Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Aqui há uns anos tive uma conversa com um gestor que acabara de passar por uma experiência muito traumática, conversa que nunca esqueci. Originário de famílias muito humildes, confessara-me que atribuía boa parte da responsabilidade do seu fracasso a ser um “outsider”. Por outras palavras, não possuía as ligações certas, as amizades mais convenientes, os laços familiares indispensáveis.

Ouvi-o com cepticismo, mas tomei nota, até porque o respeitava e respeito. E desde então muito do que fui vendo acontecer neste nosso Portugal passou também pelo crivo dessa leitura, e com consequências devastadoras: no meu país a “igualdade de oportunidades” era bem menos real do que eu pensava e, sobretudo, do que o discurso oficial proclamava.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.