Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Governo está empenhado em impor o que a Ministra da Presidência classificou como “mecanismos de prevenção e repressão do discurso de ódio, designadamente nas redes sociais” (Público, 12-7-2020). É sintomático que a ministra Vieira da Silva júnior, filha do ex-ministro Vieira da Silva sénior, tenha usado a palavra “repressão”, porque é de uma política repressiva que efectivamente se trata. O Governo, não satisfeito com o controlo que já exerce sobre quase toda a comunicação social, nomeadamente pela concessão generosa, mas não inocente, de subsídios, pretende agora, com o pretexto do “discurso de ódio”, policiar as redes sociais e as demais plataformas digitais de comunicação.

Claro que, para não escandalizar ninguém, não se fala de censura, mas de “monitorização” e, por enquanto, o seu alvo é apenas o “discurso de ódio”, nomeadamente nas redes sociais.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.