817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Francisco Paupério (Livre) e Tânger-Corrêa (Chega)
i

Francisco Paupério (Livre) e Tânger-Corrêa (Chega)

Francisco Paupério (Livre) e Tânger-Corrêa (Chega)

Frente-a-frente do Observador. Quem ganhou, Francisco Paupério ou Tânger-Corrêa? Veja as notas

No primeiro frente-a-frente do Observador, os únicos destas europeias, Francisco Paupério e Tânger-Corrêa divergiram e tudo: políticas de imigração, reparações históricas e apoio a Israel.

No primeiro frente-a-frente da Rádio Observador, os únicos destas europeias, Francisco Paupério e Tânger-Corrêa discordaram em todos os temas, como era esperado entre os cabeças de lista de dois partidos que estão em extremas praticamente opostos de espectro político nacional. Começaram a mostrar os seus pontos de vista divergentes sobre a questão das reparações históricas, levantada por Marcelo Rebelo de Sousa; voltaram a mostrar as suas posições bem diferentes em relação às políticas de imigração; chocaram sobre o apoio da União Europeia a Israel e a posição da ONU junto do Hamas; e acabaram numa troca de argumentos e um debate aceso sobre as famílias políticas (ou a mudança que pode vir a acontecer quer no Chega ou até já foi sugerida para o Livre) dentro da Europa.

Os frente-a-frente na Rádio Observador, os únicos nestas europeias continuam esta quarta-feira às 19h00, com o debate entre a cabeça de lista do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e o candidato do PAN, Pedro Fidalgo Marques. Pode consultar o calendário completo aqui.

[Ouça aqui o frente-a-frente entre António Tânger-Corrêa e Francisco Paupério]

Tânger Corrêa (Chega) – Francisco Paupério (Livre)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quem esteve melhor? Ao longo destes dias, um painel de avaliadores do Observador tem dado notas de 1 a 10 a cada um dos candidatos nos debates a quatro das televisões (que se manterá e estenderá ao debate a oito, quer das televisões, quer das rádios), explicando porquê. A partir desta quarta-feira vai manter o mesmo modelo também com os frente-a-frente da Rádio Observador.

[Já saiu o segundo episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui o primeiro episódio.]

Quem ganhou o frente-a-frente da Rádio Observador, Francisco Paupério ou Tânger-Corrêa?

Carlos Diogo Santos — Num frente a frente sempre vivo, Francisco Paupério foi mais eficaz na mensagem e em muitos temas mostrou mesmo estar mais bem preparado. Sendo quase certo que a estratégia de António Tânger-Corrêa passa pela sua postura pouco assertiva — que procura evitar confronto —, nos principais temas isso não correu bem. Quer se concorde ou não com a existência de reparações históricas, ficou clara a posição do Livre, com o cabeça de lista do partido a lembrar que o tema foi levantado por Marcelo e que países como França já deram inicio a um diálogo — o Livre quer que os países que foram colónias portuguesas sejam ouvidos. E foi aí que surgiu a primeira interpelação que viria a marcar todo o debate: “Não sei que Tânger tenho hoje pela frente”. Tânger-Corrêa respondeu, dizendo que defende o diálogo e a abertura de canais diplomáticos, mas para resolver coisas, não para olhar para o passado. Na integração de imigrantes, Paupério também acabaria por ser mais claro sobre o que defende, usando o exemplo do que aconteceu com os imigrantes ucranianos, para rematar que a Europa é capaz de mais e melhor na integração — o pilar que diz estar a falhar em Portugal. Aqui o cabeça de lista do Chega estabeleceu a diferença entre migrantes do continente europeu e de outros continentes, para dizer que não é comparável a integração. No final, quando tentava explicar a diferença de tratamento de Bruxelas em relação à Rússia e a Israel, Tânger acabou por reduzir quase tudo ao argumento de que o “conflito na Ucrânia não nasce de situação de ódio”. O que, na verdade, pouco ou nada diz sobre a forma como a Europa deve encarar os dois conflitos.

Pedro Jorge Castro — Paupério é um jovem outsiderque vem de fora da política, mas aprendeu depressa os pequenos truques que desequilibram um frente-a-frente. Estudou o adversário, percebeu as dificuldades mostradas por Tânger-Corrêa quando é provocado e abusou disso mesmo, a confrontá-lo diretamente em todos os temas, de forma picuinhas, até a insistir para o candidato do Chega indicar a fonte de uma sondagem — que saiu há dois dias na CNN. Os apartes “Não sei que Tânger tenho hoje pela frente” ou “Ainda não tínhamos ouvido essa teoria do Tânger” ajudam a reforçar o apoio na claque de esquerda. O candidato do Chega é vice-presidente do partido, mas parece demorar a adaptar-se às regras de comunicação, sempre com muita dificuldade em lidar com as interpelações diretas de Paupério, e com uma resposta estranhamente mal preparada sobre a família europeia a que afinal o Chega vai pertencer. Mas o vencedor foi mesmo o modelo: o duelo reforçou que não há formato mais esclarecedor do que os frente-a-frente.

Miguel Pinheiro — Francisco Paupério esteve ao ataque; António Tânger-Corrêa esteve à defesa. Mas a opção tática de cada um deles não mostra, necessariamente, a vitória de um e a derrota de outro. Na verdade, os dois fizeram o que mais lhes convinha: o cabeça de lista do Livre precisava de mostrar à restante esquerda que consegue enfrentar o partido de André Ventura; e o cabeça de lista do Chega quis dar mais uma prova de que é atacado, perseguido e difamado. Nos temas, Tânger-Corrêa foi eficaz quando usou uma sondagem que mostra que 74% dos portugueses são contra reparações às ex-colónias, mas teve dificuldades em explicar, afinal, qual é a família europeia a que quer pertencer. Já Francisco Paupério foi competente quando falou da visão do Livre para a Europa, mas tornou-se pouco claro quando argumentou que a nossa política de imigração funciona bem e que os únicos problemas estão na política de integração. No final, tivemos um empate — mas um empate em que os dois ganharam.

Miguel Santos Carrapatoso — O duelo a dois favorece a troca de argumentos e foi isso acabou por acontecer. António Tânger-Corrêa, que tem utilizado os debates a quatro para evitar confrontos mais diretos, foi obrigado por Francisco Paupério (muito mais assertivo do que em debates anteriores) a sair da zona de conforto e a responder a algumas provocações. Apesar de mostrar francas melhorias face aos primeiros debates, continua demonstrar algumas fragilidades: voltou a não conseguir explicar com argumentos estruturados porque se opõe o Chega a uma visão mais federalista do projeto europeu; continua sem explicar exatamente o que pretende para a imigração para lá da frase feita “não queremos portas escancaradas”; e insiste em sugerir que pode mudar de família política europeia assim que forem contados os votos nas europeias, não percebendo que está a criar um problema de perceção pública sobre as convicções do Chega. Mais esclarecido, Francisco Paupério marcou pontos nestes três temas. O candidato do Livre acabou, no entanto, por enredar-se em comparações pouco sustentadas entre o que se passa na Ucrânia e em Gaza e perdeu-se em frases redondas sobre o dever de reparação de Portugal às antigas colónias, relacionando-as estranhamente com o papel da UE no continente africano. Por tudo isto, Paupério venceu, mas sem brilho.

Quem ganhou o debate: Marta Temido, Sebastião Bugalho, Tânger Corrêa ou João Oliveira? Veja as notas

Quem ganhou o debate: João Oliveira, Fidalgo Marques, Tânger Corrêa ou Cotrim de Figueiredo? Veja as notas

Quem ganhou o debate: João Oliveira, Catarina Martins, Cotrim de Figueiredo ou Francisco Paupério? Veja as notas

Quem ganhou o debate: Catarina Martins, Fidalgo Marques, Tânger Corrêa ou Francisco Paupério? Veja as notas

Quem ganhou o primeiro debate das europeias? Temido, Bugalho, Cotrim ou Paupério? Veja as notas

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos