Rádio Observador

PS

Não se podem apagar os gráficos da dívida e do défice?

Autor
1.254

Todas as análises à execução do memorando da troika são válidas e parte de visões políticas alternativas. Mas reescrever os números e a forma como as coisas evoluíram é prestar um mau serviço ao país.

Não há grande paciência para os “rottweilers” dos governos, sejam eles quais forem. Para aqueles que acham que isto da governação é 90% de combate mediático e de propaganda e 10% de medidas efectivas e resultados reais. E para os que se irritam com os números, com a realidade nua e crua ou com as notícias que saem ou hão-de sair.

Seja Miguel Relvas e as ameaças a jornalistas (governo de Passos Coelho), Rui Gomes da Silva e o silenciamento dos comentários de Marcelo na TVI (governo de Santana Lopes) ou as exaltações de José Sócrates ao telefone com jornalistas (governos do próprio).

Agora temos o combate às estatísticas do passado e a quem as divulga, através das indignações de ilustres socialistas como João Galamba, José Magalhães e os amigos do blog “Geringonça” – já agora, o nome é muito bom e demonstra um “fair-play” desarmante que, tristemente, acaba aí.

A coisa está deste modo: quem se atreve a mostrar um gráfico com a evolução da dívida pública portuguesa desde o início do século, leva – na linha da ameaça de outros tempos de Jorge Coelho.

É entendível que o PS lide mal com esse seu passado recente e com os resultados a que chegou. Receber um país com uma dívida pública de 62% do PIB (todos os dados que vou citar são os da base de dados da Comissão Europeia e podem ser consultados aqui) em 2005 e deixá-lo, seis anos depois, com mais de 96,2% do PIB é obra da qual ninguém se deve orgulhar.

O governo de Passos Coelho deixou agora uma dívida de 128,2% mas manda a honestidade intelectual dizer que, entretanto, o perímetro em que é medida foi alterado. Passou a incluir empresas do Estado e algumas parcerias-público privadas que não entravam na contabilização.

Aliás, em Janeiro de 2010 o BPI divulgou publicamente um estudo sobre a dívida pública em que, contas feitas com inclusão das empresas públicas não sustentáveis, municípios e regiões, já a calculava em cerca de 100% do PIB – na altura a dívida calculada de acordo com as regras do Eurostat era de 83,6%.

Não foi por acaso que José Sócrates, então primeiro-ministro, se irritou com o estudo, como notou na altura Nicolau Santos – insuspeito de ser um adepto da “política de empobrecimento”, certo? – neste artigo no Expresso.

É então um dado objectivo, sustentado por números que não merecem contestação, que o essencial da trajectória insustentável da dívida do Estado foi desenhada antes da chegada da troika.

E o défice? No final de 2004 era de 6,2%. No final de 2010 foi de 11,2%. E no final de 2015 foi de 3,0% (na mesma fonte já citada, da Ameco) ou de 4,4% se mantivermos a operação do Banif na conta. Podemos fazer as contas como quisermos – com ou sem juros ou média anual – que chegamos invariavelmente à mesma conclusão: no período 2005-2010 o défice orçamental aumentou e foi superior ao perído 2011-2015.

Podemos, depois, ajuizar o que quisermos em termos qualitativos. Que a redução do défice dos últimos anos atirou muita gente para a pobreza, que foi feita de forma cega, que não foi sustentada, etc. Todos estes julgamentos e análises são válidos, absolutamente legítimos e fazem parte de propostas políticas alternativas que é sempre saudável colocar perante os eleitores.

Mas querer reescrever os números e a forma como as coisas evoluíram é, claramente, prestar um mau serviço ao país e, sobretudo, aos próprios que o tentam fazer.

Estas tentativas de ocultar uma realidade que é cristalina são preocupantes por duas razões. Primeiro, porque denunciam que uma parte do PS não aprendeu nada com os erros que cometeu num passado que está muito próximo. O caso seria mais para reconhecer os erros, pedir desculpa e garantir que não voltam a cometê-los.

E depois porque, não tendo aprendido nada, corre o risco de repeti-los. Ouvindo e lendo a forma como alguns socialistas reagem a estatísticas passadas que estão consolidadas fica-se com a ideia que se pudessem fazer recuar o tempo novamente até 2005 tinham feito tudo da mesmíssima maneira para chegar ao mesmo resultado: a bancarrota. É que, por muito que lhes custe, esta ocorreu após seis anos de governação socialista. E o resgate foi pedido, negociado e assinado por socialistas.

Foi depois tragicamente executado? Com radicalismo ideológico? Seja. Mas esta crítica dos socialistas à tentativa de cura seria tão mais eficaz e aceite como legítima e genuína se, antes disso, assumissem as suas responsabilidades na criação da doença.

Enfrentem a realidade e os números. Já começa a tardar e só têm a ganhar com isso. E o país também. Ou querem mandar apagar todos os gráficos do défice e da dívida?

Jornalista, pauloferreira1967@gmail.com

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Afinal havia outro (orçamento)

Paulo Ferreira
2.412

O governo pretendeu manipular a discussão do OE2017. Para isso, serviu-se da esperteza de ganhar alguns dias sem os números reais, para que pudesse contar a sua história baseada em números falseados

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

PS

Não subestimem Pedro Nuno Santos /premium

Sebastião Bugalho

A ideia de que o pedronunismo se resume a um fenómeno ativista é profundamente desinformada: eles andam aí, nas agências de publicidade, nos escritórios de advogados, nas vilas de Aveiro, nas redações

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)