Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

São tão úteis ou tão nocivos para a qualidade da vida coletiva os que ficam quietos e calados fingindo que o que os rodeia não é nada com eles, quanto aqueles que não conseguem estar quietos e calados e impedem que as instituições funcionem de modo regular. Muito em particular as instituições de tutela e regulação da vida social, das salas de aula das periferias suburbanas aos gabinetes ministeriais onde se decidem os rumos do futuro coletivo. Do balanço entre uma e outra atitudes, os equilíbrios felizmente alcançados pelas atuais democracias ocidentais correm muitíssimos mais riscos, e riscos com consequências dificilmente reparáveis, por pressão dos ativistas do que por responsabilidades dos que se limitam a seguir rotinas quotidianas de gente comum.

A reforçarem-se as tendências das décadas recentes – cujos sintomas são detetáveis da política às universidades, da comunicação social às tendências que proliferam nas caixas de comentários on-line –, é plausível que as nossas sociedades venham a ser bem mais propensas a agitações sociais e problemáticas do que criativas, inovadoras, responsáveis e geradoras de riqueza. Não é difícil supor para que lado pende a racionalidade no funcionamento da vida social e a sustentabilidade no tempo da eterna ambição de nos aproximarmos da justiça social.

Tornaram-se ainda lugares-comuns apelos a novas ideias, novas interpretações, novos caminhos, novas propostas, reformas sustentáveis, reinvenção do que existe. Mas tal só será viável se sustentado num comprometimento social constante bem mais orientado pela racionalidade e pela ponderação do que pela emotividade normativa dos ativismos em voga. Isso porque o que é substantivamente inovador nas sociedades do conhecimento resulta do trabalho persistente e consistente ao longo do tempo. Sendo o que está a nascer sempre frágil, para sobreviver e afirmar-se necessita de proteção inicial e tranquilidade suficiente para existir e respirar, para se desenvolver com o tempo, para adquirir valor social, para escapar ao infanticídio da crítica corrosiva, marca do nosso tempo.

Seria provavelmente mais fácil um indivíduo comum tornar-se Marx, Darwin, Freud ou Orwell em gerações passadas do que hoje. Paradoxalmente, os atuais donos da crítica são os que mais se queixam de que a atualidade não produz figuras intelectuais, sociais ou políticas de referência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A crítica pela crítica, a crítica pré-formatada, a crítica que se limita ao jogo do contra “na hora”, a crítica instintiva-emotiva-valorativa, a crítica “ad hominem”, a crítica enquanto prato principal de qualquer refeição – aquilo que com bonomia se designa por “crítica política” e que tem modelado atitudes sociais comuns desfavoráveis ao funcionamento regular de diversas instituições, a começar pelas famílias e pelas escolas – constitui o paroxismo da corrosão da reinvenção genuína do sentido da vida social. Uma ideia de política cujo atributo chave seja a constante visibilidade pública dos seus agentes é hoje um dos produtos tóxicos das nossas sociedades.

E não é nem a política nem a democracia em si que vão perdendo a nobreza e o lugar decisivo na contemporaneidade. A perversão reside na normalidade com que as sociedades toleram exibicionismos verborreicos dos seus agentes.

Neste mesmo sentido, nas sociedades contemporâneas, como a portuguesa, a relação cultural difícil com o silêncio tornou-se também crescentemente contraproducente. O silêncio foi normativo em séculos de tradições religiosas e, num passado mais recente, imposto às sociedades por décadas de ditaduras. Mas é tempo de exorcizarmos essa herança. O caminho é o da legitimação social explícita de certas instituições para voluntariamente, de acordo com a natureza da sua função, integrem uma dimensão de ideologia do silêncio na sua cultura institucional que se traduza no seu funcionamento quotidiano. O que importa é que esse silêncio se identifique com a introspeção, o pensamento, a reflexão, o tempo necessário à ponderação daqueles cujas ações e decisões condicionam a vida coletiva. Na justiça, nas bibliotecas, nas salas de aula, nos hospitais, na vida cívica, entre outros domínios.

Não é viável qualquer reforma do sistema político em benefício da qualidade da vida coletiva que desconsidere este assunto. Até porque, se existe uma dimensão de regressão civilizacional nas décadas recentes condicionada pelo jogo político, deve-se mais a excessos do que a ausências.

É tão problemática uma sociedade (ou uma família, por exemplo) que massifique o silêncio, quanto uma sociedade permissiva à massificação do ruído. Não é, portanto, o direito ao ruído que está em causa. No espaço público felizmente que existem núcleos de sobra monopolizados pelo ruído. A questão é que, descontadas as igrejas, fomos deixando invadir pelo ruído espaços institucionais para os quais a gestão de silêncios é fundamental, precisamente os espaços das instituições centrais que tutelam e regulam a vida social, que modelam de forma massificada atitudes e comportamentos comuns.

Estando as instituições políticas no âmago desses processos, contra o lugar-comum de sentido contrário (basta ver, ouvir ou ler a imprensa de hoje e de todos os dias), não tenho dúvidas em considerar que o atual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, tem sido das mais importantes figuras de referência (ou mesmo a mais importante) de um ciclo político propenso a histerismos tão ruidosos quanto potencialmente desastrosos a pretexto da crise.

Enquanto figura pública há muito conhecida, talvez tenha sido mais fácil ao atual Presidente da República gerir silêncios no intervalo em que não exerceu cargos políticos. Porém, no âmago do sistema político, Cavaco Silva tem sido capaz de persistir e adaptar ao cargo que ocupa uma postura hoje tão rara quanto socialmente saudável, até para que cada um assuma as suas responsabilidades.

O Presidente da República poderia até ter prolongado no tempo alguns dos seus momentos de ponderação e de silêncio para contrariar ainda mais histerismos cínicos que fingem não dormir se a Presidência não se pronuncia a toda a hora. Os mesmos que, à primeira manifestação, mesmo a pretexto de uma mensagem de ano novo, marcam em cima tal qual se marca um qualquer líder partidário, o último também ritual pacóvio por ser vezes demais recorrente.

Melhor presidente da República Portuguesa seria quase exigir o impossível em tempos em que as sociedades se deixaram colonizar por verborreias e ativismos políticos estultamente democráticos.