Extrema Esquerda

Os ataques a quem cria riqueza /premium

Autor
1.577

Mais impostos e taxas são os instrumentos para enfraquecer a sociedade e dar mais poder ao Estado. O que está em causa é a nossa liberdade de escolher como queremos viver ou serem burocratas a fazê-lo

Um amigo meu que trabalhou uns anos na função pública e depois foi contratado por uma empresa do sector privado, disse-me um dia: “No sector público, chegamos ao gabinete e pensamos sobre o modo de gastar o nosso orçamento. No sector privado, acordamos de manhã e temos que pensar no modo como vamos ganhar dinheiro.” Eis uma das grandes diferenças das sociedades modernas. Em Portugal, os ataques a quem cria riqueza, por aqueles que pretendem maiores orçamentos públicos, aumentam todas as semanas. Estes ataques estão assentes em mentiras.

A primeira mentira é que se está a atacar os ricos e os especuladores. Quando as esquerdas radicais criticam os ordenados e os lucros dos empresários e dos gestores privados de sucesso, estão a atacar empresas que criam emprego e com ordenados cima da média em Portugal. Empresas de sucesso como a GALP, a EDP, a Portucel, a Jerónimo Martins, a Sonae, e muitas outras, assim como as multinacionais com investimentos em Portugal, contratam alunos que saíram das universidades com boas notas e profissionais competentes. Se não fossem as empresas com sucesso, a emigração de portugueses qualificados seria muito superior. Sem empresas de sucesso, a qualidade dos empregos baixará e os ordenados serão mais baixos. Portugal precisa do oposto. De mais empresas com sucesso e de mais e melhores empresários.

No sector imobiliário, haverá seguramente muitos oportunistas, mas também há muitos investidores que beneficiam a economia portuguesa. Basta observar o que se passou em Lisboa e no Porto nos últimos anos, e no que começa a acontecer em Setúbal, Coimbra, Aveiro ou Braga. Há dez anos, os centros de Lisboa e do Porto estavam cheios de casas velhas, abandonadas e a cair. Hoje, estão quase todas recuperadas. Não foi o Estado que investiu nessas casas. É o resultado da iniciativa privada.

Os hostels, os prédios com apartamentos para turistas ou estudantes, os novos restaurantes e bares foram abertos e construídos por portugueses, muitos deles jovens, que preferiram o risco a empregos de baixos salários ou à emigração. Agora que têm sucesso, não faltam propostas para aumentar impostos e retirarem dinheiro a quem o ganhou com esforço e ousadia.

A segunda mentira é de que o combate contra os ricos serve para defender os pobres. Se assim fosse, tendo em conta a carga fiscal elevada em Portugal, haveria menos pobreza. Os impostos altos e novas taxas servem sobretudo para transferir recursos dos privados para o Estado. Recursos que servem para dar empregos a clientelas partidárias. Agora que o Bloco só pensa em juntar-se ao governo, e portanto ao Estado, será necessário aumentar os recursos.

A terceira mentira é que tudo isto é uma questão económica. Não é. É uma questão política. As esquerdas, incluindo o PS, não querem uma sociedade forte e cidadãos independentes e com recursos. Os impostos e as taxas suplementares são os instrumentos para enfraquecer a sociedade e dar mais poder ao Estado. O que está em causa é a liberdade individual. A nossa liberdade de escolher como queremos viver e o que queremos fazer. Ou o poder do Estado de nos impor os planos de funcionários e burocratas que não conhecemos e com quem nunca falámos. É o que acontecerá se a maior parte dos nossos recursos for transferida para o Estado. Com eles vai a nossa liberdade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal enlouqueceu? /premium

João Marques de Almeida
491

A semana revelou uma imprensa de voyeurs, um país sem Defesa, um governo que não respeita princípios democrático e um líder da oposição com tiques de chefe autoritário. O futuro de Portugal promete.

Donald Trump

Ódio a quem os desmascara

José Mendonça da Cruz
481

Porquê esta sanha dos instalados do socialismo, dos fraturantes das margens, do jornalismo de causas contra Orban, Trump, Salvini, Bolsonaro?

Extrema Esquerda

O fascistómetro da Fascislândia /premium

Helena Matos
2.798

Nas redacções e na cabeça de cada um estão instalados os fascistómetros, uns preciosos aparelhos que permitem a cada um saber o que tem de dizer para não ser acusado de fazer parte da Fascislândia 

Reforma do Estado

Uma comissão Leopardo?

Tiago Macieirinha

É preciso alguma dose de ingenuidade ou voluntarismo para assumir que é possível conceber uma reforma séria do Estado com sete personalidades num espaço de um ano.

Serviços públicos

O regresso ao Estado-polícia?

Ana Miguel dos Santos
244

Agora há taxas para tudo. Taxas de licenciamento, urbanização, fiscalização do licenciamento, vistorias, ocupação da via pública, esgotos, comunicação... É uma verdadeira propagação selvática de taxas

Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)