PSD

“Um dos nossos”: como é que Feliciano Barreiras Duarte chegou até aqui?

Autor
  • Miguel Pinheiro
953

Barreiras Duarte não prosperou no PSD, no parlamento e no governo por ser brilhante, mas por uma razão muito portuguesa: porque os "laranjinhas" o viam como "um dos nossos". E assim subiu. Até cair.

Como é que Feliciano Barreiras Duarte chegou até aqui? Não é uma pergunta retórica, convém mesmo perceber: como é que Feliciano Barreiras Duarte acumulou suficiente importância para se tornar secretário-geral do PSD?

Não foi, como se tornou tristemente evidente, pela excelência académica. Feliciano Barreiras Duarte gosta de se apresentar como um universitário dedicado e reconhecido, sempre em busca da excelência, mas a realidade é desanimadora. A licenciatura: demorou 11 (vamos repetir por extenso: onze) anos a acabar o curso, na Universidade Autónoma, com escassos 11 valores. O mestrado: o seu relatório foi apreciado por três membros dessa extensa agremiação a que se chama “classe política” e recebeu 18 surpreendentes valores por um texto que torturava vírgulas, acentos e concordâncias. A “visiting scholarship” em Berkeley: foi uma fantasia sem justificação nem desculpa.

Feliciano Barreiras Duarte também não chegou aqui, como demonstrou o Expresso, pelo seu arsenal intelectual. O ex-secretário-geral do PSD gaba-se da sua “vastíssima” obra, mas ela resume-se, em grande parte, a serviços de clipping das suas crónicas em jornais ou de legislação avulsa apresentada em forma de livros supostamente jurídicos.

Não foi, ainda, pelo seu sentido de oportunidade geográfica: quando exercia um cargo político no Bombarral, declarava, para efeitos de subsídios de transporte, que vivia em Lisboa; e, quando exercia um cargo político em Lisboa, declarava, para efeitos de subsídios de transporte, que vivia no Bombarral.

E não foi pelo seu brilho no inevitável percurso nos jotinhas ou no partido. Como o Observador escreveu, Feliciano Barreiras Duarte tinha uma incompatibilidade com os computadores e com a língua inglesa falada que levou Pedro Passos Coelho do cepticismo na JSD à aversão no PSD.

Apesar de tudo isto, Feliciano Barreiras Duarte tornou-se um pequeno colosso político. Foi presidente da Assembleia Municipal de Óbidos, deputado em quatro legislaturas e, pasme-se, secretário de Estado em três governos. A dada altura, atingiu o invejável e concorrido estatuto de consciência crítica do PSD, tornando-se numa espécie de Grilo Falante da social-democracia. Quando Passos Coelho já estava a centímetros da queda, foi entrevistado pelo Expresso e apresentado como “a maior autoridade do PSD sobre políticas de imigração” (“Não é uma voz qualquer”, lia-se no artigo). Pronto para se vingar do líder que o abandonara, afirmou, com angelical pureza: “O PSD, pelo que se percebe, também tem racistas e xenófobos”.

Nestes últimos dias de exposição pública, percebeu-se que Feliciano Barreiras Duarte é penosamente transparente. Bastará falar dez minutos com o ainda deputado para perceber o que vale (ou não vale) o seu currículo e a sua experiência. Como se explica, então, a sua carreira no partido, no parlamento e no governo? Há uma razão muito portuguesa para isso: todos os que mandaram nos laranjinhas nas últimas décadas olhavam para ele e viam “um dos nossos”. Ele não é um estudante brilhante, mas é “um dos nossos”; ele não é um jotinha efervescente, mas é “um dos nossos”; ele não é um deputado estratosférico, mas é “um dos nossos”; ele não é um governante inesquecível, mas é “um dos nossos”.

A melhor explicação para a ascensão de Feliciano Barreiras Duarte está condensada numa frase dita por Miguel Relvas a Passos Coelho, depois de o líder do partido o ter preterido várias vezes para cargos, e que está citada num artigo do Rui Pedro Antunes no Observador: “Já o deixámos fora da Comissão Política, temos de o levar para a sede”.

Parece um mantra, que passou de Durão Barroso para Santana Lopes, de Santana Lopes para Passos Coelho, de Passos Coelho para Rui Rio: ele é “um dos nossos”, “temos de o levar”. E levaram: cargo após cargo, ano após ano, degrau após degrau, numa improvável subida que todos pagaram caro. Pagámos nós, que assistimos a uma história escusada, e pagou Feliciano Barreiras Duarte, que agora viu essa história chegar irrevogavelmente ao fim.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
918

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)