Logo Observador
Conselho das Finanças Públicas

Paul De Grawe e Miguel St. Aubyn vão ser nomeados para o Conselho das Finanças Públicas

Governo, Banco de Portugal e Tribunal de Contas parecem ter chegado a consenso sobre os novos nomes que vão integrar o Conselho das Finanças Públicas.

Teodora Cardoso, presidente do Conselho das Finanças Públicas. Ja há consenso para os novos elementos do CFP.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Os economistas Paul De Grawe e Miguel St. Aubyn vão integrar o órgão superior do Conselho das Finanças Públicas (CFP), de acordo com a notícia avançada pelo Jornal de Negócios. Os dois nomes reuniram a concordância do Banco de Portugal, do Tribunal de Contas e do Governo, depois de António Costa ter “chumbado” uma primeira proposta que previa as nomeações de Teresa Ter-Minassian, chefe de missão do Fundo Monetário Internacional durante a intervenção em Portugal durante a primeira metade dos anos 1980, e de Luís Vitório, antigo chefe de gabinete de Paulo Macedo, quando o atual presidente da Caixa Geral de Depósitos desempenhou o cargo de ministro da Saúde no primeiro Executivo de Pedro Passos Coelho.

Paul De Grawe leciona Economia Política na London School of Economics e foi conselheiro de Durão Barroso durante a presidência do ex-primeiro-ministro português na Comissão Europeia. Miguel St. Aubyn é professor no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) e fez parte do grupo de trabalho, integrado por elementos ligados ao atual Governo, ao PS e ao Bloco de Esquerda, que analisou a sustentabilidade das dívidas externa e pública. Os dois economistas substituem Jurgen von Hagen e Rui Baleiras no órgão de topo do CFP.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A mão

Maria João Avillez
2.718

Pessoas assim enjoam o primeiro-ministro. Exigem-lhe “nervos de aço. Deve dar um trabalhão fazer passar a direita como um grupo menor de maltrapilhos, de passado duvidoso e com má folha de serviços.

Maioria de Esquerda

A rolha

Alexandre Homem Cristo
1.004

Os casos de Teodora Cardoso e Carlos Costa mostram como PS-PCP-BE têm intimidado instituições independentes e o escrutínio à actuação do governo. É admirável que esta intimidação passe como normal.

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.