Rádio Observador

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Autor

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Entre a desordem crescente que reina no mundo e as «fake news» que não nos deixam saber ao certo o que se passa, neste momento a “opinião pública” nacional está ameaçada, pelo menos, por três teorias da conspiração ao mesmo tempo: a “greve estival” que nos afecta à pequena escala quotidiana; a de uma «extrema-direita» anónima que ameaçaria o «governo da caranguejola»; até àquela conspiração universal de todos a favor da China comunista e contra os jovens combatentes da liberdade em Hong-Kong.

Esta última é, possivelmente, a mais plausível dessas «teorias», como se deduz dos graves inconvenientes que o Financial Times antevê naquela «típica insurreição juvenil» que se apresta a ser esmagada pela China, segundo o FT, «bastião da globalização» contra o «isolacionismo» de Donald Trump! Deixemos por ora o que se está a passar em Hong Kong, pois haverá inevitavelmente motivos para voltar ao assunto e à profunda incerteza que reina nas relações internacionais a prazo previsível. Acerca da teoria da conspiração imaginária contra o governo português a fim de derrubar o «único governo de esquerda da UE», apenas vale a pena anotar que, segundo o autor da tese, já haveria um «agente em campo», o bizarro líder do Sindicato dos Camionistas de Matérias Perigosas…

Falemos então da greve do combustível, que não só afecta a nossa vida quotidiana como tem a consequência, nesta época do ano, de servir para a catadupa noticiosa da comunicação social esconder, momentaneamente, o facto de a nossa vida ser gravemente afectada há anos pela crise do SNS e pela do sistema público de ensino, para não falar de outros sectores públicos, como os transportes e os incêndios florestais. Pode parecer conspiratório mas não se pode negar que a única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la, deixando a greve arrastar-se de tal maneira que a população fique farta e vote
a favor do actual governo nas eleições de Outubro…

Se há conspiração ou não e, se há, quem é o maior conspirador, eis o que há toda a probabilidade de nunca virmos a sabê-lo. Correndo o risco de parecer agir como o defensor dos interesses do patronato, depois de muita hesitação e de muito palavreado, o governo assumiu politicamente a defesa dos consumidores e dos veraneantes, assim como do pretenso bom funcionamento dos serviços públicos, com vista a ser recompensado daqui a pouco menos de dois meses com uma vitória eleitoral que poria o PS à vontade para fazer o que lhe desse na gana! Com ou sem conspiração, é certo que haverá quem apreciará a actuação do governo e recompensará por isso o partido, sobretudo aqueles que já tinham uma vaga intenção de votar PS ou abster-se, como irá acontecer em grande escala.

O interessante, todavia, nestas teorias conspiratórias que todos fazemos, cada um à sua escala, é que alguns eleitores daqueles que não gostaram de ver o governo e os próprios partidos da «caranguejola» virar-se contra os trabalhadores e apoiar os patrões, não hesitando em limitar o direito de greve, pensarão que o governo e os seus acólitos se portaram mal, decidindo fugir para outras siglas partidárias ou para a abstenção com uma só ideia na cabeça: «Eles são todos iguais»…

Mais provavelmente ainda, muitos eleitores dos que já não tencionavam votar nos partidos da actual «maioria», pensando porventura abster-se, interpretarão o apoio do governo ao patronato como mais um «truque» para nos enganar e optarão por votar contra o governo, dificultando a vitória do PS e impedindo, porventura, a maioria absoluta dos deputados que o partido ambiciona a fim de não ter de partilhar o poder com os «caranguejos». Ou seja, a mesma táctica do PS, seja ela qual for, produzirá três respostas diferentes da parte do eleitorado que poderão eventualmente anular-se entre elas…

As teorias da conspiração são inevitáveis neste género de situações, sobretudo numa época do ano em que os «media» não têm nada para dizer e repetem hora a hora os mesmos dados incertos, que alimentarão as especulações assim como influenciarão as decisões de voto ou de abstenção até às eleições. É conhecido dos especialistas de sondagens eleitorais que uma percentagem muito significativa dos eleitores só decide por quem votar ou abster-se nas últimas semanas das campanhas e nem sempre diz a «verdade» aos inquiridores… Sei por observação que, se houvesse sondagens em 1987, não é certo que Cavaco Silva tivesse tido a maioria absoluta; inversamente, há um estudo pós-eleitoral de 2002 segundo o qual, se os eleitores tivessem dito a «verdade», o vencedor seria outro!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

O fórum e o mercado /premium

Manuel Villaverde Cabral

As eleições serão marcadas pela crise da representação materializada pela abstenção maciça, enquanto os votantes efectivos se pautarão pelos benefícios que terão ou não recebido da "geringonça".

PS

"Vogliamo Tutto" ou… a campanha em marcha /premium

Manuel Villaverde Cabral

É falso que o esquelético crescimento económico actual esteja a "evoluir em contraciclo com a economia mundial", como se a nossa economia não dependesse da europeia desde a criação do Euro.

Corrupção

O PS está em pânico… e com razão! /premium

Manuel Villaverde Cabral
317

Ao contrário do que clama a «esquerda indignada», o país não precisa do sector privado para haver «corrupção». Pelo contrário: ela medra no actual sistema de clientelismo de Estado incarnado pelo PS.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)