Rádio Observador

Livros

Livros para férias (I): Civilidade e liberdade duradoura /premium

Autor

O conceito de civilidade permite redescobrir as raízes conservadoras da velha tradição liberal. Isto deve ser recordado à nova “salada russa” da “Nova Esquerda”, da “Nova Direita” e do sr. Putin.

A minha primeira escolha desta série sazonal de livros para férias é In Pursuit of Civility: Manners and Civilisation in Early Modern England, por Keith Thomas (New Haven and London: Yale University Press, 2018). Trata-se de um tópico deliciosamente antiquado e fora-de-moda, totalmente alheio à presente atmosfera cultural — dominada pelo tribalismo, pelo relativismo e pela falta de maneiras.

Keith Thomas, um distinto historiador que é Honorary Fellow de All Souls College, Oxford, começa por reconhecer que o conceito de civilidade “foi (e ainda é) escorregadio e instável”.  Mas acrescenta que, “ainda que [a palavra civilidade] tenha sido usada numa variedade de sentidos no início da era moderna, todos eles remetiam de uma forma ou de outra para a existência de uma comunidade política bem ordenada e para as apropriadas qualidades e condutas dos seus cidadãos. […] Também assumiu a mais larga conotação de modo de vida não-bárbaro, o que acabaria por ser conhecido como ‘civilização’. […] Durante o século XVI, também  veio a ser associada aos conceitos de boas maneiras, cortesia e comportamento polido — tratar as pessoas com ‘mútua civilidade’ [common civility], era a expressão consagrada” (pp. 6-7).

Depois de ler Keith Thomas, tenciono nestas férias re-visitar um belo livro, hoje totalmente esquecido, do grande sociólogo Edward Shils: The Virtue of Civility: Selected Essays on Liberalism, Tradition and Civil Society, Edited by Steven Grosby (Indianapolis: Liberty Fund, 1997).

Li este livro na altura em que foi publicado, há mais de vinte anos. E recordo ainda vivamente que Edward Shils apresentava um poderoso argumento associando o liberalismo clássico (que ele enfaticamente distinguia de algum moderno “liberalismo” colectivista americano) a um governo pequeno, limitado pela lei, e a uma vibrante sociedade civil, independente do estado.

Shils argumentava em seguida que a civilidade constituía uma espécie de “cola”, absolutamente crucial: era ela que permitia às sociedades o usufruto da liberdade ordeira; era ela que as protegia contra o caos e o inevitável recurso ulterior à coerção arbitrária. À semelhança de Keith Thomas, Edward Shills associava o conceito de civilidade a um sentimento pessoal voluntário de auto-controlo e de auto-moderação — bem como a uma disposição para o compromisso tolerante com os outros cidadãos, sobretudo se, e quando, estes defendessem opiniões diferentes.

Significativamente, Edward Shils também associava esta capacidade de empatia com os outros (a que Adam Smith chamara “fellow-feeling”) a um sentimento partilhado de patriotismo razoável:

“A existência de civilidade tornou praticáveis as sociedades pluralistas (nacionais) da era liberal democrática. […] A civilidade e o radicalismo ideológico são irreconciliáveis. […] A mera noção de interesse comum, de preocupação com a sociedade no seu conjunto, é odiada pelo radicalismo ideológico. […] Também o populismo, que exalta as virtudes de uma parte da sociedade contra todas as outras, é tão inimiga da civilidade quanto o radicalismo ideológico” (p. 14).

A minha terceira escolha de livros para férias reside num outro velho livro de outro autor antiquado, o distinto filósofo Leo Strauss: An Introduction to Political Philosophy: Ten Essays by Leo Strauss, edited by Hilail Gilden (Detroit: Wayne State University Press, 1989). Tenciono começar por reler o 9º Ensaio, “What is Liberal Education?”.

Uma das mais marcantes recordações que guardo desse ensaio tocante é a sua frase final: “A educação liberal é a libertação da vulgaridade. Os Gregos tinham uma bela palavra para ‘vulgaridade’; chamavam-lhe apeirokalia, falta de experiência nas coisas belas. A educação liberal oferece-nos experiência nas coisas belas” (p. 319).

Não estou seguro de que a leitura de Strauss seja hoje permitida em grande parte das nossas Universidades, que voltam a estar dominadas pelo que Edward Shils designou, na década de 1960, como radicalismo ideológico e “emancipationism”. Mas talvez ainda nos seja possível ler Strauss na privacidade das nossas casas.

“Talvez” é aqui a palavra apropriada. Os ideólogos radicais andam agora a pregar que a civilidade, a liberdade de expressão e a privacidade são obstáculos antiquados às suas causas “emancipadoras”. Alguns populistas da chamada “Nova Direita” juntam-se aos radicais da “Nova Esquerda” no ataque àquilo que o entediante Carl Schmitt chamava com escárnio de “virtudes burguesas”. Para apimentar esta literal “salada russa”, vem agora o sr. Putin dizer (numa muito badalada entrevista ao Financial Times) que “o liberalismo está obsoleto”.

Talvez todos estes cavalheiros pudessem ser gentil e firmemente recordados das palavras de William Pitt (the elder) no Parlamento britânico, em 1763:

“O inglês mais pobre pode na sua ‘cottage’ desafiar toda a força da Coroa. A ‘cottage’ pode ser frágil; o telhado pode abanar; o vento pode soprar no seu interior; as tempestades podem entrar, a chuva pode entrar — mas o Rei de Inglaterra não pode entrar; todo o seu poder não se atreve a violar a fronteira da habitação arruinada.”

Estas palavras foram proferidas em 1763 —  26 anos antes, já agora, daquilo que alguns ainda hoje chamam de “Grande Revolução Francesa” (em rigor, um mero e funesto motim para colocar o abuso da multidão no lugar antes ocupado pela sua obediente servidão).

Convém por isso lembrar ao sr. Putin, à “Nova Esquerda” e à “Nova Direita”, que na data da “Grande Revolução Francesa” (que eles erroneamente associam à génese do liberalismo), já existia o velho ditado: “a casa de um inglês é o seu castelo”. Isso fazia parte do conceito de civilidade — o qual permite redescobrir as origens conservadoras da muito velha, e por isso muito robusta, tradição liberal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)