803kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Mísseis iranianos a serem intercetados nos céus de Jerusalém
i

Mísseis iranianos a serem intercetados nos céus de Jerusalém

Anadolu via Reuters Connect

Mísseis iranianos a serem intercetados nos céus de Jerusalém

Anadolu via Reuters Connect

A noite em que a "guerra-sombra" do Irão e de Israel ficou a um passo de se tornar uma guerra aberta

Irão alterou a sua estratégia de décadas e lançou um ataque inédito a Israel, embora calibrado para evitar vítimas. Resposta de Israel (e influência dos EUA) ditará se conflito escala de vez ou não.

    Índice

    Índice

O ataque foi histórico. Desde a revolução islâmica no Irão de 1979 que o país mantém uma relação tensa com Israel. Ao conflito que se vai jogando entre as milícias próximas de Teerão (como o Hezbollah no Líbano e os houthis no Iémen) e o Estado de Israel chama-se, por vezes, de “guerra na sombra”, por ser uma espécie de guerra por procuração entre os dois países. Mas, na noite deste sábado, o conflito tornou-se mais direto: pela primeira vez, o Irão lançou um ataque direto a partir do seu território a Israel, disparando centenas de mísseis e drones em direção a todo o território israelita.

Para compreender o que mudou, é preciso recuar a 1 de abril. Foi nesse dia que um ataque atribuído ao governo de Telavive (mas não reivindicado oficialmente pelos israelitas) matou vários membros da Guarda Revolucionária Islâmica do Irão, no consulado iraniano em Damasco, na Síria. O racional por parte do executivo de Benjamin Netanyahu era simples: “O Irão iria manter a sua estratégia de décadas de utilizar ‘procuradores’, em vez de atacar Israel diretamente”, resumiu o jornalista israelita Anshel Pfeffer. “A avaliação israelita era a de que Khamenei era demasiado avesso ao risco de alterar a política iraniana.”

Mas, desta vez, a lógica foi outra. É que naquele ataque ao consulado em Damasco morreram algumas das figuras mais importantes da organização paramilitar Al-Quds, que coordena as milícias pró-iranianas um pouco por todo o Médio Oriente. Um deles seria mesmo o brigadeiro-general Mohammad Reza Zahedi, “um dos líderes mais proeminentes e importantes da Força Quds e um dos principais interlocutores com o Hamas”, aponta o Atlantic Council.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“É também uma resposta à ideia de que o Irão está a fazer muito pouco em relação ao Hamas e a Gaza. A expectativa do Hamas era que tivesse havido mais rapidamente uma escalada por parte do Irão.”
Bruno Cardoso Reis, doutor em War Studies do Kings College

Bruno Cardoso Reis, doutorado em War Studies pela King’s College e subdiretor do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE, explica ao Observador por que razão este foi um duro golpe para Teerão: “É muito importante para o Irão manter a rede de grupos armados e milícias e a Al-Quds estava a ser seriamente atingida por Israel nos últimos meses”, afirma. “O Irão quis sinalizar que não vai continuar a tolerar ataques cada vez mais frequentes a alvos mais destacados da Guarda Revolucionária.”

A esse ponto, junta-se um segundo: “É também uma resposta à ideia de que o Irão está a fazer muito pouco em relação ao Hamas e a Gaza. A expectativa do Hamas era que tivesse havido mais rapidamente uma escalada por parte do Irão”, lembra o investigador. Afinal, após o ataque do 7 de Outubro, o grupo islâmico de Gaza apelou repetidamente a um levantamento do mundo muçulmano contra Israel, na esperança de que se abrisse uma guerra regional. Até agora, não tinha acontecido; com o ataque do Irão deste dia 13 de abril, isso poderá mudar.

Um ataque com “pré-aviso”, semelhante ao da vingança por Soleimani

Não que Teerão tenha interesse numa guerra aberta com Israel. Apesar da barragem de centenas de mísseis e drones, alguns sinais apontam para uma tentativa de o regime teocrático tentar controlar ao máximo o dano infligido para evitar uma escalada.

Um sinal claro foi o tweet feito pela missão diplomática do país na ONU, quando os primeiros mísseis ainda não tinham chegado a território israelita, dizendo que “o assunto pode dar-se como concluído”. “É crucial”, nota Bruno Cardoso Reis. “É uma tentativa de evitar a escalada e de evitar a retaliação de Israel — seja contra o Hezbollah, seja contra o próprio Irão.”

Apesar de o ataque ser inédito e representar uma resposta muito mais forte do que as alternativas (um ataque através de grupos como o Hezbollah, por exemplo, ou o envio de drones contra alvos militares em zonas como os Montes Golã), foi tão anunciado e denunciado pelos Estados Unidos ao longo das últimas duas semanas que permitiu a Israel preparar-se. “O ataque parece ter sido desenhado com a intenção de não provocar vítimas”, diz Cardoso Reis. “É semelhante ao ataque que o Irão fez aos Estados Unidos em resposta à morte de Qassem Soleimani, com um pré-aviso para evitar baixas”.

GettyImages-2128601472

O ayatollah Khamenei justificou o ataque como retaliação pela morte dos líderes da Al-Quds em Damasco

Anadolu via Getty Images

Mas há um pormenor relevante: “Israel não são os Estados Unidos”, lembra o professor. O foco em evitar uma escalada na região tem sido uma constante nas várias administrações norte-americanas recentes, de Obama a Biden, passando por Trump. Os governos de Telavive têm um entendimento diferente, há muito encarando o Irão como a maior ameaça à sua existência enquanto Estado. E Benjamin Netanyahu tem sido muito claro ao prometer uma lógica de “olho por olho, dente por dente”.

Estados Unidos terão influência no tipo de resposta que Israel vai dar

O risco de uma guerra aberta no Médio Oriente é agora maior e poderá aumentar consoante a resposta que Telavive der a este ataque. Há alguns dias, o ministro dos Negócios Estrangeiros Israel Katz já tinha dado uma garantia: “Se o Irão atacar a partir do seu território, Israel irá responder e atacar no Irão”, escreveu no X, identificando o ayatollah Ali Khamenei.

“O grau de resposta, a robustez da resposta e até que ponto será uma escalada ou não, será sobretudo condicionada pela pressão dos EUA e a eficácia dessa pressão. Será um teste a Joe Biden.”
Bruno Cardoso Reis, doutor em War Studies do Kings College

Assim que Israel anunciou que o ataque estava em curso, Netanyahu fez uma declaração ao país onde prometeu de imediato retaliar: “Atingimos aqueles que nos atingem”, disse. A resposta, contudo, pode ser mais ou menos contida, consoante o tipo de armamento usado, os alvos atingidos e o grau de destruição e número de vítimas.

Bruno Cardoso Reis lembra que um fator pode ser decisivo em garantir que o braço de Netanyahu não atinge Teerão com demasiada força, a fim de evitar uma guerra: os Estados Unidos. “O grau de resposta, a robustez da resposta e até que ponto será uma escalada ou não, será sobretudo condicionada pela pressão dos EUA e a eficácia dessa pressão. Será um teste a Joe Biden”, prevê. A capacidade de influência norte-americana nesta questão, diz, pode ser maior do que tem sido até agora relativamente à guerra na Faixa de Gaza, “porque esse é um tema mais existencial para Israel e também condicionado pelas dinâmicas políticas internas”. Mas não há dúvidas de que o Presidente norte-americano também não quererá romper a tradição de apoio a Israel, muito menos face ao Irão.

epa11166729 Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu speaks during the voting session for the impeachment of Hadash-Ta’al party MP Ofer Cassif in Jerusalem, 19 February 2024. The motion was brought up after Cassif publicly supported South Africa’s genocide case against Israel at the International Court of Justice (ICJ).  EPA/ABIR SULTAN

Benjamin Netanyahu prometeu atingir o Irão em resposta ao ataque

ABIR SULTAN/EPA

No fundo, como resumiu a Economist na madrugada deste domingo, um ataque iraniano que não provoque grandes danos permite a todos os envolvidos ainda salvar a face: “Sem vítimas, Israel já não tem a necessidade de uma resposta em larga escala. O Irão pode gabar-se de ter enviado uma mensagem forte sem incentivar ataques de fundo ao seu território. E a América pode evitar ser arrastada ainda mais para uma guerra no estrangeiro.” O problema é que, acrescenta a revista, “numa região que está a arder, este cenário está longe de estar garantido”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa