Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Novidades da pandemia? Aqui vão elas. Dois terços das famílias portuguesas sofrem dificuldades financeiras. Em apenas um ano, a quantidade de desempregados inscritos – os não inscritos são um caso à parte – nos ditos centros subiu 37%.  A Rede de Emergência Alimentar auxilia 80 mil pessoas, algumas com profissões que teoricamente as colocariam na classe média e que agora passam fome. Os indivíduos sem-abrigo multiplicaram-se. O comércio a retalho perdeu 200 milhões de euros em 2020. Na hotelaria as perdas rondam os 90%. Metade dos restaurantes fecharam, muitos para sempre. As falências em geral vão crescer 19% em 2021 (estimativa optimista). E boa parte das moratórias ao crédito, que envernizavam a catástrofe, acabaram esta semana. Etc. Etc. Etc.

Na verdade, nada disto decorre da pandemia: tudo decorre das medidas tomadas para alegadamente combater a pandemia. Até ver, a Covid matou 16 mil pessoas (tradução: morreram 16 mil pessoas com teste positivo à Covid). Em breve, saberemos quantas pessoas foram arruinadas pelas medidas “contra” a Covid. Se é que não sabemos já: a pretexto de um vírus com mortalidade irrisória para a grande maioria da população, o governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população. Não falo aqui dos milhões de consultas canceladas, das 54 mil cirurgias urgentes “adiadas” e dos não sei quantos homicídios por negligência. Nem falo das liberdades que se aboliram, do estado policial que se criou e da humilhação progressiva dos que eram cidadãos e hoje são lacaios.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.