814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

A cantora Eliana Rosa, 23 anos, é a protagonista da terceira longa-metragem do realizador Basil da Cunha, "Manga d’Terra", que se mostra em Portugal pela primeira vez este sábado, 25 de maio, às 21h45, na Culturgest, em Lisboa
i

A cantora Eliana Rosa, 23 anos, é a protagonista da terceira longa-metragem do realizador Basil da Cunha, "Manga d’Terra", que se mostra em Portugal pela primeira vez este sábado, 25 de maio, às 21h45, na Culturgest, em Lisboa

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A cantora Eliana Rosa, 23 anos, é a protagonista da terceira longa-metragem do realizador Basil da Cunha, "Manga d’Terra", que se mostra em Portugal pela primeira vez este sábado, 25 de maio, às 21h45, na Culturgest, em Lisboa

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

No coração do novo filme de Basil da Cunha está a voz de uma mulher

"Manga d’Terra" estreia-se em junho, mas mostra-se este sábado no IndieLisboa. O cineasta luso-suíço centra pela primeira vez um filme numa mulher e na atriz que a interpreta: a cantora Eliana Rosa.

O realizador Basil da Cunha tem filmado a Reboleira, na Amadora, movido pela vontade de “pôr na tela quem lá não estava”, mas nunca antes havia filmado a força das suas mulheres. É o que acontece em Manga d’Terra, terceira longa-metragem do realizador que se mostra este sábado, 25 de maio, no festival IndieLisboa, antes de chegar aos cinemas a 6 de junho.

A história é a de Rosinha, emigrante cabo-verdiana recém-chegada a um bairro periférico de Lisboa em que o assédio e a violência policial são quotidianos. A trabalhar num bar para enviar dinheiro para os filhos, encontra consolo na música e nas mulheres da comunidade.

Tal como a personagem que interpreta, também Eliana Rosa deixou Cabo Verde e se instalou na Reboleira. Deambulando pelas ruas, o seu magnetismo é tanto quanto o que imprime na tela do grande ecrã. Esta é a sua “rampa de lançamento”, atira o jovem do café do bairro, num misto de desejo e profecia.

“O filme está a sair, o meu EP está a sair, é por isso”, justifica Eliana quando se senta com o Observador, na sombra da esplanada. Manga d’Terra estreou-se mundialmente no verão passado, no Festival de Cinema de Locarno, mas é a estreia em Portugal que lhe causa nervosismo, admite. “Finalmente”, solta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Reboleira já não existe como filmada no cinema de Basil da Cunha. Quando Eliana percorre o bairro e aponta para os cenários de "Manga d’Terra", pouco mais resta do que memórias do que foi destruído

Nascida na ilha de Santo Antão, Cabo Verde, Eliana Rosa, 23 anos, começou cedo a descobrir a sua voz. “Em Cabo Verde temos muita influência brasileira, então cantávamos música de lá, das novelas principalmente. Cantava todas as publicidades da televisão”, recorda. Entre o tempo que viveu em Santiago e, mais tarde, em São Vicente, começou a cantar à noite e entrou até num grupo coral, mas olhar para a música além de um talento inato e uma possibilidade de um caminho profissional permanecia não mais do que um sonho longínquo.

Quando, finda a escola secundária, se mudou para Portugal, em 2019, e se instalou na Buraca, na Cova da Moura, onde os pais e a irmã já viviam, a intenção era fazer um curso numa escola de formação de atores, mas acabou por desistir no terceiro ano. Justifica: “Já não me identificava. Depois conheci o Basil e fizemos o filme.”

Eliana Rosa veste a pele de Rosinha, a protagonista do filme, que entre o assédio e a violência policial diária, luta para trabalhar e assim poder enviar dinheiro para os dois filhos em Cabo Verde

O quase-musical que é Manga D’Terra seria bem diferente não fosse a sua protagonista. “O Basil quando faz filmes tem um guião escrito, mas é escrito para a pessoa. Acho que a Rosinha também sou eu”, concede. “Não tenho filhos, mas vi a minha mãe. Fazendo esse filme, parece cliché, mas há uma força que vejo da minha mãe e que queria transmitir um bocadinho. Aquela resiliência. Se calhar não se vê… Se calhar vê-se muita vitimização, mas eu vejo outra coisa. Vejo aí uma vontade de persistir.”

[Já saiu o segundo episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui o primeiro episódio.]

Basil da Cunha tem assumido, nas diversas entrevistas de promoção de Manga D’Terra, como lamenta ter deixado de lado (por vezes até na fase de montagem) as mulheres nos filmes antecessores, todos rodados na Reboleira, subúrbio onde vive há quase duas décadas e no qual tem pousado o olhar também pela necessidade de preservar a memória coletiva do bairro que se está a transformar-se rapidamente.

Natural da ilha de Santo Antão, em Cabo Verde, Eliana mudou-se para Portugal durante a pandemia. Começou por viver na Cova da Moura, Amadora, até se fixar na Reboleira

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

As “mulheres do bairro, guerreiras”, que “existem e ainda não têm a luz que merecem”, como dizia o realizador em entrevista ao Observador em 2020, estão, finalmente, em grande plano. “As mulheres são fortes para caramba. É muito bom ter esse espaço para se ver também essas mulheres”, diz Eliana, para quem Rosinha personifica uma voz coletiva que urge escutar. “A Rosinha é uma menina-mulher que deixa dois filhos em Cabo Verde com a mãe, e vem para Portugal, como muitas mulheres fazem, para procurar uma vida melhor para os filhos, para ela. A personagem da Rosinha representa uma mulher muito forte, assim como muitas mulheres pretas que chegam numa sociedade de brancos, e num bairro onde há muito assédio sexual, muita violência policial. É aquela personagem que existe, mas que não se vê nos filmes. Nós sabemos que ela existe, mas nunca foi representada.”

"A Rosinha (protagonista do filme) representa uma mulher muito forte, assim como muitas mulheres pretas que chegam numa sociedade de brancos, e num bairro onde há muito assédio sexual, muita violência policial. É aquela personagem que existe, mas que não se vê nos filmes. Nós sabemos que ela existe, mas nunca foi representada"

Manga d’Terra encapsula mais do que um tempo de um bairro que vai desaparecendo — não é uma metáfora, as casas têm vindo, de facto, a ser demolidas. É também uma possibilidade de atentar para o fardo que carregam as mulheres, e que vai além dos múltiplos empregos. “Nem sempre é fácil ser mulher em qualquer sítio, mas no bairro é diferente porque vais sofrer por seres preta, por viveres no bairro, por não teres um salário com que consigas ter uma vida melhor. Quando dizes a um taxista, por exemplo, vou para a Cova, ouves ‘Ah não, aí eu não subo’. Magoa, dói. Quantas vezes eu, sendo Eliana, já briguei com taxistas? Viver no bairro não é fácil. Mas não é pelo bairro. É pelo que as outras pessoas vêem do bairro. Pelo que os brancos vêem do bairro.”

Em "Manga d’Terra", o espaço dado à música é também uma oportunidade para descobrir temas originais de Eliana Rosa. As canções vão integrar o EP que a cantora espera lançar "até ao final do ano"

Manga D’Terra arranca com uma cena de rusga policial, ruas esventradas por uma força que ignora as complexidades e riquezas do ambiente que ali se vive. “Não estou no bairro, mas ouço muitas histórias de quando os policiais chegam já a arrebentar com tudo e é muito triste. É complexo falar sobre isso porque eu tenho o meu lado, os policiais têm os dele e não sei o que eu posso dizer sobre isso, sinceramente. As coisas podiam ser mais suaves. Os polícias mentem muito, vitimizam-se muito em relação a muita coisa.”

É um dos temas âncora do filme, a par do assédio, que “é posto como muito normal”, alerta Eliana. “No bairro, então, é tipo bola que segue”, comenta, assumindo que a cena em que passa por um episódio de abuso “foi a parte mais difícil de ter filmado”.

Com um filme no currículo, a cantora não esconde a vontade de explorar uma carreira enquanto atriz, mas assume que a música é a sua grande paixão: "Cantar é que faz o meu coração bater forte"

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Tal como nas obras anteriores de Basil da Cunha (Até Ver a Luz, O Fim do Mundo, 2720), não há espetacularização da violência. A tragédia e a comédia andam a par e passo — a música dita a velocidade. “O filme também fala de um sonho que a Rosinha tem. Ela consegue encontrar uma força na música”. É a música que salva a personagem das adversidades. “É um respirar outra vez. O que caracteriza muito o filme é a música. O que o filme não diz, a música canta. A Rosinha canta.”

As canções que populam o filme — que pisca o olho ao género musical, com Basil da Cunha a assumir-se fã de Bob Fosse, realizador que filmou Cabaret (1972) e All That Jazz (1979) — servem como comentário à dureza do quotidiano e desempenham um papel crucial na história. É, aliás, o tema Manga d’Terra, dos Acácia Maior que dá título ao filme. Mas antes ainda se escuta Grandeza, também do coletivo composto por Henrique Silva e Luís Firmino. “É uma música fortíssima, lindíssima, que fala sobre: para quê? Para quê tratar mal as pessoas? Para quê achares que vais subir em cima de alguém? Não ganhas nada com isso. Olha as coisas tão bonitas que existem no mundo. Olha as crianças. Essa música é esperança. É sobre fazer o bem.”

As restantes faixas do filme são da autoria de Eliana, como Abernuncia, que compôs com Henrique Silva, e que acompanha as emoções de Rosinha. Há ainda Mornabeza, e Rebolice na Rebolêra. “Foram músicas que escrevemos mesmo para o filme. Para ajudar o filme também a ajudar a Rosinha.” As três canções vão constar no EP que a cantora prevê lançar “até ao final deste ano”.

"Nem sempre é fácil ser mulher em qualquer sítio, mas no bairro é diferente porque vais sofrer por seres preta, por viveres no bairro, por não teres um salário com que consigas ter uma vida melhor. Quando dizes a um taxista, por exemplo, vou para a Cova [da Moura], ouves 'Ah não, aí eu não subo'. Magoa, dói. Quantas vezes eu, sendo Eliana, já briguei com taxistas? Viver no bairro não é fácil. Mas não é pelo bairro. É pelo que as outras pessoas vêem do bairro"

Locarno? “Estou mais nervosa porque é em casa”

As orquídeas brancas que romperam pela porta falaram-lhe mais ao coração do que as palavras Festival de Locarno. “Estava sempre a reclamar que ele nunca me deu flores. E o Basil, do nada, chega a casa com flores e um sorriso daqui aqui [gesticula]. Fiquei mais contente com ele me ter dado flores do que com saber que íamos para Locarno (risos). Não tinha noção do que era Locarno”, conta Eliana Rosa, recordando a estreia mundial de Manga D’Terra, no Concurso Internacional do Festival de Cinema Locarno (onde a anterior longa-metragem do realizador luso-suíço, O Fim do Mundo, já tinha sido mostrada em 2019).

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A poucos dias de Manga D’Terra se mostrar numa sala de cinema em Portugal — a estreia comercial acontece a 6 de junho — a jovem denuncia uma preocupação maior do que aquela que sentiu ao pisar um dos mais importantes festivais de cinema do mundo. “Estou mais nervosa porque é em casa”. “É povo difícil”, acaba por dizer. “O meu objetivo é que o meu povo, os cabo-verdianos, tenham orgulho em mim.”

A primeira projeção do filme no festival IndieLisboa, que acontece este sábado, 25 de maio, às 21h25, na Culturgest, em Lisboa, é seguida por um concerto no B.Leza, clube no Cais do Sodré, com músicas do filme. Apesar de estar a celebrar a sua estreia enquanto atriz de cinema, admite que é o palco que a faz tremer. “A música faz-me levantar da cama, é a minha vida. Cantar é que faz o meu coração bater forte mesmo. O meu coração bate mais forte quando canto. Fico muito nervosa quando vou subir a palco”.

Com um primeiro filme no currículo, olha para a profissão de atriz como “um complemento”. “Podemos dizer que sou uma cantora que representa”, diz sem descartar possibilidades. “Também quero seguir a minha vida neste rumo. Quero ser versátil, quero fazer tudo. E Porque não fazer tudo?”

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos