Feminismo

A Liga das Senhoras Extraordinárias /premium

Autor
1.128

A Liga das Senhoras Extraordinárias diz “machista”, faz uma selfie, coloca tudo no instagram e espera que o vilão da história desapareça pelos ares. O debate de ideias deu lugar ao fanico.

O grupo de deputadas portuguesas que respondeu positivamente “a um desafio do Bloco” e participou “na fotografia coletiva da campanha internacional #EleNão” (o #EleNão da questão é o candidato Jair Bolsonaro) é uma das manifestações em Portugal desse fenómeno internacional que se pode designar por Liga das Senhoras Extraordinárias.

A Liga das Senhoras Extraordinárias caracteriza-se por manter viva a táctica trotsquista da revolução permanente e por simultaneamente ter recuperado das histórias infantis a crença no poder paralisante das palavras mágicas. Só lhes falta a varinha! Ou talvez nem isso porque o que é um “vídeo viral” senão uma varinha mágica?

A Liga das Senhoras Extraordinárias diz “machista”, faz uma selfie, coloca tudo no instagram e espera que o vilão da história desapareça pelos ares. Todas as semanas as Senhoras Extraordinárias têm uma irritação. Há sempre algo que as enerva muito e as emociona ainda mais. O debate de ideias deu lugar ao fanico.

Os antagonistas das Senhoras Extraordinárias só por serem antagonistas das Senhoras Extraordinárias passam a personificar tudo aquilo que elas dizem combater: logo se elas declaram ser contra o racismo quem não as apoia é automaticamente racista. O mesmo exercício é válido para a misoginia, a homofobia…

Convém não esquecer que o ódio que as Senhoras Extraordinárias votam aos que definem como seu alvos é inversamente proporcional ao servilismo e adoração que mostram perante aqueles que apoiam. Assim por exemplo, as nossas Senhoras Extraordinárias mobilizaram-se contra os riscos de uma vitória de Bolsonaro mas não se lhe ouve uma palavra sobre o perigo representado pelo candidato Hadad. E o que disseram sobre Lula? E o que calam sobre a Venezuela de Chavez e Maduro? Já agora até podiam aproveitar a mobilização a propósito do assassínio de Marielle Franco para divulgarem os resultados sobre a morte do procurador argentino Alberto Nisman, assassinado na véspera de acusar a então presidente argentina Cristina Kirchner de ter protegido os agentes iranianos responsáveis pelo atentado terrorista a uma organização judaica em Buenos Aires que causou 84 mortos.

Mas as Senhoras Extraordinárias valem pelo que dizem e ainda mais pelo que calam. Aliás é essa combinação de disponibilidade para muito calar enquanto armam uma enorme algazarra que permite às Senhoras Extraordinárias a prática daquele exercício de dizer uma coisa e apoiar o seu contrário com a ligeireza de quem combina um casaco de quadrados com uma saia de bolas: dizem-se feministas mas apoiam uma política de subserviência em relação ao machismo de determinados grupos étnicos e religiosos pois é nesses grupos que acreditam estar os seus futuros eleitores; dizem-se a favor da democracia e da justiça independente mas mal os tribunais não decidem como elas acham que deveriam decidir, lá vêm elas para a rua em manifestações que não hesitariam em classificar como arruaceiras, populistas e justiceiras caso os protagonistas fossem outros…

Claro que também existem Senhores Extraordinários mas a partir do momento em que na estratégia de agit-prop o ódio de classe deu lugar ao ódio grupal, as mulheres deixaram de ser apresentadas como companheiras ou “feministas burguesas” para se tornarem num colectivo em luta contra o heteropatriarcado branco. Mais um a que se juntam os negros; os homossexuais; os transexuais; os migrantes que também podem ser mulheres e lésbicas; os ciganos que acumulam com o colectivo dos sem casa…

Tudo isto tem momentos ridículos, circunstâncias em que se pensa que o melhor será esperar que passe. O pior é que o palco da luta se deslocou das fábricas para as casas: o simples acto de comer um bife com batatas fritas ou dar alpista ao canário está a caminho de se tornar num dilema político! E obviamente a incapacidade de construir um discurso que não seja uma súmula do que não se quer, produziu esse monstruoso regresso ao passado sob a forma de julgamento.

Não é por acaso que em Espanha o governo de tem como grande meta desenterrar mortos e que nos EUA a escolha de um juiz para o Supremo está transformada numa espécie de inquérito aos tempos da adolescência: o passado tornou-se no tempo em que se faz política. As diversas ligas de Senhoras Extraordinárias por esse mundo foram aplaudem.

PS. Alguém consegue explicar como é possível que as paredes do Tribunal de Vila Franca estejam todas esborratadas com umas alegadas pinchagens? Durante o caso Maddie tínhamos aquela vergonha diária do edifício da PJ de Portimão a ser mostrado ao mundo. Recordo que a PJ de Portimão funcionava num minúsculo edifício de habitação (a ocupação de andares destinados a habitação por clínicas, centros de saúde, polícias, conservatórias, notários, caixas de previdência… não causou nem um milésimo das preocupações e do alarido gerado pelo alegado excesso de alojamento para turistas!) Agora o caso da morte de Luís Grilo leva-nos àquela espantosa fachada do Tribunal de Vila Franca Xira, coberta de gatafunhos. Os edifícios dos tribunais não têm segurança?

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos
683

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Maioria de Esquerda

‘Tá lá é o inimigo? /premium

Helena Matos
968

Rui Rio faz um remake do telefonema de Raúl Solnado para o inimigo. O Estado importuna mais Berardo por causa de um WC do que pelos milhões que deve à CGD e o PM desenvolve teorias da conspiração.

Crónica

A união faz a força bruta /premium

Alberto Gonçalves
1.337

Por um instante, acreditei que haveria vida inteligente algures entre o “feminismo” e o “machismo”. Já não acredito. Aliás, começo a não acreditar em coisa nenhuma e a apreciar poucas.

Feminismo

Culpado por ser português /premium

Luís Aguiar-Conraria
2.026

Não interessa o que se passou no court de ténis. Para saber que Carlos Ramos é culpado basta ter dois dados em conta: 1º, Serena Williams é uma mulher negra; 2º, Carlos Ramos é um português branco.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)