819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Catarina Martins (Bloco) e Fidalgo Marques (PAN)
i

Catarina Martins (Bloco) e Fidalgo Marques (PAN)

Catarina Martins (Bloco) e Fidalgo Marques (PAN)

Quem ganhou o segundo frente-a-frente da Rádio Observador. Catarina Martins ou Fidalgo Marques? Veja as notas

A ex-líder do Bloco e o estreante escolhido pelo PAN falaram sobre o envio de tropas para a Ucrânia, do apoio da UE a Israel e da situação em Gaza, do BCE e acabaram a discutir sobre causas ambientais

Catarina Martins e Pedro Fidalgo Marques estavam a disputar o mesmo eleitorado (de esquerda e ambientalista) no segundo dos únicos frente-a-frente das europeias — serão sete na Rádio Observador. Mas entre ambos havia um claro abismo de experiência política. A ex-líder do Bloco de Esquerda e agora cabeça de lista do partido às europeias e o estreante escolhido pelo PAN falaram do possível envio de tropas (da NATO) para a Ucrânia, do apoio da UE a Israel e da situação em Gaza, do controlo e escrutínio do BCE e acabaram a discutir sobre as bandeiras ambientais do PAN que o Bloco acusou de terem sido esquecidas na Madeira.

Os frente-a-frente na Rádio Observador, os únicos nestas europeias continuam esta quinta-feira, com três debates: a nossa “Super Thursday” terá às 17h00 o debate entre o cabeça de lista do Chega, António Tânger-Corrêa e o cabeça de lista do PAN, Pedro Fidalgo Marques; às 18h00, o debate entre a cabeça de lista do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e o cabeça de lista da CDU, João Oliveira; e às 19h00, o debate entre o cabeça de lista da AD, Sebastião Bugalho e o candidato da IL, João Cotrim Figueiredo. Pode consultar o calendário completo aqui.

Quem esteve melhor? Ao longo destes dias, um painel de avaliadores do Observador vai continuar a dar notas de 1 a 10 a cada um dos candidatos nos frente-a-frente da Rádio Observador. O mesmo modelo que temos usado, e vamos continuar a manter, nos debates a quatro das televisões (que se manterá e estenderá ao debate a oito, quer das televisões, quer das rádios). A média surge a cada dia, no gráfico inicial, onde pode ver a classificação geral e saber quem tem estado melhor e quem lidera.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[Já saiu o segundo episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui o primeiro episódio.]

Quem ganhou o frente-a-frente da Rádio Observador, Catarina Martins ou Fidalgo Marques?

Filomena Martins — Fidalgo Marques tinha dois caminhos para este frente-a-frente na Rádio Observador. Ou vinha preparado com todas as causas ambientais e animais de que se lembrasse para atirar para cima de Catarina Martins, porque é a única e pequena parte do eleitorado que o PAN ainda pode pensar disputar com o Bloco; ou tinha aproveitado o mau arranque da ex-líder bloquista sobre a ameaça da guerra nuclear por causa da Ucrânia e não “deslargava” até a fazer dizer se era a favor ou contra uma saída da NATO, dúvida que pairou nas legislativas. Mas nem uma coisa, nem outra. Primeiro não só a deixou passar pelo terreno escorregadio, limitando-se a um inocente “fico feliz por Catarina Martins agora já falar da NATO, quando antes a punha em causa”, como lhe permitiu ficar com frase a frase de grande efeito do tema — “fala-se de guerra como se estivesse a jogar Playstation” —, enquanto ele se limitava à preocupação da “contaminação do solo com tanto armamento”. Depois foi quase doloroso ver como Catarina lhe tirou o tapete nas “causas ambientais” e disse ser “imperdoável” ter-se esquecido delas nas alianças na Madeira e nos Açores. Fidalgo acabou encolhido a um canto a dizer que a ideologia do PAN era ser progressista de causas. Muito verdinho para uma Catarina madura. Por muito que se discorde do que ela diz e pensa.

Pedro Jorge Castro — Um partido em vias de extinção nas legislativas, que só conseguiu eleger a líder para o Parlamento. A concorrência de ex e futuros líderes em quase todos os partidos adversários. E a sombra de outro novato político, igualmente desconhecido, que tem surpreendido pelo atrevimento. Dificilmente o cenário eleitoral podia ser pior para o PAN e para o candidato anónimo Pedro Fidalgo Marques. Conseguiu dar uma outra bicada (sobre a NATO) em Catarina Martins, mas bastou a ex-líder do Bloco soprar na parte final contra a incoerência do PAN nos Açores e na Madeira para Fidalgo Marques ficar encolhido, sem a capacidade de reação e a eficácia de comunicação necessárias para contrariar o anunciado triste horizonte do PAN nesta campanha. A candidata do Bloco já anda nisto há demasiado tempo para não dominar um debate destes sem esforço nenhum. Não surpreendeu, mas também não desiludiu a sua base, sem dar hipótese ao adversário em nenhum dos temas. Se havia indecisos entre BE e PAN, esfumaram-se depois deste frente-a-frente.

Miguel Pinheiro — “Quando concordas com o teu adversário, procura as divergências.” Esta devia ter sido a máxima de Pedro Fidalgo Marques no segundo frente-a-frente da Rádio Observador. Sendo o BE um partido que partilha as causas ambientais, o cabeça de lista do PAN teria tido vantagem se procurasse refúgio nas propostas sobre bem-estar animal: é aí que está o eleitorado que o partido precisa de mobilizar, numas europeias onde, além do BE, também disputa o voto dos verdes com o Livre. Mas Pedro Fidalgo Marques não fez isso. E, ao não fazer isso, permitiu que Catarina Martins reduzisse o PAN à insignificância política. Já no final do debate, falando sobre a Madeira e sobre os Açores, a cabeça de lista do BE acusou o adversário de deixar cair as “bandeiras ambientais” sempre que se aproxima do poder. Para Catarina Martins, foi um debate de serviços mínimos; para Pedro Fidalgo Marques, foi um debate de perdas máximas.

Rui Pedro Antunes — Catarina Martins foi muito mais eficaz que Fidalgo Marques em vários temas. Na Guerra da Ucrânia, o candidato do PAN até enviou uma farpa à bloquista quando disse que ficava “feliz” por ela estar a falar na NATO quando nas legislativas “punha em causa” a organização — mas não soube capitalizar o ataque. Na questão da Palestina a bloquista defendeu o reconhecimento do Estado da Palestina e, de alguma forma, infantilizou a proposta do PAN que pretende acolher estudantes palestinianos em Portugal. Sobre o BCE, defendeu a descida dos juros, que diz mais ao quotidiano dos eleitores, enquanto o candidato do PAN não saiu da proposta de aprofundar os processos de vetting ao board do BCE. Mas a maldade final de Catarina Martins a Fidalgo Marques foi quando lhe atirou com a coligação do PAN com Miguel Albuquerque na Madeira ou com a viabilização de um orçamento regional que ajudou a direita nos Açores. Há um eleitorado, apartidário, que vota no PAN “só” pelas causas, mas Catarina Martins terá sido implacável num ponto: a convencer o eleitorado de esquerda ambientalista, anti-capitalista e defensor das minorias que o candidato deles é ela e não Fidalgo Marques. Dava-lhe jeito também, eventualmente, um debate com Paupério.

Frente-a-frente do Observador. Quem ganhou, Francisco Paupério ou Tânger-Corrêa? Veja as notas

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos