Rádio Observador

Política

A natureza do PAN /premium

Autor
3.964

“Dono de dois gatos e um coelho, quer pôr as alterações climáticas no centro do debate.” Que significa isto? Que se fosse dono de duas osgas e um periquito o Francisco daria atenção ao Médio Oriente?

Até Domingo passado, eu nunca prestara atenção ao PAN, que tomei por um epifenómeno idêntico àquele sr. Sérgio dos reformados e às pulseiras do António Sala. Pelos vistos, 5,1% dos eleitores prestaram a atenção suficiente para votar no partido das Pessoas, dos Animais e da Natureza (na verdade, descontados os votos nulos, os votos em branco e a abstenção, nem sequer 1,3% das pessoas – dos animais e da natureza não sei – escolheram o PAN, do mesmo modo que a “grande vitória” do PS se deveu a 8,2% do eleitorado, a “direita” do costume rondou os 7% e o imparável BE parou nos 2,4%, mas esse é outro assunto).

Sempre ávido de participar nas últimas tendências, comprei um pólo verde acinzentado e li detalhados artigos sobre o eurodeputado do PAN e sobre o PAN. O eurodeputado chama-se (um momento, que estou a procurar o nome… Andava algures… Cá está!) Francisco Guerreiro, é vegan e tem dois gatos e um coelho. Aliás, “O eurodeputado vegan tem dois gatos e um coelho” é exactamente o título do artigo que o “Expresso” dedica ao rapaz. Não é um título particularmente informativo, a menos que consideremos informativos os títulos “O vereador sportinguista tem uma espondilose e quatro sobrinhos”, ou “O anestesista marreco tem um ‘time-sharing’ e o bacalhau de molho”. Enfim, jornalismo moderno.

E a modernidade jornalística prossegue quando se tenta explicar o impacto da fauna (a propósito, é coerente que um defensor dos animais e da natureza detenha a propriedade de bichos – e de arbustos, já agora?) do Francisco nas respectivas convicções: “Dono de dois gatos e um coelho, quer pôr as alterações climáticas no centro do debate.” O que significa isto? Que se fosse dono de cinco percevejos e três rinocerontes, as aflições do Francisco divergiriam para o conflito no Médio Oriente? E que se mantivesse em cativeiro duas osgas e um periquito o Francisco perderia o sono a pensar no drama da Huawei?

O retrato do Francisco não termina aqui. O Francisco é coerente. O Francisco tem um carro que só usa “quando não tem alternativa”, leia-se para “ir buscar a filha à escola” ou “calcorrear o país”, leia-se sempre que lhe dá jeito, leia-se à semelhança de toda a gente: eu também dispenso o carro para atravessar a rua – sou ambientalista e não sabia. O Francisco, que “tentará pagar um extra para compensar a pegada ecológica”, viajará de avião de e para Bruxelas “quase todas as semanas”, leia-se porque deixa cá a família para, cito, não a prejudicar, leia-se agirá de acordo com as suas conveniências, leia-se à semelhança de toda a gente: excepto os bandalhos que não “tentam” pagar “um extra” para “compensar” a “pegada ecológica”. O Francisco procura comprar roupa “apenas quando precisa”, “e geralmente em segunda mão”. O Francisco “recolhe lixo nos tempos livres”. O Francisco é uma jóia de moço, ou no mínimo convenceu-se disso. E esse é o problema.

Não há mal nenhum em que o Francisco se vista com roupa usada, apanhe lixo, coma relva, acarinhe chinchilas, utilize hipocritamente os transportes poluentes e, se assim o entender, saia à varanda em cuecas (herdadas do avô) para acumular água da chuva em tigelinhas recicláveis. O mal é o Francisco julgar que o seu comportamento é tão espectacular que constitui um exemplo a seguir pela humanidade em peso. Antes do PAN, o dilúvio. Depois do PAN, um cartaz da campanha traduz a modéstia do candidato e da candidatura: “Vamos sentar o planeta no Parlamento Europeu”. Do alto dos inúmeros delírios, o Francisco imagina mesmo que representa a Terra e não 168 mil alminhas.

E quem diz o Francisco diz o PAN em geral, cujas crenças, no sentido religioso do termo, não mereceriam comentário se assumidamente se limitassem aos membros e simpatizantes da seita. Sucede que não limitam. O PAN é livre de abominar os transgénicos e os respectivos benefícios. O PAN é livre de presumir que as “medicinas alternativas” são uma coisa autêntica e não uma impostura do gabarito da tarologia. O PAN é livre de preferir curar a enxaqueca com camomila no lugar de Zomig. O PAN é livre de trocar proteínas animais por alcachofras e tofu. O PAN é livre de não apreciar sacos de plástico e carregar as compras na cabeça. O PAN é livre de sentir cócegas com os combustíveis fósseis. O PAN é livre de acreditar nos méritos, e na viabilidade, de providenciar um salário aos que recusam trabalhar. O PAN é livre de ponderar a saída do euro. O PAN é livre de sonhar com o indicador da Felicidade Interna Bruta. O PAN é livre de, sob o verniz “urbano” e fofinho, ser bruto como as casas.

A chatice, e o perigo, é que o PAN não se satisfaz em passear ignorância sem um remoto vínculo à realidade. O PAN, que é para a ciência (e para a economia) o que o BE é para a economia (e para a ciência) quer, e aos poucos tem ajudado a conseguir, que a ignorância, a crendice e a superstição cheguem à lei. O PAN devia ser livre de tudo, não devia ser livre de interferir na liberdade alheia através de alucinações. A última palavra ao Francisco: “O nosso caderno de encargos é muito exigente”. De facto, exige uma imensa propensão para o atraso de vida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)