805kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Beatriz Brás na Culturgest, em Lisboa, onde a partir desta quarta-feira e até 25 de abril pode ser vista na peça "Na Medida do Impossível", de Tiago Rodrigues
i

Beatriz Brás na Culturgest, em Lisboa, onde a partir desta quarta-feira e até 25 de abril pode ser vista na peça "Na Medida do Impossível", de Tiago Rodrigues

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Beatriz Brás na Culturgest, em Lisboa, onde a partir desta quarta-feira e até 25 de abril pode ser vista na peça "Na Medida do Impossível", de Tiago Rodrigues

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

"Faço teatro porque me serve para a vida", diz Beatriz Brás. Como resiste uma atriz ao medo de falhar?

Em "Na Medida do Impossível", de Tiago Rodrigues, revela-se uma Beatriz Brás atraída pela vulnerabilidade, sem desejos de "cumprir um ideal". Falámos com a atriz na véspera da estreia em Lisboa.

Na nova peça de Tiago Rodrigues, Na Medida do Impossível, que sobe ao palco da Culturgest, em Lisboa, esta quarta-feira (17 de abril), Beatriz Brás dá voz a histórias de trabalhadores de ajuda humanitária do Comité Internacional da Cruz Vermelha e dos Médicos Sem Fronteiras. O espetáculo mostra os bastidores, as vidas destes profissionais tantas vezes invisíveis num “mundo impossível” — esse dos cenários de guerra, dos campos de refugiados, dos que têm de lidar com escolhas de vida e de morte. A forma como Na Medida do Impossível dessacraliza estes trabalhadores, recusando-lhes o título de “heróis”, mas antes humanizando-os, tem a subjetividade do olhar que a atriz carrega. Aquele que, durante a criação do espetáculo, a levou a perguntar ao encenador: “São trabalhadores humanitários, mas como é que se comportam no dia-a-dia?”

Os 30 anos não trouxeram menos perguntas a Beatriz Brás. “Tenho menos medo de ser imperfeita, menos medo de falhar”, diz sobre o amadurecimento possível. Quando nos faz suster a respiração com o poema em que Amália cantava “O medo mora comigo/ mas só o medo, mas só o medo”, dissipam-se dúvidas: eis uma atriz onde já não habita o medo, enamorada pela “possibilidade da queda e da falha”. Afinal, “é isso que nos liga”, diz. “Há uma maestria, uma qualidade que nos atrai em fazer tudo certinho e tecnicamente perfeito, mas a fragilidade é o que nos une, na verdade”. Em Na Medida do Impossível, espetáculo cujo elenco integra desde a estreia em Genebra, em 2022, tem-se permitido ir mais longe. “Permite-me atirar para fora de pé.” Dizer o texto mais de uma centena de vezes não a desgasta ou aborrece, pelo contrário, vê na repetição um caminho para o aperfeiçoamento.

É a única portuguesa no elenco de "Na Medida do Impossível", a mais recente criação de Tiago Rodrigues, em cena no grande auditório da Culturgest, em Lisboa, de 17 a 25 de abril

Beatriz Brás nasceu em Lisboa em 1993, e cresceu nos subúrbios da capital. Começou por ser uma “encenadora exigente”, ao dirigir a amiga Mafalda fazendo uso de uma câmara Canon do pai para inventar brincadeiras, telejornais, anúncios e outros “teatrinhos” que “levava muito a sério”. A carreira enquanto criança-atriz foi comedida, a mãe não queria que faltasse às aulas e ficou-se por pequenos papéis secundários. Até umas férias de verão que gastou a fazer a série juvenil Detective Maravilhas (2007, TVI), onde ganhou relativo protagonismo e alguns convites — que recusou, pois a escola esteve sempre primeiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A televisão ficou para trás, mesmo quando entrou na Escola Superior de Teatro e Cinema e da licenciatura brotou a companhia Auéééu, em 2014, que fundou com colegas de curso e uma filosofia assente no poder horizontal de um coletivo. “Foi desafiante não só em termos criativos, mas quase políticos. Como é que nove macacos se entendem sem andar à porrada?”, ri. Dialogando com a diferença é a resposta. “Não queremos todos pensar da mesma maneira, queremos dialogar com o que é diferente e usar isso nos nossos espetáculos.”

Em 2014, saída do Conservatório, fundou com oito atores a companhia de teatro Auéééu

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Colavam guiões de cinema a textos filosóficos e canções, criavam espetáculos cozinhados num “caldeirão escrito por várias mãos e pensado por várias cabeças”. A experiência “foi determinante na minha postura no teatro e na vida”, garante. Valoriza “este espaço livre, caótico, desorganizado, que não pretende ser eficaz, que não tem medo do risco, da falha, de ser um espetáculo que falha, que não é nada, que é despretensioso, que não quer chegar a lado nenhum. Ainda hoje tenho esta atitude”, confessa. “Este lado da arte ser despretensiosa é uma coisa que vejo pouco hoje em dia. Tem sempre uma agenda política ou mais engajada, ou com uma certa moral ou causa. Acho que isso é importante, também, mas não nos devemos esquecer do lado inútil da arte e do risco.”

Tiago Rodrigues: “Se tivesse as respostas, fazia política. Como não tenho, faço teatro, faço perguntas”

Foi precisamente com os Auéééu, no espetáculo Tradição, que Beatriz chamou a atenção do encenador e dramaturgo Tiago Rodrigues, que a convidou para uma audição de Sopro (2017), onde acabou a ser a voz de Cristina Vidal, ponto do Teatro Nacional Dona Maria II que conversava com o então diretor do teatro. A peça, que fez carreira internacional, viria a revelar-se fundamental no seu percurso: não só porque foi a primeira colaboração com Rodrigues, com quem no final do ano viajará até à Bélgica para começar a laborar numa nova criação, como a conduziu ao realizador Tiago Guedes, que a viu no palco do Teatro Nacional e a desafiou a fazer um casting para o seu próximo filme, A Herdade (2019). Pouco depois, tornou a chamá-la para a série Diálogos Depois do Fim (2024).

Com Sandra Faleiro, Albano Jerónimo e João Pedro Mamede em "A Herdade" (2019), filme de Tiago Guedes apresentado na competição do Festival de Cinema de Veneza

Se dúvidas houvesse que esta é a história de uma atriz profundamente comprometida com o ofício, é a própria que confirma que foi no encontro com a profissão que descobriu o seu manual de sobrevivência, cinto de segurança e relógio para o despertar de um pensamento. “É por isso que faço teatro, porque me serve para a vida. Se não, não me interessava”, diz prontamente. “Gosto de questionar as coisas profundamente. Claro que me interessa o ego, aplausos, não sou ingénua a esse ponto de dizer que é uma relação pura, mas penso: de que é que isto me está a servir? Quando vejo um filme ou leio um livro, penso: o que é que isto me está a dizer? Estou a ler este livro para dizer aos outros que li ou porque de facto me interessa?”.

Reconhece a entrada no Conservatório como um momento de revolução pessoal. Ali ouviu “está tudo bem contigo e com o teu corpo, não tens de ser alguém que não és”. “Foi um despertar de consciência daquilo que sou e daquilo que posso ser. Deu-me palco para poder arriscar sem medo a partir daquilo que era. Descobri as potencialidades que o meu corpo tinha. Foi muito transformador”, assegura, recordando a miúda insegura “com aquilo que sabia e não sabia, com a aparência também”.

"Gosto de espetáculos que arriscam, que se vê que há ali um nível de risco, que não tentam ser só eficazes e agradar o público, que são honestos. Gosto de espetáculos que não são só para a vaidade."

Os egos e aplausos que tem recebido e que, ao que tudo indica, continuará a receber, podem ser inebriantes, sabe. “Os artistas são vaidosos e também sou vaidosa. É muito forte lidar com tantos olhares do outro. É um desafio não cair nessa armadilha. Para mim é uma tentação muito grande”, confidencia. Mas mais do que a vaidade, “existe um expor de alguém que o está a fazer sem grande sentido utilitário”. “É isso que me comove, essa exposição”, reflete. Por isso mesmo, gosta “de espetáculos que arriscam, que não tentam ser só eficazes e agradar o público, que são honestos. Não são só espetáculos para a vaidade.”

Nos quadros de Van Gogh, contempla a inquietação. “Claro que ele deveria quer agradar, mas há ali uma inquietação honesta, bruta, provocadora, uma dor que está ali expressa naquele quadro que é mais do que vaidade ou ego. Gosto quando há este rasgão, este gesto que não é para os outros me aceitarem ou incluir num grupo, coisa que faço muitas vezes no meu dia a dia. Gosto quando consigo sair deste lugar de fazer só para agradar ou para ser incluída ou para ser aceite. Simplesmente um gesto de: isto está-me a acontecer. E podem ver, se quiserem ver. Eu acho que isto é um ato de coragem. Trazer luz àquilo que está trapalhão e incompleto, é isso que me faz sentir acompanhada e sentir que há alguma coisa que nos une.”

Em "Sopro", de Tiago Rodrigues, a atriz foi a voz de Cristina Vidal, ponto do Teatro Nacional Dona Maria II e protagonista da peça que se estreou no Festival de Avignon, em 2017

Filipe Ferreira

Beatriz recorda a história da mãe, nascida na aldeia de Perolivas, Reguengos de Monsaraz, no Alentejo, de quem herdou a musicalidade. Era o tio que tocava acordeão e a levava para os bailes até que um dia a diretora de um colégio a ouviu e, denotando talento na “rapariga da aldeia”, permitiu que continuasse a estudar oferecendo-lhe os estudos. “A minha mãe tem esta relação com a música, não é que a tenha salvado, mas abriu-lhe as portas. Sempre me incentivou a cantar, cantamos a duas vozes fado, cante alentejano. Sempre tive esta relação emocional com a música.”

Não esconde a ambição que a música ocupe mais espaço na sua vida profissional, tampouco o desejo de construir um espetáculo só seu. O coletivo Auéééu deu-lhe margem para experimentar, “umas coisas ficavam, outras não”. “Muitas vezes nem percebia bem o espetáculo que estávamos a construir. Metade do espetáculo não percebia. Mas aquela falta de domínio sobre o que se cria também me entusiasmava.”

"Gostava de dizer coisas que não acrescentassem muito ao mundo. Esta coisa de fazer teatro para mudar o mundo... já tive isso. Acho que uma obra de arte perde força quando aponta diretamente para um sentido. Cada vez mais chateia espetáculos que me digam como é que tenho de pensar, como é que me devo posicionar."

“As they say in my country: Mais vale tarde do que nunca”, diz no palco da Culturgest. Assim será uma criação própria da atriz, “uma coisa que gostava de ganhar coragem para fazer”. Coragem e “talvez alguma bagagem”, continua, logo baixando a voz. “Acho que isto são desculpas. Nunca estamos prontos para nada. Às vezes ainda tenho medo de falhar e de expor a minha falha. Uma coisa é interpretarmos um texto, outra coisa é assinarmos uma obra. Claro que se falhar ao interpretar um papel é mau, mas um espetáculo acho que exige uma posição de liderança e de responsabilidade ainda maior e que eu ainda não sei se estou capaz de me lançar nesse campo. Mas tenho esse desejo.”

O que quer Beatriz Brás dizer? “Gostava de dizer coisas que não acrescentassem muito ao mundo. Esta coisa de fazer teatro para mudar o mundo… já tive isso. Acho que uma obra de arte perde força quando aponta diretamente para um sentido. Cada vez mais chateia espetáculos que me digam como é que tenho de pensar, como é que me devo posicionar ou que me dão algum tipo de moralidade. Embora ache que eles devam existir, não estou a julgar nem a condenar ninguém. Para mim, gostava de expor um lado frágil meu, inseguro. Acho isso tão forte. Aquilo que mais gosto de ver num ator é a vulnerabilidade em cena.”

Depois de "A Herdade", a atriz voltou a encontrar-se com Tiago Guedes em "Diálogos depois do Fim", adaptação dos "Diálogos com Leucó" (1947), do escritor e poeta italiano Cesare Pavese (1908-1950)

Há quem esconda as inseguranças, faça por camuflá-las, cobri-las de camadas de pose e artifício. Beatriz quer usá-las como matéria. “Gostava de falar sobre isso, sobre a minha insegurança na vida. Dar palco a isso: a uma coisa imperfeita, inacabada, que não é eficaz, que é trapalhona. E talvez fazer companhia às pessoas que se sentem dessa maneira também, ou não. Elas também não têm de gostar daquilo que estou a dizer. Às vezes está tudo bem em não cumprir com um ideal.”

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO