Crescimento Económico

O milagre económico português /premium

Autor
433

Não havendo milagres, nada há de anormal com termos sido ultrapassados pelos países do alargamento. Temos de continuar a apostar na educação e em resolver outros problemas estruturais.

No dia 5 de Julho da semana passada,Nuno Garoupa escreveu mais um estimulante artigo de opinião. Nele goza com a ideia de que a performance económica de Portugal nos últimos anos corresponda a qualquer milagre económico e chama a atenção para o facto de estarmos a ser ultrapassados por vários países que há alguns anos estavam bem mais atrasado do que nós. Também aqui, no Observador, José Manuel Fernandes se queixou há dois dias de que estamos a ser ultrapassados por vários países e de que ninguém fala disso.

Têm razão nas suas queixas. Muitas vezes, o debate sobre a espuma dos dias ocupa-nos demasiado tempo e têm também razão quando chamam a atenção para a mediocridade do nosso crescimento dos últimos anos. Se é verdade que ainda há bem pouco tempo se andava a celebrar o brutal crescimento económico português, com Marcelo Rebelo de Sousa a anunciar no ano passado que podíamos ter taxas de crescimento superiores a 3%, também é verdade que houve alguns economistas a chamar a atenção para que o crescimento elevado do ano passado podia não ser mais do que uma mera reversão para a média e que ainda era cedo para se embandeirar em arco.

Os últimos números conhecidos, bem como as últimas previsões para os anos mais próximos, parecem confirmar que Portugal está a regressar ao crescimento medíocre que o tem caracterizado desde o ano 2000. Quer isto dizer que, nem as “reformas estruturais” do anterior governo parecem ter surtido qualquer efeito relevante — ressalvo aqui a questão do mercado de trabalho, que, de facto, tem tido uma evolução extraordinária —, nem o actual governo parece ser capaz de descobrir a pólvora. Fica a ideia de que o principal mérito destes dois governos é mesmo o de conseguirem controlar as contas públicas, condição necessária para haver crescimento sustentável, mas, como se vê, condição insuficiente também.

Respondendo ao repto de Nuno Garoupa, comecei por ensaiar uma explicação para o facto de Portugal estar a ser ultrapassado por quase todos os países da União Europeia — valha-nos a Grécia. A minha explicação preferida é relativamente simples: grande parte do nosso atraso tem que ver com o atraso na nossa educação. Comparando Portugal com qualquer país da União Europeia, rapidamente descobrimos que temos níveis de escolaridade inusitadamente baixos. No gráfico seguinte, usando os dados sobre educação de Barro e Lee, podemos ver a escolaridade média (em anos) da população com mais de 25 anos em todos os países da União Europeia. Como o grande alargamento a Leste se deu em 2004, olho para dados de 2005 (o ano disponível mais próximo). Portugal está destacado a vermelho, para ser fácil de encontrar.

Devo realçar que estes números exageram negativamente a posição de Portugal, dado que incluem a população reformada, que, como se sabe, corresponde também àquela que tem menos escolaridade formal. No entanto, dá para ter uma ideia do nosso atraso educacional e do caminho que temos para percorrer.

Como dizia, comecei a recolher estes dados e mais alguns (como as distâncias entre países) para explicar as causas do nosso atraso estrutural, quando ao ler melhor o artigo de Garoupa descubro que ele tinha minado o debate com esta simples frase: “não faltam desculpas para explicar o sucesso dos países do Alargamento e o desastre português – a herança do fascismo versus a herança do comunismo em termos de formação e educação, a periferia geográfica, as complexidades culturais e por aí fora.” Aquilo que seria a minha principal explicação, o nosso atraso na educação, já foi jocosamente descartado por Garoupa como uma desculpa.

É verdade que eu não considero que o nosso atraso na educação explique tudo. Não nos podemos limitar a culpar a herança do passado para explicar o imobilismo do presente. Mercados mais competitivos, uma Segurança Social que incentive a poupança, um regime fiscal muito menos complexo, uma justiça que funcione seriam óptimos para o crescimento de Portugal. Mas tudo o que seja feito terá sempre como pano de fundo a população portuguesa e as suas capacidades. Achar que a baixa escolaridade não passa de uma desculpa parece, isso sim, uma desculpa.

Para fugir à União Europeia, recorri à Penn World Table. A PWT é uma base de dados fantástica, com diversos indicadores para quase todos os países do mundo. É a base de muitos estudos comparativos entre diversos países. Entre os vários indicadores, há um que é particularmente útil para esta discussão: o índice de capital humano, disponível para 144 países. Ordenando, descobrimos que Portugal está em 91º lugar. Mais interessante, olhando para os 53 países com um índice de capital humano inferior, descobrimos que, com duas excepções, têm todos um PIB per capita inferior ao nosso. As duas excepções são o Kuweit e o Bahrain, países do Golfo Pérsico.

No gráfico acima, podemos ver a relação entre o índice de capital humano e o PIB per capita. Praticamente três quartos das variações no PIB per capita são explicadas pelas diferenças no capital humano. Mais uma vez, destaco Portugal a vermelho. O que, se calhar, é mais surpreendente neste gráfico é que parece mesmo haver um milagre económico português. Para o nosso nível de educação, é um milagre que o nosso nível de vida seja tão alto.

Bem sei que muitos argumentarão que a causalidade é a inversa: que não é o capital humano mais elevado que causa o nível de vida, mas sim o oposto. Não quero entrar nessa discussão, até porque acredito haver um pouco de verdade em ambas as visões, mas lembro apenas que, quando os países de Leste se juntaram à União Europeia, o seu nível de vida era bem mais baixo do que o nosso ao mesmo tempo que a sua escolaridade era das mais altas da Europa. No mínimo, tem de se reconhecer que o nível de escolaridade da sua população não era um entrave ao crescimento no momento da adesão.

Conclusão, não havendo milagres, nada há de anormal com termos sido ultrapassados pelos países do alargamento. Temos de continuar a apostar na educação e em resolver outros problemas estruturais. Mas não tenham dúvidas de que o processo de convergência será lento.

P.S. – Do segundo gráfico retirei alguns outliers: as economias totalmente baseadas no petróleo, como a Arábia Saudita, o Koweit, o Qatar e mais alguns.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

O sexo e a concorrência /premium

Luís Aguiar-Conraria
141

Se até algo como a simplificação burocrática na criação de empresas teve efeitos na redução da desigualdade de género dos salários, percebe-se o absurdo da ideia de que não há discriminação salarial.

António Costa

Três perguntas, três não-respostas /premium

Luís Aguiar-Conraria
307

Os desafios da nossa evolução demográfica não são compatíveis com um discurso puramente conjuntural de “vamos lá fazer com que alguns jovens regressem ao país e diversificar algumas fontes de receita"

Orçamento do Estado

Por um IVA civilizado /premium

Luís Aguiar-Conraria
2.744

Se for a um restaurante de luxo, o IVA que é pago é de 13%. Se beber uma cerveja, paga 23% de IVA, já se beber um vinho de 150€ paga apenas 13%. Ou seja, andamos a subsidiar gastos de gente rica.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)