Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No dia 19 de Setembro, o Parlamento Europeu passou uma resolução em que compara os crimes do nazismo aos do comunismo. Como não podia deixar de ser, o PCP reagiu instantaneamente com um daqueles clássicos comunicados cheio de queixinhas de anti-comunismo, fanfarronice da Guerra Fria e o costumeiro “sem nós, os Aliados tinham perdido a Guerra!” – um argumento que também pode ser usado pelas bombas de Hiroshima e Nagasaki, sem que isso as torne mais recomendáveis. No comunicado, o PCP critica a “deplorável tentativa de equiparar fascismo e comunismo, minimizando e justificando os crimes do nazi-fascismo”. Bem diz o povo que quem não se sente, não é filho de uma ideologia que gosta de matar boa gente.

Portanto, o PCP diz que, para equiparar nazismo e comunismo, é preciso minimizar os crimes do primeiro, pondo-os ao nível dos crimes do segundo. Ou seja, o PCP admite que o comunismo cometeu crimes. Confesso que desta não estava à espera. Não são “erros”, “desvios” ou “exageros”, como eufemisticamente costumam admitir as marotices marxistas-leninistas – aquelas que são mesmo impossíveis de esconder, claro. Não, não, o PCP refere mesmo crimes. Das duas, uma: ou o Partido está a mudar, ou os meus pêsames à família do infeliz autor do comunicado.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.