Feminismo

As mulheres do Presidente

Autor
  • Luis Carvalho Rodrigues

Para as feministas mulheres que aceitam a “objectificação" sofrem de “misoginia interiorizada” (uma versão do proletário alienado pelo capitalismo) e devem ser salvas. Se preciso contra a sua vontade

O Presidents Club Charity Dinner é um clube londrino só para homens que organiza anualmente um jantar de angariação de fundos para caridade. O clube foi notícia nas últimas semanas porque uma jornalista do Financial Times “infiltrada” revelou que o serviço do jantar anual era assegurado por “hospedeiras” vestidas com roupa preta e saltos altos. Foi o escândalo. No meio da confusão que se seguiu, a agência que contratou as mulheres e o hotel onde decorreu o jantar vieram pedir desculpa e garantir que não sabiam de nada. A presidente da comissão inglesa para a Igualdade repreendeu publicamente o senhor Nadhim Zahawi, ministro da Educação, por este ter estado no jantar (parece que saiu a correr às 21h35, quando as mulheres apareceram, mas isso não lhe serviu de nada). A primeira-ministra Theresa May declarou-se chocada. O secretário do clube demitiu-se. E os hospitais que beneficiavam da angariação de fundos anunciaram que iriam devolver o dinheiro (dois milhões de euros).

No meio da gritaria, ninguém se mostrou interessado em saber o que pensavam do assunto as mulheres do Presidents Club. De acordo com o próprio Financial Times, muitas delas são estudantes, actrizes, bailarinas, modelos. Dir-se-ia gente capaz de decidir a própria vida. Não entendem assim as novas activistas feministas, para quem as mulheres que aceitam a “objectificação” (como as hospedeiras do ridículo jantar do Presidents Club) sofrem de “misoginia interiorizada” (que é a versão feminista do proletário alienado pelo capitalismo). Não são verdadeiramente conscientes, não sabem o que fazem nem o que lhes convém e devem ser salvas. Se necessário, contra a sua própria vontade. Se necessário, e porque assim impõe o sentido correcto da História, com o seu próprio sacrifício.

Não exagero. Sally Howard, uma jornalista feminista que vive no Exmouth Market, uma zona trendy e carérrima de Londres, admitiu por estes dias na BBC ser “necessário” que estas mulheres percam o seu trabalho: “em todas as mudanças sociais”, explicou, “há pessoas que sofrem”. Sally Howard é a típica representante da esquerda “de causas”: faz jornalismo sobre assuntos “de género”, escreveu um livro sobre as violações na Índia intitulado “Os diários do Kama Sutra” e está a fazer um mestrado em “Género e Desenvolvimento”. A frase dita na BBC mostra que também leu o seu Lenine. E que as pessoas lhe não interessam para nada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

A saúde e a direita

Luis Carvalho Rodrigues

Os privados da saúde são parceiros de pleno direito, que não podem ser tratados como parasitas a que o Estado faz o favor de deitar umas migalhas quando lhe dá jeito.

Cinema

“Against all odds”

Luis Carvalho Rodrigues

Em 1940 Winston Churchill tinha 65 anos. No dia em que tomou posse como primeiro-ministro, escreveu: “Toda a minha vida passada foi uma preparação para este momento e para esta prova.”

Serviço Nacional de Saúde

Papas e bolos

Luis Carvalho Rodrigues
173

É muito interessante o despudor satisfeito com que a senhora adjunta do director do Plano Nacional para a Alimentação Saudável alardeia a sua capacidade para condicionar a vontade de cidadãos livres.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site