Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há muito que o mundo não se via sem liderança internacional. Os Estados Unidos de Trump estavam resolvidos a ser uma “potência normal” em vez de liderar o sistema internacional. E a potência que se seguia em ordem de importância era a China, que há algum tempo procura um lugar ao sol da hierarquia do poder mundial. No entanto, este ano, segundo a Pew Research Center, uma das mais reputadas empresas de sondagens do mundo, que fez um estudo em outubro, a perceção desfavorável de Pequim atingiu picos históricos não só nos EUA, mas em diversos países do mundo.

Isto deve-se, evidentemente, à péssima gestão que o regime de Xi Jinping fez da pandemia. Escondeu a existência do vírus das entidades internacionais competentes, deixou-o sair de avião da China para os quatro cantos do mundo, quando estava demasiado espalhado ofereceu ajuda internacional e despachou material médico sem qualidade (algum dele pago pelos recetores) para onde foi possível.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.