Nos Estados Unidos da América os protestos não abrandam desde a morte de George Floyd, o afro-americano que morreu por asfixia em Minneapolis, a 25 de maio, após um polícia lhe ter pressionado o pescoço com o joelho durante vários minutos. As manifestações anti-racismo acontecem todos os dias — algumas têm confrontos entre civis e autoridades —, um pouco por todo o país e são quase diárias também as ameaças que Donald Trump tem feito sobre como pretende resolver a situação. “Quando começam as pilhagens, começam os tiros”, chegou a dizer o atual presidente dos EUA.

Segundo uma publicação viral que está a circular no Facebook, a estrela dedicada a Trump que ocupa o Passeio da Fama, em Hollywood, desde 2007, teria sido vandalizada durante “um ato de protesto” e teria a imagem do símbolo praticamente destruído. Mas o post, que tem versões em inglês, espanhol e francês, é falso.

Publicação sugere que estrela de Trump foi danificada durante protestos pela morte de George Floyd

A verdade é que a estrela já foi atacada em diversas ocasiões, mas não desta vez. A fotografia que está a ser partilhada milhares de vezes nas redes sociais foi tirada em julho de 2018. Na altura, Austin Mikel Clay, foi até ao local com a caixa de uma guitarra. Lá dentro estava uma picareta, que o homem de 24 anos usou para destruir o chão. Num vídeo (entretanto removido) que o próprio publicou no YouTube, explicou  que era o “protesto de um só homem” contra o presidente do partido republicano. Como punição, foi condenado a estar preso durante um dia e a cumprir 20 dias de trabalho comunitário, três anos de liberdade condicional e a pagar cerca de 8.300 euros.

Esta não foi a única ocasião em que o pedaço da Hollywood onde está inscrito o nome de Donald Trump sofreu danos. Houve um incidente semelhante, tal como o Observador noticiou, a 27 de outubro de 2016. Jamie Otis disfarçou-se de trabalhador da construção civil e também com uma picareta destruiu o local. A sua intenção era manifestar apoio às mulheres que acusavam o então candidato a presidente dos Estados Unidos de assédio sexual. A estes exemplos juntam-se vários outros: a estrela já foi cercada por muros (em protesto contra o muro defendido por Trump para separar México e EUA), teve uma suástica desenhada e até uma sanita colocada em cima.

Porém, em 2020, a estrela está intacta. No site oficial do Passeio da Fama de Hollywood não há registos de danos recentes e a imprensa norte-americana não noticiou distúrbios devido aos protestos anti-racistas ou por outro motivo qualquer.

Conclusão

É falso que a estrela de Donald Trump no Passeio da Fama de Hollywood tenha sido destruída nos protestos anti-racistas e de homenagem a George Floyd. É verdade que o local já foi vandalizado várias vezes mas a foto que agora circula no Facebook é de 2018.

De acordo com o sistema de classificação do Observador este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge