Guiné-Conacri

Pelo menos 24 mortos em debandada durante concerto rap na Guiné-Conacri

Instalou-se o caos num concerto de praia de uma banda rap, na Guiné-Conacri. Vítimas terão morrido espezinhadas, durante uma debandada - cujas razões são ainda desconhecidas.

A Guiné-Conacri enfrenta nos últimos meses o pior surto de sempre do vírus do Ébola, que já matou mais de 300 pessoas só naquele país

AFP/Getty Images

Pelo menos 24 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas na sequência de uma debandada durante um concerto na capital da Guiné-Conacri, África Ocidental. A confusão instalou-se por motivos ainda desconhecidos e dezenas de pessoas acabaram por morrer espezinhadas, relatam os media internacionais.

Segundo a agência de notícias France Press, as autoridades não deram detalhes sobre os motivos que levaram à confusão durante o concerto da banda rap ‘Instinct Killers’, que tocavam numa praia na cidade norte de Ratoma, nos subúrbios de Conacri.

O Governo já decretou uma semana de luto nacional, designando o incidente como “uma tragédia” provocada por aquilo que o gabinete do Presidente descreveu como “movimentos culturais”. O concerto acontecia por motivos da celebração do feriado islâmico de Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadão junto da comunidade muçulmana.

Entre as 24 vítimas mortais contam-se 13 raparigas, diz a AFP. Entretanto já foi aberta uma investigação para apurar o que causou a debandada e o responsável pela organização daquele evento musical foi suspenso.

A tragédia surge numa altura em que a Guiné-Conacri, um país de 10 milhões de habitantes na África Ocidental, luta contra a epidemia do Ébola, o vírus que já matou este ano mais de 670 pessoas naquela região – entre a Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Esta não é, no entanto, a primeira vez que o caos em eventos culturais deste género acontece no país. Em 2001 pelo menos duas pessoas morreram e 25 ficaram feridas devido a uma fuga descontrolada das massas durante um concerto. Também em Marrocos, por exemplo, morreram 11 pessoas em 2009 e outras 40 ficaram feridas em condições idênticas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)