o fazer de porta aberta, algo que se revelou incomportável.

O último projeto dos vários imaginados pelo livreiro José Pinho foi a Casa do Comum do Bairro Alto — Centro Cultural (CCBA), que inaugurou em outubro, na Rua da Rosa.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa