PSD

“Um dos nossos”: como é que Feliciano Barreiras Duarte chegou até aqui?

Autor
  • Miguel Pinheiro
953

Barreiras Duarte não prosperou no PSD, no parlamento e no governo por ser brilhante, mas por uma razão muito portuguesa: porque os "laranjinhas" o viam como "um dos nossos". E assim subiu. Até cair.

Como é que Feliciano Barreiras Duarte chegou até aqui? Não é uma pergunta retórica, convém mesmo perceber: como é que Feliciano Barreiras Duarte acumulou suficiente importância para se tornar secretário-geral do PSD?

Não foi, como se tornou tristemente evidente, pela excelência académica. Feliciano Barreiras Duarte gosta de se apresentar como um universitário dedicado e reconhecido, sempre em busca da excelência, mas a realidade é desanimadora. A licenciatura: demorou 11 (vamos repetir por extenso: onze) anos a acabar o curso, na Universidade Autónoma, com escassos 11 valores. O mestrado: o seu relatório foi apreciado por três membros dessa extensa agremiação a que se chama “classe política” e recebeu 18 surpreendentes valores por um texto que torturava vírgulas, acentos e concordâncias. A “visiting scholarship” em Berkeley: foi uma fantasia sem justificação nem desculpa.

Feliciano Barreiras Duarte também não chegou aqui, como demonstrou o Expresso, pelo seu arsenal intelectual. O ex-secretário-geral do PSD gaba-se da sua “vastíssima” obra, mas ela resume-se, em grande parte, a serviços de clipping das suas crónicas em jornais ou de legislação avulsa apresentada em forma de livros supostamente jurídicos.

Não foi, ainda, pelo seu sentido de oportunidade geográfica: quando exercia um cargo político no Bombarral, declarava, para efeitos de subsídios de transporte, que vivia em Lisboa; e, quando exercia um cargo político em Lisboa, declarava, para efeitos de subsídios de transporte, que vivia no Bombarral.

E não foi pelo seu brilho no inevitável percurso nos jotinhas ou no partido. Como o Observador escreveu, Feliciano Barreiras Duarte tinha uma incompatibilidade com os computadores e com a língua inglesa falada que levou Pedro Passos Coelho do cepticismo na JSD à aversão no PSD.

Apesar de tudo isto, Feliciano Barreiras Duarte tornou-se um pequeno colosso político. Foi presidente da Assembleia Municipal de Óbidos, deputado em quatro legislaturas e, pasme-se, secretário de Estado em três governos. A dada altura, atingiu o invejável e concorrido estatuto de consciência crítica do PSD, tornando-se numa espécie de Grilo Falante da social-democracia. Quando Passos Coelho já estava a centímetros da queda, foi entrevistado pelo Expresso e apresentado como “a maior autoridade do PSD sobre políticas de imigração” (“Não é uma voz qualquer”, lia-se no artigo). Pronto para se vingar do líder que o abandonara, afirmou, com angelical pureza: “O PSD, pelo que se percebe, também tem racistas e xenófobos”.

Nestes últimos dias de exposição pública, percebeu-se que Feliciano Barreiras Duarte é penosamente transparente. Bastará falar dez minutos com o ainda deputado para perceber o que vale (ou não vale) o seu currículo e a sua experiência. Como se explica, então, a sua carreira no partido, no parlamento e no governo? Há uma razão muito portuguesa para isso: todos os que mandaram nos laranjinhas nas últimas décadas olhavam para ele e viam “um dos nossos”. Ele não é um estudante brilhante, mas é “um dos nossos”; ele não é um jotinha efervescente, mas é “um dos nossos”; ele não é um deputado estratosférico, mas é “um dos nossos”; ele não é um governante inesquecível, mas é “um dos nossos”.

A melhor explicação para a ascensão de Feliciano Barreiras Duarte está condensada numa frase dita por Miguel Relvas a Passos Coelho, depois de o líder do partido o ter preterido várias vezes para cargos, e que está citada num artigo do Rui Pedro Antunes no Observador: “Já o deixámos fora da Comissão Política, temos de o levar para a sede”.

Parece um mantra, que passou de Durão Barroso para Santana Lopes, de Santana Lopes para Passos Coelho, de Passos Coelho para Rui Rio: ele é “um dos nossos”, “temos de o levar”. E levaram: cargo após cargo, ano após ano, degrau após degrau, numa improvável subida que todos pagaram caro. Pagámos nós, que assistimos a uma história escusada, e pagou Feliciano Barreiras Duarte, que agora viu essa história chegar irrevogavelmente ao fim.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
Síria

O pacifismo de flores e beijinhos do BE

Miguel Pinheiro
132

Perante o conflito na Síria e o ataque pelas forças aliadas, o BE comporta-se como uma espécie de Suíça hippie. Quando levamos o pacifismo aos limites do bom senso, perdemos sempre o compasso moral.

António Costa

A entrevista cor de rosa de António Costa

Miguel Pinheiro
195

Agora que começa a preparar as próximas eleições, António Costa decidiu dar uma grande entrevista a uma revista com leitores fiéis e tiragens altas. Falo, obviamente, da revista “Cristina".

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site