Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1. Há poucas semanas a atenção global estacionou por uma tarde nas chamas de Notre Dame, em Paris. Um coro de pena e lamentos embora hoje, seja já com um desinteresse distraído que vagamente se ouve dizer que “houve uma missa” ou que alguém sugeriu “colocar uma piscina” no ex-tecto da Catedral, quando se iniciar a reconstrução.

E há dias, a atenção do país – instituições, escritores, políticos, literatos, amigos próximos, longínquos, povo, mirones, media — fixou-se na despedida de Agustina Bessa Luís. Brevemente: quando no dia seguinte, por sugestão desinteressada mas inteligente de alguém, propus a um meio de comunicação social a publicação de um quase desconhecido texto da escritora, a resposta foi “ah mas agora já não vai ‘dar’, estamos com os 30 anos de Tienamen”, e era verdade: estavam todos na China.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.