Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A campanha eleitoral e as ações de apelo ao voto terminam na sexta-feira mas, para a CDU, até dia 25 “ainda há espaço de convencimento para ganhar mais eleitores”. “A corrente de apoio tem sido crescente”, reconheceu Jorge Cordeiro, responsável pela campanha da CDU às eleições europeias, ao Observador. Este apoio “é o reconhecimento da nossa posição coerente na política nacional”.

“Cada vez mais portugueses vêem [na CDU] uma força capaz de defender os seus interesses em Portugal e na Europa” e votar na CDU é “dar voz e defender de forma mais coerente os interesses do povo e do país”, explicou. Questionado sobre a apresentação de uma moção de censura por parte do PCP, Jorge Cordeiro foi claro: a censura “fazemo-la todos os dias” e no dia 25 de maio é preciso “censurar o Governo e a política da troika de forma clara”.

A campanha oficial da CDU começou a 13 de abril em terra algarvias, em São Bartolomeu de Messines, e terminará esta sexta-feira, em Almada. Nesta quinta-feira juntou-se a João Ferreira o secretário-geral do PCP, numa arruada muito concorrida no Porto, onde pediu um “esforço a 100 metros da meta”.

Jerónimo de Sousa apelou ao espírito de sacrifício dos apoiantes da coligação PCP/PEV tendo em vista as eleições europeias de domingo. Parar agora seria “como que fazer uma maratona e, agora a 100 metros, descansar porque estamos a crescer. Não! Estamos aqui, ainda falta dia e meio”. “Vamos continuar até ao fim”, acrescentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR