Logo Observador
Liberdades

As liberdades que não são de esquerda

Autor
678

Não é de esquerda a defesa da liberdade de expressão, tal como não é de esquerda a defesa da liberdade de não sermos continuamente e crescentemente abalroados na conta bancária por via fiscal.

É oficial: pelos lados da geringonça cortaram as últimas amarras que os ligavam à realidade. É o que qualquer pessoa sensata conclui da promessa de Pedro Marques do novo aeroporto complementar no Montijo para 2019. Os tempos dessa entrada cimeira da Declaração Universal dos Direitos do Homem, o ‘direito ao TGV’, exigido pelos lunáticos da Juventude Socialista em 2009, estão de volta.

Claro que em 2019 dificilmente haverá aeroporto. A razão é simples e bruta: não há dinheiro. Mas, em boa verdade, o que interessa ao PS também não é a construção do aeroporto. É muito mais útil enganar os tolos com a retórica do investimento; encher jornais e noticiários com projetos grandiosos que o magnífico governo apadrinha (os jornalistas assim sempre se esquecem de referir os números risíveis do investimento que, de facto, temos tido e que mostram que com este desgoverno ninguém arrisca investir); oferecer uma cenoura coberta de chocolate, à laia de esperança, aos eleitores dos municípios da zona do futuro-barra-imaginário aeroporto.

O PS sempre foi um partido da pós-verdade, muito antes do conceito estar na moda. Lembramo-nos das promessas de Centeno e Costa para o crescimento económico, não lembramos? Pelo que dizer que se quer construir o aeroporto, para o PS, é muito mais útil que construir mesmo o aeroporto. Quanto menos o pretenderem construir, mais proclamações enfáticas de amor assolapado pelo novo aeroporto deveremos ouvir. Vamos ser todos endoutrinados na bala de prata (mais uma, já houve tantas) que é o novo aeroporto para o desenvolvimento português. Quem não amar o projeto do novo aeroporto acima de todas as coisas, não é patriota. António Costa, naquela sua peculiar maneira de esmigalhar a língua portuguesa, ‘incontrará’ maneira de argumentar que é ‘inconxional’ não construir o novo aeroporto.

Quer dizer que, apesar da retórica lunática, o PS até vai ter uma prática responsável e arredar-nos de custos com o novo aeroporto? Claro que não, caro leitor, por quem os toma? Pedro Marques já esclareceu que se realizarão estudos. Muitos estudos a empresas amigáveis poderão ser encomendados – e pagos, quer se realizem além do primeiro rascunho ou não. A utilidade e a necessidade dos ditos é irrelevante, afinal quando efetivamente se construir o novo aeroporto estarão já datados e serão necessários estudos mais atualizados. Há muito dinheiro dos contribuintes para desbaratar por aqui – e o PS dedicar-se-á carinhosamente a este desígnio.

Alegre-se: as boas ideias – boas no sentido de espremer contribuintes – não param. O BE quer eliminar as propinas do ensino universitário, mesmo para os alunos de famílias com rendimentos que possam pagá-las. A agremiação de jovens (ou trintões) excitáveis conhecida como JS, mais uns tantos socialistas, aplaudem. Querem tornar o ensino superior ‘gratuito’ – segundo o dicionário da geringonça; no dicionário das pessoas não infetadas pelo virus socialista, ‘gratuito’ significa pago por outros, os omnipresentes contribuintes.

Os contribuintes já estão sangrados mais que suficientemente? O ensino superior traz geralmente vantagens monetárias futuras a quem o frequenta, fazendo sentido por isso que o grosso do seu financiamento recaia sobre quem dele mais beneficia? Os alunos do ensino superior são sobretudo filhos da classe média e da classe alta, pelo que o pagamento por todos os contribuintes é uma transferência de recursos para as famílias mais endinheiradas? Não interessa. É tão bonito bater no peito enquanto se reclama ensino superior alegadamente gratuito.

Os contribuintes, como na geringonça sabem, têm uns bolsos muito fundos e faz-lhes muito bem pagarem mais impostos. É gente muito rica – que só por manigâncias não aparece nas estatísticas – com fundos intermináveis a necessitarem de ser transferidos para a boa gestão da sensata gente do Bloco e da ala esquerda do PS. Quem não confia nestes génios financeiros para gastar por nós o nosso dinheiro?

Continue, portanto, sorridente enquanto o desgoverno todos os dias inventa formas de esmifrar contribuintes, e depois não se admire se, tendo um ordenado de classe média, o usar para sustentar as alucinações da geringonça e não lhe sobrar para ir de férias ou comprar presentes de Natal.

Posto isto, é uma grande injustiça que as indignações da semana tenham recaído sobre Isabel Moreira. E logo por ter constatado uma verdade autoevidente: a defesa da liberdade de expressão não é uma causa de esquerda. Que a autocensura (descrevo eu a recomendação da deputada do PS) é que é de esquerda. (Quando dirigida à comunidade lgbt, claro. Se tiver como alvo a padralhada, por exemplo, há que abusar da liberdade de expressão. A própria Isabel Moreira é um tanto descontrolada quando se trata de epitetar publicamente opositores políticos.)

Ora Isabel Moreira tem muita razão. A defesa da liberdade não é de esquerda. De esquerda é a igualização (à força, se preciso) dos indivíduos. E são Isabel Moreira e seus amigos (os deuses nos livrem e guardem) que sabem aquilo em que devemos usar a nossa autocontida liberdade. Não é de esquerda a defesa da liberdade de expressão, tal como não é de esquerda a defesa da liberdade de cada um de nós dar o destino que bem entende ao dinheiro que ganha com a sua profissão. Também conhecida como liberdade de não sermos continuamente e crescentemente abalroados na conta bancária por via fiscal.

A esquerda adora tanto estas liberdades quanto eu aprecio serpentes (que ainda ontem andei a fugir, sob o escárnio dos meus filhos, de umas reproduções dos abjetos rastejantes num museu de história natural). Isabel Moreira é só mais transparente que os seus colegas ideológicos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

Os mortos são um pormenor

Maria João Marques
3.032

A solução é agilizar (ou eliminar) licenciamentos de negócios rurais. Flexibilizar os PDM, que tantas vezes obrigam a usos de terrenos decididos em gabinetes, desadequados aos locais e à sua economia.

PS

Lindas histórias de amizade e amor familiar

Maria João Marques
657

Fiquei enternecida com o que se passou por estes dias para os lados dos amigos e familiares do PS. Ah, o gosto de termos gente a governar-nos que trata tão amorosamente de amigos e família.

Liberdades

Mais liberalismo ou menos socialismo?

Vítor Cunha
145

Para galvanizar a juventude para o liberalismo não basta o "argumento da superioridade moral do individualismo": é necessário remover o incentivo para que depender do salário de Estado seja atraente.

25 de Abril

Os restos do salazarismo que vivem entre nós

João Marques de Almeida
557

Quando nos aproximamos de mais um 25 de Abril há heranças preocupantes do Estado Novo que vivem entre nós. Mas ao contrário do discurso do regime, são as esquerdas que mais beneficiam dessas heranças.

Fogo de Pedrógão Grande

Morrer entre brutos é triste

Alberto Gonçalves
316

Portugal não cede à baixa política, leia-se permite a impunidade geral. Portugal, repete-se, é uma nação muito forte, leia-se um recreio de oportunistas, desnorteados ao primeiro assomo da realidade.