Vladimir Putin

Sobre a burla eleitoral na Rússia

Autor
114

A burla eleitoral de ontem não diz apenas respeito à Rússia — porque a Rússia insiste em promover e financiar uma vasta campanha de subversão contra o Ocidente.

As primeiras projecções davam 73 a 77% dos votos para Vladimir Putin, nas “eleições” presidenciais russas de ontem. Se o assunto dissesse apenas respeito à Rússia, o tema não mereceria mais do que um sorriso sarcástico. Todas as burlas eleitorais tendem a gerar resultados deste género e ninguém poderá propriamente espantar-se que assim seja na Rússia de Putin.

Acontece, porém, que o assunto não diz apenas respeito à Rússia — porque a Rússia insiste em promover e financiar uma vasta campanha de subversão no Ocidente. Não se trata apenas do canal televisivo de propaganda RT, emitido em inglês — sobre o qual o Observador acaba de publicar uma excelente reportagem. Trata-se de uma vasta operação tentacular de que a revista The Economist deu recentemente um apanhado.

O caso mais recente e mais chocante foi o envenenamento em território britânico de dois exilados russos, Sergei Skripal e sua filha Yulia, com uma arma química de origem soviética — que levou à evacuação de largas áreas da tranquila cidade de Salisbury, aliás sede de uma bela Catedral. (Na passada segunda-feira, outro exilado russo no Reino Unido e opositor de Putin, o empresário Nikolai Glushkov, foi encontrado morto no seu apartamento. Sobre este caso, a policia britânica ainda não divulgou dados conclusivos).

Não posso deixar de saudar a muito determinada e pronta reacção do Governo e Parlamento britânicos, bem como a declaração conjunta do Reino Unido, EUA, Alemanha e França, além da NATO. Como tenho vindo a repetir neste espaço (e voltei recentemente a reafirmar a propósito do Imperador Xi), as democracias ocidentais fariam melhor em prestar atenção ao crescimento das ameaças autoritárias externas — em vez de se consumirem em menores questiúnculas internas (como a punição do brexit ou as deploráveis guerrilhas tarifárias que seduzem Donald Trump).

Merece, em contrapartida, atenta reflexão o comportamento do actual líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn. Foi incapaz de condenar a Rússia, no caso do atentado contra os Skripal em território britânico. Enredou-se em nostálgicas condenações da intervenção anglo-americana no Iraque — como se alguém tivesse agora proposto uma acção militar contra a Rússia. Numa palavra, em meu entender, exprimiu de forma eloquente a crise de confiança que vem minando as democracias ocidentais.

Gostaria de não ser mal interpretado. Tenho o maior respeito e apreço pelo Partido Trabalhista britânico — que, desde as primeiras décadas do século XX, emergiu por mérito próprio como um dos pilares da monarquia constitucional e parlamentar britânica. Foi desde o início uma grande escola de ‘gentlemanship’ entre as muito nobres classes trabalhadoras britânicas — que, por isso mesmo, sempre mantiveram o ópio marxista sob saudável quarentena. (Karl Marx, a propósito, queixava-se de que os ingleses não o levavam a sério — ainda que o tenham deixado escrever em paz O Capital na bela sala de leitura redonda da British Library, quando ele já estava proscrito na Europa continental).

A minha crítica ao senhor Corbyn não é por isso extensiva ao Partido Trabalhista. É mesmo dirigida ao senhor Corbyn e ao seu grupo de entusiastas neo-marxistas. E não pretendo criticar o senhor Corbyn por não beber álcool e não comer carne — ainda que eu, como Churchilliano encartado, deva encarar esses hábitos como “fundamentally unsound” (a sábia expressão do Butler Jeeves acerca de Nietzsche, nas imbatíveis novelas de P.G. Wodehouse).

O que me preocupa no senhor Corbyn é a sua permanente tendência para culpar o Ocidente por todos os males do mundo. E por, simultaneamente, desculpar os inimigos do Ocidente — o fundamentalismo islâmico, agora também a Rússia e a China — como se essa inimizade fosse apenas resultado do chamado “imperialismo ocidental”.

Sugiro que prestemos atenção a este fenómeno. Receio que o senhor Corbyn seja apenas a expressão eloquente da crise de confiança que vem minando as democracias ocidentais — com especial incidência nas universidades e nos meios de comunicação social.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Sobre o euro e o futuro da UE /premium

João Carlos Espada

Como alertaram insistentemente Edmund Burke e Alexis de Tocqueville, as culturas políticas inflexíveis geram recorrentemente a escolha enganadora entre Antigo Regime e Revolução.

Democracia

Votos para 2019: Conversação civilizada /premium

João Carlos Espada

Os meus votos para 2019 são de re-descoberta das boas tradições demo-liberais fundadas na perpétua conversação civilizada entre perspectivas rivais, a “corrente de ouro” de que falava Churchill.

Rússia

Putin enterrou o socialismo /premium

José Milhazes
219

Restam cada vez menos razões ao PCP para apoiar a política de Putin, sobretudo depois de o dirigente russo “ter enfiado o socialismo na gaveta”, mas ainda algo importante os une: o anti-americanismo.

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)