Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O que aconteceu na sede da PIDE no 25 de Abril? Qual foi o destino dos agentes da polícia política do Estado Novo depois da Revolução? É a estas e outras questões que o jurista e historiador António Araújo, autor de Matar o Salazar. O Atentado de Julho de 1937 (2017), responde no seu novo livro, «Morte à PIDE!» — A queda da polícia política do Estado Novo, que chega às livrarias portuguesas no próximo dia 21 de junho, com a chancela da Tinta-da-China.

De modo a antecipar o lançamento, o Observador pré-publica, quase integralmente, o terceiro capítulo, “A sede da DGS nas rotas do turismo revolucionário”, que conta como o nº 20 da Rua António Maria Cardoso, em Lisboa, se transformou num destino turístico de passagem obrigatória.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.