Futebol

O futebol já não é deste mundo /premium

Autor
306

O futebol tornou-se um mundo aparte, onde as leis e as regras não se aplicam. É por isso que, por vezes, parece que Alvalade fica na Venezuela e Alcochete na Síria.

Deve ter sido por volta de 1949, numa palestra radiofónica, que o capitão Jorge Botelho Moniz avançou esta tese (cito de memória): se em 1910 já houvesse um campeonato de futebol, como havia nos anos 40, nunca teria acontecido a revolução republicana em Lisboa. O seu raciocínio era este: em 1910, o republicanismo na capital arrastava para comícios, discussões e zaragatas o tipo de pessoas – caixeiros do comércio, trabalhadores das oficinas e serviços urbanos, empregados de escritório, etc. – que, trinta anos depois, iam aos estádios e discutiam e brigavam, não por causa da monarquia e da república, mas por causa do Benfica e do Sporting.

Esta teoria seria perfilhada muito seriamente pela oposição anti-salazarista, que sempre viu no futebol, ao lado do fado e de Fátima (os três F), um dos instrumentos da ditadura para distrair as massas dos seus deveres revolucionários. A multidão lisboeta que a 1 de Maio de 1974 saiu à rua a vitoriar o MFA, ainda umas semanas antes, a 31 de Março, festejara entusiasticamente Marcello Caetano no estádio de Alvalade, durante um Sporting-Benfica. Tinha sido preciso um golpe militar para quebrar o encanto.

Esta semana, não sei o que diria o capitão Botelho Moniz. A sua teoria está confirmada, no sentido em que é à volta dos clubes que as pessoas se permitem hoje em dia experimentar emoções fortes, como o tribalismo e o facciosismo outrora associado à política, à religião ou à aldeia no tempo das lutas de varapau. Mas precisamente por disso, aconteceu algo não previsto na teoria: o futebol tornou-se também uma das vias pela qual, contra a educação e a propaganda dos regimes em que vivemos, esses instintos fatais arranjaram modo de persistir e de regressar. De modo que é agora por causa do futebol que estamos à beira, não digo de uma revolução, mas de alguma comoção de Estado.

Ainda não tivemos uma guerra com pretexto num jogo de futebol, como as Honduras e El Salvador em Julho de 1969, mas já temos “terrorismo”, como se viu no assalto militarizado às instalações do Sporting em Alcochete. É nas claques do futebol que aqueles que gostariam de ser guerreiros de uma tribo do Amazonas hoje encontram a sua floresta. É também no futebol, que políticos de segunda linha, empresários suburbanos, ou advogados anónimos têm a sua oportunidade de fazerem de Césares com os seus circos.

A mania de ver no futebol uma espécie de nova religião não ajuda, porque manifestamente inibe as autoridades. Todos receiam mexer no novo ópio do povo. Assume-se, por isso, que nada pode acontecer a um clube de futebol, aos seus dirigentes e adeptos. É essa impunidade que explica como, de repente, temos demagogos a presidir a clubes, mafias a organizar jogos, e adeptos que são terroristas. Há obviamente, em qualquer sociedade, por mais bem formada, gente cuja vocação é ser demagogo, mafioso, ou terrorista. Se não fosse no futebol, seria em outra coisa qualquer. A questão está na possibilidade que o futebol lhes dá para serem tudo isso impunemente. Por isso, parece por vezes que Alvalade fica na Venezuela e Alcochete na Síria.

O futebol tornou-se um mundo aparte, onde as leis e as regras não se aplicam. Há quem, por essa razão, queira agora mudar Portugal, o mundo e a natureza humana. Não digo que não desse jeito. Mas antes disso, experimentem este remédio mais simples: sujeitem o futebol à lei, com todo o rigor. A primeira vez que um clube fosse dissolvido por dívidas, despromovido por batota, ou banido por causa da violência dos seus adeptos, fosse esse clube grande ou pequeno, voltaríamos talvez a ter apenas um desporto.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Rui Ramos
221

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

PSD

O nome do vazio /premium

Rui Ramos
414

Se houver mesmo um desafio a Rio, não é para o poupar a derrotas, mas para mudar uma estratégia que pode comprometer o PSD como grande partido. Rio é hoje apenas o nome do vazio que ele próprio criou.

Política

Viver sem ideias /premium

Rui Ramos
258

Nenhum regime é apenas o que existe e como tal pode ser descrito. É também o que os seus líderes propõem, as expectativas e a confiança que as suas ideias são capazes de gerar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)