Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Caro contribuinte, já ouviu falar da Rua Eduardo Bairrada, em Lisboa, onde agora foram disponibilizados 20 apartamentos para arrendamento dito acessível? Se não ouviu devia ouvir. Ou então aproveite para dar um passeio e vá até lá para perceber como o dinheiro dos seus impostos tem servido para sustentar operações de propaganda.

As casas agora disponibilizadas para arrendamento acessível na Rua Eduardo Bairrada foram construídas em 2001 e destinavam-se então a arrendamento social. Segundo se lê no folheto da GEBALIS, empresa municipal de habitação: o “Bairro” é constituído por dois edifícios e foi construído em 2001 para realojar as famílias de etnia cigana residentes nos alojamentos precários da Rua Eduardo Bairrada. Os 20 fogos tinham uma renda média de 52,44 euros. Em 2007, segundo os dados da CML a percentagem de rendas em atraso no Bairro Eduardo Bairrada era de 100 por cento. Repito: 100 por cento. Ou seja, no Bairro Eduardo Bairrada viviam 19 famílias e nenhuma delas pagava a renda.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.