O guia divulgado esta quinta-feira é apenas o primeiro volume de um manual que a DGS preparou com orientações para o dia a dia. Esta primeira parte fala do uso de equipamento de proteção, como máscaras, viseiras e luvas, mas também das medidas de higiene pessoal e das casas — como a desinfeção de maçanetas, o arejamento das divisões, a forma de lavar as roupas ou de tratar o lixo.

Medidas de higiene pessoal

Higiene das mãos

.

  • Regular: lave as mãos frequentemente ao longo do dia e sempre que se justifique (ex: ao chegar a casa ou ao trabalho, quando assoar o nariz, espirrar ou tossir);
  • Cuidada: lave as mãos durante pelo menos 20 segundos, esfregando sequencialmente as palmas, dorso, cada um dos dedos e o pulso, secando-as bem no final;
  • Sem acessórios: não se esqueça de remover anéis, pulseiras, relógios, ou outros objetos, antes da lavagem das mãos. Estes adereços deverão também ser higienizados após a sua utilização;
  • Com água e sabão: o vírus é facilmente eliminado com água e sabão, devendo ser este o método preferencial. Caso não tenha acesso a água e sabão, desinfete as mãos com solução à base de álcool com 70% de concentração (não deve usar, para tal, álcool a 96%).

Cartaz da DGS mostra como devem ser lavadas as mãos

Etiqueta respiratória

.

  • Tapar: quando tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz, com um lenço de papel ou com o braço, evitando a projeção de gotículas (não use a mão);
  • Descartar: após a utilização do lenço descartável, deite-o imediatamente no lixo;
  • Lavar: após descartar o lenço, lave de imediato, as mãos. Caso tenha utilizado o braço, lave-o, ou à camisola, assim que possível.

Medidas de higiene ambiental

Desinfeção doméstica

A lixívia é um desinfetante doméstico forte, cujo principal ingrediente é o hipoclorito de sódio, que é eficaz a eliminar o SARS-CoV-2. A sua utilização deve ser cuidadosa, uma vez que em concentrações elevadas pode ser nociva para o utilizador, além de poluir o meio ambiente:

.

  • Deve ser diluída em água fria, uma vez que a água quente a torna ineficaz e aumenta a sua volatilidade, ou seja, facilita que passe da sua forma líquida a gasosa, promovendo a libertação de gases tóxicos;
  • Ao aplicar lixívia, ou outro produto semelhante, deve ter em conta o recomendado na ficha de dados de segurança do produto, nomeadamente abrir as janelas para arejar e renovar o ar, evitando inalar a lixivia e o contacto com os olhos e a pele, ajudando também a secar mais rapidamente as superfícies;
  • A desinfeção com lixívia é especialmente importante em locais onde houver a presença de uma pessoa com COVID-19;
  • Para utilização no domicílio de uma pessoa com COVID-19, deve-se diluir 1 parte de lixívia (com uma concentração original de 5%) em 99 partes iguais de água, ou seja, 4 colheres de chá de lixívia num 1 litro de água.

Todas as superfícies podem ser veículos de contágio. No entanto, o risco varia consoante a sua frequência de manipulação, toque ou utilização:

.

  • Deve limpar e descontaminar as zonas de contacto frequente, como por exemplo maçanetas das portas, corrimões, interruptores de luz, comandos ou teclados;
  • As áreas de confeção de alimentos e instalações sanitárias também devem ser descontaminadas com regularidade;
  • A limpeza deve ser realizada sempre no sentido de cima para baixo e das áreas mais limpas para as mais sujas;
  • Comece por lavar com detergente de uso doméstico e de seguida aplique lixívia diluída em água, deixando atuar 10 minutos. No caso de uma habitação em que nenhum dos coabitantes está infetado, não é estritamente necessário utilizar lixívia;
  • No caso de telemóveis, deve consultar as indicações do fabricante do telemóvel e verificar se pode usar toalhitas humedecidas em detergente ou álcool a 70%;
  • Quanto maior a frequência de manipulação, maior deve ser a frequência de descontaminação.

Lavagem da roupa

Apesar de não haver certezas sobre o tempo de sobrevivência do SARS-CoV-2 nos diferentes materiais da roupa, a DGS recomenda alguns cuidados que podem prevenir a possível transmissão.

O guia sublinha, ainda assim, que só é necessário descontaminar a roupa em alguns casos:

  • Doente com COVID-19;
  • Cuidador de pessoas doentes com COVID-19;
  • Profissional de saúde;
  • Outras pessoas que possam ter estado em contacto com pessoas ou superfícies contaminadas.

Nesses casos, quando colocar a roupa a lavar, deve:

  • Evitar sacudir a roupa suja;
  • Ler com atenção as indicações na etiqueta da roupa, para saber os cuidados que deve ter;
  • Lavar preferencialmente na máquina, com a maior temperatura possível (pelo menos a 60ºC durante 30 minutos, ou entre 80-90ºC, durante 10 minutos para descontaminar através da temperatura);
  • Caso não seja possível lavar a altas temperaturas e precise de descontaminar a roupa, use um produto desinfetante próprio para roupas (como por exemplo, lixívia). Existem produtos desinfetantes próprios para roupas com cor.

Se utilizar uma lavandaria pública, deve:

.

  • Organizar as suas roupas antes de ir à lavandaria, de forma a só precisar de as colocar na máquina quando estiver no local;
  • Dobrar as roupas limpas em casa, para reduzir o tempo de permanência na lavandaria e o número de superfícies em que toca;
  • Usar lenços ou um desinfetante das mãos para limpar os puxadores das máquinas e os botões antes de os utilizar ou, se a lavandaria tiver um lavatório, lavar as mãos com sabão após tocar nas máquinas;
  • Manter uma distância de 1,5-2 metros, ou esperar do lado de fora ou noutro local, se estiverem outras pessoas na lavandaria;
  • Caso tenha sintomas sugestivos de COVID-19, como febre, tosse ou dificuldade respiratória, não deve recorrer a locais públicos.

Sistemas de ventilação e ar condicionado

.

  • Mantenha os locais ventilados (pelo menos, 6 renovações de ar por hora), abrindo janelas e/ou portas;
  • Se necessitar de usar um sistema de ventilação de ar forçado, assegure-se que o ar é retirado diretamente do exterior e não ative a função de recirculação do ar;
  • Os sistemas de ventilação e ar condicionado devem ser sujeitos, de forma periódica, a limpeza e desinfeção;
  • É recomendado que desligue a função de desumidificação, do sistema de ventilação e ar condicionado;
  • Deve reforçar a desinfeção do reservatório de água condensada e da água de arrefecimento das turbinas do ventilador.

Tratamento de resíduos

Se for um caso confirmado ou suspeito de Covid-19, deve:

.

  • Utilizar um caixote do lixo com uma tampa, preferencialmente de abertura não manual (ex: com pedal). Caso não tenha um caixote de abertura não manual, lave as mãos antes e depois da sua utilização;
  • Ter um saco de plástico dentro do caixote. Este saco deve ser cheio até no máximo 2/3 da sua capacidade;
  • Fechar bem o saco de plástico com dois nós bem apertados e, preferencialmente, com um atilho ou adesivo. O primeiro saco de plástico deve ser colocado dentro de um segundo saco, igualmente bem fechado;
  • Os resíduos nunca devem ser calcados, nem deve apertar o saco para sair o ar;
  • Limpar e desinfetar os caixotes do lixo com regularidade;
  • Estes resíduos devem ser descartados em contentores coletivos de resíduos, após 24 horas da sua produção (nunca no ecoponto).

Cartaz da DGS mostra os cuidados a ter com o lixo

Medidas de distanciamento

As pessoas devem:

  • Manter uma distância de pelo menos 1,5-2 metros das outras pessoas;
  • Evitar o contacto com pessoas que apresentem sintomas sugestivos de COVID-19, como febre, tosse ou dificuldade respiratória;
  • Sempre que possível, trabalhar a partir de casa (teletrabalho);
  • Utilizar, de preferência, serviços telefónicos ou eletrónicos, para entrar em contacto com outros serviços, como supermercados ou farmácia, ou, quando possível agendar a sua presença nos espaços físicos, como museus, restaurantes, entre outros;
  • Em caso de necessidade de cuidados médicos, utilizar serviços telefónicos ou eletrónicos para contactar previamente os serviços de saúde, não esquecendo que estes têm circuitos separados para COVID-19, e que sempre que se justificar deve recorrer presencialmente a estes serviços.

As pessoas não devem:

  • Partilhar artigos pessoais;
  • Frequentar lugares movimentados com aglomerados de pessoas;
  • Ter contactos desnecessários (como por exemplo, convívios dentro ou fora de casa);
  • Promover ou participar em eventos que reúnam muitas pessoas, sobretudo em espaços fechados. Sempre que for necessário reunir com outras pessoas, opte pelo mínimo possível e em espaço aberto.

Equipamentos de Proteção

Máscara

O guia da DGS lembra que a máscara não garante, por si só, proteção. E que deve estar bem colocada, para evitar a tendência de tocar mais na cara.

Os três tipos de máscara

  • Respirador (Filtering Face Piece, FFP)

.

É um equipamento de proteção individual cuja principal função é proteger da inalação de partículas (< 5 micrómetros de tamanho) suspensas no ar (protege da contaminação do exterior para o interior do respirador). Os respiradores são usados principalmente pelos profissionais de saúde para se protegerem, especialmente durante os procedimentos de geração de aerossóis;

Quem deve usar um respirador?

    • Profissionais de saúde;
    • Outros profissionais a quem, segundo o risco ocupacional, esteja recomendado.
  • Máscara cirúrgica

.

É um dispositivo que permite a contenção de gotículas (> 5 micrómetros de tamanho) que a pessoa vai expelindo durante a tosse, espirro ou fala. Além da função de contenção das gotículas expiradas, a máscara cirúrgica também o protege da inalação de gotículas, apesar de ter menos capacidade de filtração do que os respiradores. Estas máscaras deverão ser utilizadas por um período máximo de 4 a 6h, devendo ser trocadas, por uma nova, sempre que se encontrem húmidas;

  • Máscara não-cirúrgica, comunitária ou de uso social

.

É um dispositivo de diferentes materiais têxteis, certificado, destinado à população geral. Caso se destinem à utilização por profissionais que tenham contacto frequente com o público, devem garantir nível mínimo de filtração de 90% e caso se destinem à população em geral, devem garantir um mínimo de filtração de 70%. São utilizadas como barreira para complementar as medidas de proteção e das regras de distanciamento, mas não as substituindo.

Quem deve usar máscara cirúrgica?

    • Profissionais de saúde;
    • Pessoas com COVID-19;
    • Pessoas com sintomas de infeção respiratória como febre, tosse ou dificuldade respiratória;
    • Cuidadores de pessoas com COVID-19;
    • Pessoas no interior de instituições de saúde;
    • Pessoas com estados de imunossupressão;
    • Pessoas com doenças crónicas;
    • Idosos (mais de 65 anos de idade);
    • Profissionais com elevado risco de exposição (para maior detalhe consultar a Orientação nº 019/2020 de 3 de abril da Direção-Geral da Saúde);
    • Todas as pessoas que permaneçam em espaços interiores fechados com múltiplas pessoas, como medida de proteção adicional ao distanciamento social, à higiene das mãos e à etiqueta respiratória.

Quando devem ser usadas as máscaras

Desde o dia 3 de maio, é obrigatório o uso de máscaras para o acesso ou permanência em:

  • Espaços e estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços;
  • Serviços e edifícios de atendimento ao público;
  • Estabelecimentos de ensino e creches pelos funcionários docentes e não docentes e pelos alunos maiores de seis anos;
  • Transportes coletivos de passageiros.

Esta obrigatoriedade é dispensada quando, em função da natureza das atividades, o seu uso seja impraticável.

Como colocar e retirar as máscaras

Sempre que utilizar máscara, tenha em atenção os seguintes passos:

.

  1. Higienize as mãos, com água e sabão ou com uma solução à base de álcool, antes de colocar a máscara;
  2. Verifique qual o lado a colocar voltado para a cara (por exemplo nas máscaras cirúrgicas deve colocar com o lado branco [face interna] virado para a cara, e o lado com outra cor [face externa] virado para fora);
  3. Prenda-a à cabeça com os atilhos, dando um laço em cada um, ou com os elásticos, sem os cruzar;
  4. Ajuste a banda flexível na cana do nariz, garantindo que a boca, nariz e queixo estão cobertos;
  5. Certifique-se que a máscara está bem ajustada à face;
  6. Evite tocar na máscara enquanto a tiver colocada. Se tocar, higienize as mãos;
  7. Não deve retirar a máscara para falar, tossir ou espirrar;
  8. Substitua a máscara por uma nova, se esta estiver húmida, higienizando as mãos entre as duas tarefas. Idealmente não deve usar a máscara durante mais de 4 horas seguidas;
  9. Retire a máscara, segurando nos atilhos ou elásticos, a partir da parte de trás (não toque na frente da máscara);
  10. Descarte-a de imediato num caixote do lixo*;
  11. Higienize as mãos, após retirar a máscara.

* As máscaras comunitárias ou de uso social podem ser descartáveis ou reutilizáveis. Para tal devem ser seguidas as recomendações do fabricante

Cartaz da DGS mostra como deve ser colocada e retirada a máscara

Viseira

É um equipamento de proteção contra a projeção de partículas sólidas e líquidas, que deve envolver a face. Estes podem complementar a utilização de máscara mas não conferem proteção respiratória. Servem para proteger o utilizador das partículas expelidas por outras pessoas em proximidade. A sua utilização deve ser considerada por profissionais que possam estar expostos a pessoas que não utilizem máscara, como por exemplo serviços de atendimento ao público, caso não estejam protegidos por uma barreira física (ex: acrílico).

Luvas

A utilização de luvas na comunidade não está recomendada. A sua utilização incorreta pode aumentar o risco de transmissão do SARS-CoV-2. Ao tocar com as luvas em superfícies e objetos pode promover a disseminação do vírus e, ao utilizá-las por longos períodos, pode esquecer-se e tocar com as luvas na cara. A utilização de luvas pode ser recomendada, por exemplo, na manipulação de alimentos, lavagem de roupa ou desinfeção de superfícies contaminadas.

Como colocar e retirar as luvas

Sempre que utilizar luvas, deve colocá-las e removê-las de forma adequada:

.

  1. Higienize as mãos, com água e sabão ou com uma solução à base de álcool, antes de colocar as luvas e seque-as bem;
  2. Retire a 1ª luva da caixa original pela região do pulso, evitando tocar noutras partes;
  3. Coloque a 1ª luva, ajustada à mão, puxando pela região do pulso;
  4. Retire a 2ª luva, segurando-a pela região do pulso;
  5. Coloque a 2ª luva agarrando-a pela parte externa da região do pulso, de forma a evitar tocar no braço;
  6. Depois de colocadas as luvas, deve evitar tocar em superfícies desnecessariamente (as luvas são colocadas para desempenhar uma tarefa e, descartadas logo após a realização da mesma).