Primeiro, falhas no Nord Stream 2, registadas na madrugada desta segunda-feira. Várias horas depois, falhas no Nord Stream 1. Estes dois gasodutos partem da Rússia, têm a sua última paragem na Europa e, apesar de nenhum deles estar, neste momento, a fornecer gás aos europeus — o que significa que os incidentes não têm, para já, impacto imediato no fornecimento de gás à Europa —, os seus tubos continuam a conter gás. E foi precisamente em três tubos destes dois gasodutos que foram detetadas pelo menos três fugas, em pleno Mar Báltico. 

“Basta pressionarem o botão e tudo se resolve”. Putin sugere à UE que levante sanções ao Nord Stream 2 se enfrenta dificuldades com o gás

“As razões estão a ser investigadas”, informou em comunicado, esta terça-feira, a operadora Nord Stream AG, com sede na Suíça. As averiguações dos danos “sem precedentes” ainda estão em curso, mas os dois lados — Rússia e Europa — já deixaram os respetivos avisos. As autoridades europeias dizem desconfiar de sabotagem, atribuindo culpas aos russos e à sua ameaça energética; o Kremlin sublinha que este é um assunto muito sério e que não deve ser descartada nenhuma possibilidade.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.