Presidente Trump

Donald Trump não suspende acordo com o Irão – mas muda a estratégia

Ao contrário do que se esperava, Donald Trump não vai suspender o acordo nuclear com o Irão. O presidente dos EUA anunciou esta sexta-feira em declaração que decisão passa agora pelo Congresso.

Emmanuel Macron e Theresa May foram dois dos líderes internacionais que se mostravam contra a anulação do acordo nuclear

Ao contrário daquilo que prometeu durante a campanha presidencial, Donald Trump não vai suspender o acordo nuclear com o Irão. Mas vai mudar a estratégia. “Quanto mais ignorarmos uma ameaça, mais perigosa se torna”, afirmou o presidente dos EUA a explicar que a estratégia quanto ao acordo vai ser alterada.

O acordo, assinado em 2015, visa um entendimento entre os dois países – o Irão congela o avanço nuclear e os Estados Unidos levantam todas as sanções que havia imposto, incluindo a proibição de vender petróleo ou de marcar presença nos mercados internacionais. Donald Trump tem repetido insistentemente que os iranianos não estão a cumprir a sua parte e afirmou, mais uma vez, esta sexta-feira que “foi o pior acordo alguma vez feito”.

Mas – numa reviravolta inesperada a la Trump – o presidente não vai suspender por completo o acordo. O documento implica que Donald Trump, ou qualquer que seja o chefe de Estado vigente, verifique a cada 90 dias que as linhas gerais estão a ser cumpridas. Trump não vai suspender o acordo, como anunciou esta sexta-feira. Esta decisão relega a decisão para o Congresso, que terá 60 dias para decidir se repõe as sanções ao Irão ou mantém o acordo.

Se as sanções forem repostas, o mais provável é que o pacto acabe mesmo por cair. Mas o que a administração Trump quer é que o Congresso adote novas medidas que mantenham o documento intacto mas estabeleçam parâmetros a seguir caso o Irão não cumpra as linhas gerais.

Ao que referiu a BBC, a intenção de Donald Trump é “consertar” este acordo nuclear. Segundo a conferência de imprensa desta sexta-feira, na Casa Branca, às 12:45 (17:45 em Portugal), para explicar o novo plano, fruto de semanas de discussões internas entre ele próprio e a equipa de segurança interna, o atual acordo gera”fracas expectativas” aos EUA e permite que o Irão continue a desenvolver tecnologia nuclear. O objetivo de Trump é tirar protagonismo ao acordo no que toca à relação entre os dois países – e pôr em prática uma estratégia mais agressiva com o programa nuclear iraniano. Para isso, o estadista afirmou que irá trabalhar com os aliados para bloquear os avanços do Irão.

O plano do presidente foca-se em neutralizar a influência desestabilizadora que o governo do Irão tem e constranger as suas agressões, particularmente o apoio ao terrorismo”, explica um comunicado da Casa Branca, citado pela CNN.

Além da opinião pública interna, que se tem materializado em manifestações pró-acordo perto da Casa Branca, Trump enfrenta o descontentamento dos líderes internacionais com a queda deste entendimento. Theresa May e Emmanuel Macron, por exemplo, já pediram publicamente ao presidente norte-americano que mantenha vigente o documento assinado com o Irão. Também a Agência Internacional da Energia Atómica e o próprio Congresso dos Estados Unidos dizem que os iranianos estão a cumprir o acordo nuclear desde o primeiro dia e que não há qualquer motivo para a suspensão do mesmo.

Alguns dos manifestantes que se têm juntado em frente à Casa Branca

Donald Trump reafirmou recentemente que está em desacordo com esta negociação, numa entrevista à Fox News, em que disse que “eles [o Irão] têm um caminho em direção às armas nucleares que é muito rápido, e pense nisto – 1,7 mil milhões de dólares em dinheiro”, referindo-se a uma das alíneas do artigo, decidida por Barack Obama, que encerrou uma batalha judicial que durava há décadas entre os dois países.

Na conferência de imprensa o presidente dos EUA afirmou: “nós vamos negar todos os avaçosdo regime [irariano]” para planos nucleares. Donald Trump acabou a conferência por dizer: “vamos fazer o que for preciso para manter a América segura”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site