Crónica

Acesso privilegiado

Autor

Há profissões que dependem da ideia de que os seus profissionais têm um acesso privilegiado a segredos e mistérios que os outros nunca estarão em posição de conhecer.

Muitos de nós já se interrogaram sobre como será uma casa de banho do sexo oposto; especulou-se sobre se os mordomos ou os curadores conseguem chorar; ou sobre aquilo de que falarão os médicos em família. São todas questões que intrigam. Não se trata apenas da curiosidade genérica em saber como é que a outra metade da humanidade vive; trata-se da curiosidade particular em saber o que é que pessoas que não nos habituamos a imaginar que têm necessidades fisiológicas, requisitos higiénicos, família, ou sentimentos fazem quando ninguém está por perto.

As pessoas a respeito de quem não concebemos necessidades ou sentimentos são geralmente pessoas que vemos pouco, ou durante pouco tempo, ou apenas em certas alturas. São como amigos de férias: gente com quem nos encontramos em contextos muito específicos, e de quem esperamos coisas muito específicas. Muitos sabem fazer o que nós não sabemos, e por isso lhes pagamos; e também por isso imaginamos às vezes que não deverão ter as necessidades ou os sentimentos que nós temos. É aliás sobre essas pessoas misteriosas que se escrevem romances. De facto, os melhores romances são sobre aquilo que o seu autor nunca saberá, sobre as pessoas que nunca conhecerá, e sobre os sítios onde nunca pôde realmente pôr os pés.

Há no entanto profissões cujos praticantes se caracterizam na sua maioria por lembrar constantemente aos outros que as coisas que sabem ou conseguem fazer estão vedadas a terceiros; dependem da ideia de que os seus profissionais têm um acesso privilegiado a segredos e mistérios que os outros nunca estarão em posição de conhecer. São de facto mais que profissões: são os modos de vida que caracterizam a separação das casas de banho; os médicos que conversam entre si em dialecto; os mordomos que nos sugerem que são íntimos de quem lhes paga; e os curadores. Esses vários modos de vida consistem em impedir os outros de aceder a coisas, fazer coisas, ou perceber coisas. A ideia de que temos acesso privilegiado a certas coisas está ligada ao impulso para recusar esse acesso a terceiros.

A convicção oposta é a de que estas classes de pessoas não sabem nada de muito especial; e a que a maioria dos animais parecidos com um mordomo, um curador, ou um médico conseguiria aprender a fazer, melhor ou pior, a maior parte das coisas que eles sabem fazer. Não adianta muito reclamar acesso privilegiado a segredos e a pessoas, ou negá-lo a terceiros; como não adianta imaginar que devemos os nossos talentos a segredos que por coincidência nos foram comunicados apenas a nós; ou imaginar que possamos pertencer ao número dos eleitos. Há pelo contrário um certo consolo insípido no facto de não sermos misteriosos; é o consolo de não podermos vir a entrar em romances alheios.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Sete dias na selva /premium

Alberto Gonçalves
1.332

“Os Maias” são demasiado explícitos na chacota do pardieiro em que vivemos, o que aborrece os donos do pardieiro e os leva a preferir “humanistas” como Alegre ou as senhoras da colecção “Uma Aventura"

Crónica

O presente /premium

Paulo Tunhas

Uma vez designados os agentes do Mal, definidos como os que põem as nossas crenças em questão, dispensamo-nos de analisar o que dizem e de avaliar a eventual razão que, num ponto ou noutro, possam ter

Crónica

Uma sismografia /premium

Djaimilia Pereira de Almeida

Não nos reconhecermos nos sublinhados que outrora fizemos nos livros mostra que já não somos os mesmos, ainda que respondamos pelo mesmo nome e que os livros velhos ainda sejam nossos. 

Crónica

A espanhola ácida e o primo dela

Tiago Tribolet de Abreu
375

Um ano mais tarde recebemos no hospital uma fotografia da Sara, sorridente e a fazer sinal de vitória. Por trás, escreveu a agradecer e terminava com “Eu estou bem. Milhões de beijos de Espanha, Sara”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)