No dia 16 de Agosto, em pleno Verão e ainda no auge da crise energética, quando parecia ao Governo que ninguém daria por isso, dois seres humanos viventes que até ao dia de hoje respondem pelos nomes de Rosa Monteiro e João Costa, ambos Secretários de Estado, ambos de géneros agora impronunciáveis uma vez que ambos concordam que não se pode dizer ‘o senhor’ nem ‘a senhora’ a ninguém, não vá esse ninguém sentir-se ofendido, maltratado ou excluído e vir fazer queixa através dos “canais de comunicação e deteção” que esperam que venham a ser criados em contrarrelógio, a tempo da rentrée, dizia eu que estas duas excelsas pessoas (já agora, será que ainda podemos usar o feminino no plural, quando há uma Rosa e um João políticos, coisa que se diz no masculino?) assinaram o despacho que oficializa a implementação da Ideologia de Género nas escolas.

Sendo polémico e apresentando contornos invulgares, para não dizer bizarros, o Despacho agora assinado e publicado “estabelece as medidas administrativas para a implementação do previsto no nº1 do artigo 12º da Lei nº38/2018”. Ou seja, dita as regras que as escolas deverão observar relativamente ao “direito à autodeterminação de identidade de género e expressão de género e o direito à proteção das características sexuais de cada pessoa”.

A medida que saltou imediatamente à vista de todos e, no mesmo instante, se tornou uma anedota viral nas redes sociais, foi a de impor às escolas a obrigação de deixarem as crianças de qualquer idade escolherem livremente a casa de banho e o balneário onde querem ir, de acordo com o seu “género”.

Claro que esta medida foi tomada de boa fé, acreditando na boa fé da humanidade inteira, pois só assim se percebe a iluminação de quem acha que rapazes e raparigas de todas as idades (sim, porque continua a haver rapazes e raparigas, sempre os houve e haverá) na mesma casa de banho, a fazerem as suas necessidades ao mesmo tempo é tranquilo e até muito acolhedor para quem está em fase de autodeterminação de género. Isto, claro, para não falar dos balneários de escola, onde há duches e vestiários sem portas…

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.