Rádio Observador

Crónica

O cidadão às compras

Autor

A Loja do Cidadão parece sugerir que a nossa relação com o estado pode ser descrita como uma relação de comércio. Mas isso é dar-lhe um aspecto de primeira necessidade que talvez seja exagerado.

O conceito ‘Loja do Cidadão’ reúne duas atracções poderosas: o estado e o comércio. Serão essas atracções combináveis? Na opinião dos inventores do conceito não existem dúvidas: há vantagens práticas inegáveis em se poder simultaneamente licenciar uma horta e obter o divórcio, e não há razão para que os passaportes não possam ser reemitidos antes de se perder a carteira, ou que se faça o testamento enquanto se pede asilo político.

Ao entrar numa loja do cidadão qualquer pessoa é imediatamente impressionada pela quantidade de bens em exposição e em oferta. O estado tem a reputação de ser como as antigas lojas na Roménia e em Moçambique, isto é, de ser um pouco formal; mas tal como na Roménia e em Moçambique as lojas se parecem hoje com lojas, assim as lojas do cidadão dos estados modernos surpreendem pela quantidade de oferta em exposição.

Esta abundância constitui uma tentação irresistível para quem ali vai às compras, e suscita mesmo embaraços: deveremos pagar a contribuição para a segurança social? Reconhecer uma assinatura? Comprar cartões de Boas Festas da protecção civil? Criar uma grande empresa? Processar a Força Aérea? Adoptar um órfão? A possibilidade de todas estas actividades, e até outras, estarem à mera distância de uma senha torna mais provável o cenário de cidadãos a exercerem os seus direitos com aplicação.

Levantam-se todavia vários problemas, nomeadamente: o de saber se o consumo induzido dos serviços do estado é desejável; se o exercício de possibilidades que caracteriza as excursões para efeitos de consumo não será realizado com mais proveito nas lojas da variedade corriqueira, onde se compram couves, esferográficas, títulos de fundos, e telefones; se a ideia de ser oficialmente membro de um estado precisa do estímulo constante à utilização de todas as facilidades que ele nos concede, isto é, se o exercício das possibilidades práticas deve ser incentivado; e se tal constitui um caso de comércio ou uma razão para lojas.

Dar ao estado o ar de comércio não é apoucar a sua dignidade. Com efeito, o comércio tem quase tanta dignidade como o estado: causou seguramente mais benefícios, e cometeu historicamente menos erros. Mas descrever a nossa relação com o estado como uma relação de comércio é dar-lhe um aspecto de primeira necessidade que talvez seja exagerado.

Pôr os cidadãos às compras insinua não obstante que as nossas interacções com o estado são familiares e quotidianas, e determinadas por considerações de necessidade e de preferência; que o estado é conveniente como entrar numa loja, e amável como arranjar amigos. Mesmo nos Moçambiques de hoje nota-se sempre o tom das Roménias de ontem: afinal de contas há um único modo de pagar a segurança social. A escolha é limitada e a preferência é ociosa; do estado não se pode esperar comércio; um cidadão não pode ir às compras.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

O Verão /premium

Maria João Avillez

Quando as coisas “impossíveis” acontecem é como um certificado: sabemos que podem acontecer e por isso, voltar a acontecer. O desconsolo é maior que o consolo.

Política

A rentrée dos artistas /premium

Luís Reis
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)