Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há várias coisas que me espantam em Ferro Rodrigues. A primeira é que parece estar sempre zangado. Nunca vi o Presidente da Assembleia da República com ar bem-disposto e descontraído. Nem nas celebrações do 25 de Abril, consegui ver um sorriso aberto em Ferro Rodrigues, o que para um revolucionário é estranho.

Marcelo Rebelo de Sousa entrou no hemiciclo com ar de satisfação monárquica, talvez antevendo os elogios à sua lição sobre o modo certo de interpretar a história. António Costa entrou à… António Costa, com o seu andar gingão, como quem entra numa arena, talvez lamentando que não iria tourear alguém, como ele tanto gosta, naquele dia de celebrações revolucionárias (mas não esperou muito, e um dia depois toureou Pedro Nuno Santos em terras minhotas). Ferro Rodrigues entrou com o seu ar zangado de sempre. Até o cravo parecia murcho.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.