759kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

A uma hora de Lisboa, foi em Alcácer do Sal que Carla e Flávio encontraram tudo aquilo que procuravam.
Uma casa maior, algum espaço exterior e, acima de tudo, tempo.
Tempo para estar, para dar e receber. Afinal de contas, esta é a casa onde cabe sempre mais um.
i

Mafalda Pombo Lopes

Mafalda Pombo Lopes

Casa Los Feliz: a casa onde os sonhos e os amigos não ocupam lugar

Assim que chegamos à aldeia de Santa Susana, em Alcácer do Sal, somos brindados com uma imagem digna de quadro: Emília, filha de Carla e Flávio, sentada num banco à beira da estrada, junto da vizinha, à espera do pão. Se em Lisboa o tempo parece que nos escapa por entre os dedos, aqui, o ato de esperar vem carregado de uma leveza e ingenuidade capaz de entreter até uma criança. Assim que o pão chega, é pousado em cima da mesa da cozinha e as fatias são cortadas pelas mãos de Carla, acompanhadas da dose certa de manteiga. E assim se começa uma manhã, com calma.

Mas afinal, como é que uma agente de atores e um assistente de produção, no meio de uma vida caótica, chegam até aqui? Podemos começar por dizer que tudo começou com um engano, mas já lá vamos. “Isto tudo aconteceu quando a Carla estava grávida do António. A casa de Lisboa era pequena e, por isso, começámos à procura de uma casa maior, precisávamos de mais espaço”, começam por dizer. “Em 2017, nós fomos passar a passagem de ano ao pé da Ericeira, num sítio que se chamava Santa Susana, na casa de um amigo nosso que é uma segunda casa. E quando cheguei a casa, meti-me no OLX a ver o que é que existia em Santa Susana. Só que a minha pesquisa veio cair a esta Santa Susana, aqui em Alcácer. E apareceu uma casa aqui na aldeia, barata, e nós no feriado de dia 2, viemos ver. Fomos as primeiras pessoas a visitá-la e gostámos muito. Gostámos muito do sítio, a casa era simpática e era muito barato. Na altura, pedimos ao senhor para esperar até ao final do dia, mas ele não esperou. E nós ficámos danados. Mas não desistimos da aldeia. Achámos muito prático, estamos a uma hora de Lisboa, é um sítio muito desafogado, e a vinda para aqui também é um caminho que achamos muito bonito. Então começámos a vir cá muitos fins de semana. Conhecemos a Dona Maria, conhecemos a Dona Ana, começámos a tentar perceber se havia casas. E esta casa já existia no mercado, mas era muito cara”, conta-nos Carla.

Depois de uma primeira quase casa, a vida dos dois regressa às rotinas de sempre e é só no ano seguinte, em 2018, que Alcácer volta a entrar nas suas vidas. Prestes a avançar com uma segunda casa em Lisboa, o destino troca-lhes as voltas e esse negócio cai por terra. “Eu tiro sempre férias entre a semana de Natal e o Ano Novo, e quando estou sem o que fazer, tenho que arranjar alguma coisa para fazer. E lembrei-me desta casa, fui ver e esta casa estava num outro valor. Então fui ao banco informar-me se esta casa estaria em leilão e como é que o meu banco fazia na altura relativamente a retomas bancárias”, partilha Carla, explicando-nos que foi assim, fruto de um mero acaso, que conseguiram encontrar a casa onde, hoje, conversamos.

Quando a viram pela primeira vez, transformou-se na “Gruta da Moeda” – por ter pouca luz, muita humidade e demasiada cor -, mas foi por verem nela o potencial certo que rapidamente as paredes se partiram, as divisões se pintaram e a casa foi ganhando vida, aos poucos. “Contratámos um mestre-de-obras, mas muita coisa foi feita por nós. Já tínhamos muita coisa, muita tralha, em Lisboa, e esta casa acabou por servir quase como um depósito de todas as coisas das quais não nos queríamos desfazer”. É num discurso partilhado que os pormenores vão sendo contados: depois de comprada a casa, surge a pandemia e esse acaba por ser um período decisivo para que, em família, consigam desfrutar da casa e trabalhar na sua construção. “Foi uma forma bem saudável de passar a quarentena. Ninguém reparou muito. Os miúdos, ainda hoje, dizem que adoraram a pandemia porque, para eles, foi uma coisa fixe”. E é entre boas recordações que também a casa se foi fazendo. Olhando para trás, o facto de nas paredes estar assente o esforço e trabalho do casal como equipa, torna todo o processo ainda mais especial. “Há um orgulho. A casa pode não estar perfeita, mas veio de nós. Eu acho que uma casa é uma coisa que se faz. A ideia de casa chave na mão, não tem a ver connosco. Criámos cantos da casa para justificar ter uma cadeira, nenhum arquiteto pensa nisso. Porque nós já temos a cadeira, é só isso. E acho que uma casa também se constrói com estas dinâmicas e vai-se construindo. Tudo tem uma história”, são as palavras de Flávio, mas poderiam ser as de Carla.

Com uma página no Instagram onde vão partilhando detalhes sobre a casa, apresentam-se como “Los Feliz”. E porquê a escolha do nome? “É uma brincadeira, tem a ver com uma ida aos Estados Unidos. Los Feliz é um bairro, em Los Angeles, que é um bairro trendy. Nós fomos, os miúdos ainda não existiam, e quando fomos na verdade não gostámos nada. Queríamos era andar de carro. E no caminho para Las Vegas fomos a falar de nomes. E esse nome, Los Feliz, pareceu-nos assim global. Tem umas dinâmicas de que eu gostei. A Carla também gostou do nome, mas estivemos anos sem saber onde o aplicar”, explica Flávio. O que é certo é que a casa chegou e com ela a desculpa ideal para riscar o nome da lista. Afinal de contas, se há coisa que a casa trouxe a esta família, foi felicidade.

“Eu vou falar por mim”, começa Carla, continuando: “Eu sou uma pessoa que tem uma arquitetura de vida complicada. E os planos eu faço com o que vai acontecendo à minha volta. Por isso, para mim, foi um feliz acaso. Eu venho de um subúrbio de Lisboa e o campo era uma coisa que me criava um bocado de tédio, na verdade. Mas depois com a pressão do trabalho, isto tornou-se uma das melhores coisas que aconteceu. Mas foi mesmo um acaso. Nenhum de nós, durante 10 anos, disse: o que eu quero mesmo é uma casa de campo. Aqui, eu encontro um esvaziamento. Isso para mim, neste momento, é super importante. Esta solicitação constante que a cidade te provoca, tanto no telefone como nas 150 mil atividades que tens que estar sempre a fazer, eu aqui tenho os estímulos suficientes para estar quieta”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já para Flávio, se há coisa que a casa trouxe foi espaço, mas não só. “O que eu acho é, sendo muito prático, aqui encontramos espaço que em Lisboa, na casa anterior, não tínhamos. Portanto, a decisão desta casa acontecer foi pelo espaço, e nós aqui temos. Há também uma coisa que a vida na aldeia tem que eu, em Lisboa, ainda não consegui encontrar. Nós aqui estamos limitados ao espaço que é nosso, mas depois a aldeia também é nossa. Os miúdos não conhecem essa fronteira, não há propriamente o muro. Em Lisboa, depois de bateres a porta estás na rua. Aqui perde-se essa noção de fronteira. A Emília facilmente atravessa a estrada e vai esperar o pão, o António, desde pequeno, cruzava a estrada para ir para o jardim infantil e é isso. Aqui o espaço é maior e transcende a própria casa. Por outro lado, aqui estás muito mais ligado às coisas à tua volta”.

E se a casa trouxe coisas boas para os pais, fez ainda mais pelas crianças. Durante toda a conversa, é de pé descalço e roupa pousada na cadeira do quarto que Emília e António correm para a piscina, o seu lugar favorito no verão. “A professora da Emília disse que nota-se que ela tem vivências e eu acho que isto traz essas vivências. Eles não tinham contactos com pessoas acima dos 60, 70 anos, porque nós, em Lisboa, não os temos. E aqui isso existe. Eles, aqui, têm a Dona Maria, a vizinha, e eventualmente estão à conversa com ela. Isto é um exemplo apenas, têm mais vivências. Eu apesar de ter nascido no campo, nunca tinha pegado num sapo, por exemplo. A Emília estava com um sapo na mão quando comprámos a casa, durante a quarentena, com quatro anos. Portanto, há esse tipo de coisas. E eu acho que têm sorte”, reforça o pai.

Na hora de definirem esta casa, a expressão “é uma casa de família”, é a que salta em primeiro lugar. Ainda que o piso de cima tenha sido pensado para possíveis inquilinos, nunca passou de um aluguer a amigos de amigos de amigos. “A intenção foi, nós temos aquele espaço que como está não pode ficar, bora tentar capitalizá-lo. Afinal de contas, a casa é ao pé da comporta, fica a uma hora de Lisboa, isto pode ser tudo capitalizado. E o que fizemos foi nesse sentido. Vamos tornar bonito, confortável e explorar a paisagem, o que a casa pode dar. Ainda temos esse mindset. Porém, a partir do momento em que começámos a viver seriamente a casa com os miúdos, abandonámos um bocadinho essa ideia. Recebemos amigos, pais de amigos, malta de Barcelos, sempre de uma forma muito informal. E, na verdade, agrada-me essa coisa de plano B, ok, é para alugar, é para alugar. Neste momento, e as condições que temos, acho que para já a casa é ainda nossa”, partilham.

Se numa casa portuguesa “há sempre pão e vinho sobre a mesa”, nesta casa de família há sempre espaço para mais um. A mesa tem lugar para os amigos e o sofá espaço para que, quem quiser, fique a pernoitar. De todos os momentos que já viveram aqui, são as festas de aniversário da filha aquele que destacam. “Quando dizemos que é uma casa de família, é mesmo verdade. A festa de anos da Emília é quase como um evento e é muito bom receber pessoas nesta casa, há sempre espaço para mais um. E acho que isso é fixe. Pensar que a casa nos dá esse tipo de coisas. Na verdade, é um sonho. É aquilo que muitos lisboetas ou urbanos gostariam de ter, um exílio forte”, rematam.

Nas palavras de Carla e Flávio, aquilo que mais custa é voltar para Lisboa. É caso para dizer que o sentimos na pele. Porque na hora de regressar, a vontade era pouca. Deixámos para trás o Flávio, a Carla, a Emília e o António, mas trouxemos na mala os seus sonhos, as noites de cinema em frente à lareira, os mergulhos na piscina e a certeza de que, se um dia quiséssemos voltar, seríamos recebidos de braços abertos por toda a família. Se uma casa se faz de memórias, esta é feita, com certeza, das mais felizes.

Se procura um espaço destes para si, saiba que uma ajuda financeira pode ser o empurrão que faltava. O Credibom ajuda-o dar crédito à felicidade. Saiba mais, aqui!

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.