No “Bairro do Sol Nascente” — assim identificado com uma placa pregada num dos contentores que servem de casa a quem trabalha naquela exploração agrícola — quase não pára ninguém. Os trabalhadores apressam-se a ir buscar aos quartos os documentos de identificação que têm de apresentar às autoridades, que para ali afluíram numa ação de fiscalização. E o caminho até ao escritório, onde são esperados, ainda lhes demora alguns minutos, talvez cinco, a pé.

São, na sua esmagadora maioria, estrangeiros: vêm do Nepal, da Índia, do Paquistão, da Tailândia. Em português, não sabem muito mais do que dizer “olá” e mesmo o inglês custa a sair. As conversas com o Observador, apressadas, tornam-se, por isso, difíceis. Alguns gestos universais ajudam — “Do you like this?”, perguntamos, com o polegar levantado, a um trabalhador. Do outro lado, o mesmo gesto: “I like, good”. Números escritos numa folha também — como quando procurámos saber o horário de trabalho (7.30 — 4.30, escreveu, explicando depois, com dificuldade, que tem direito a apenas um dia de folga, e a 22 de férias) e as condições salariais. “Salary good?”. “Good.” “How much?”. Num caderno que lhe emprestámos escreve:
600
700
800
para explicar que, quando trabalha mais, recebe mais.

Naquele “bairro” de contentores, numa exploração na freguesia de São Teotónio, em Odemira, os sapatos e as galochas do trabalho ficam à porta de “casa”, há roupas no estendal, os gatos vadios aproveitam os bancos ao sol ou as caixas de cartão esquecidas para se aninharem, protegidos do movimento. Cada contentor — semelhante aos que são instalados nas escolas para albergar os alunos durante obras nos edifícios — tem, no exterior, uma mesa de tipo piquenique e há uma área de refeições comum. A partir do “Sol Nascente” – um nome demasiado poético para o cenário – veem-se as extensas estufas de amoras, framboesas e mirtilos onde os trabalhadores passam grande parte do dia. Mas há outras, mais pequenas, de uso pessoal, com couves, ervas aromáticas e até malaguetas, distribuídas entre as filas de contentores.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.