Rádio Observador

Crise no GES

Draghi fala pela primeira vez do BES: “Foi graças ao BCE que Banco de Portugal detetou os problemas”

282

Draghi falou pela primeira vez sobre a situação do BES. Foi numa sessão no Parlamento Europeu, em resposta à eurodeputada socialista Elisa Ferreira.

Draghi falou pela primeira vez sobre BES

OLIVIER HOSLET/EPA

O presidente do BCE rejeitou esta segunda-feira que o caso do BES afete a credibilidade do BCE e considerou que foi graças aos contributos da instituição para melhorar a supervisão do Banco de Portugal que foram detetados os problemas.

“O BCE [Banco Central Europeu] disponibilizou à entidade supervisora [Banco de Portugal] melhores padrões, contribuiu para o esforço da troika para formular melhores critérios de análise e foi graças a esses melhores padrões que a autoridade supervisão portuguesa pode identificar os problemas no BES”, disse esta segunda-feira Mario Draghi na Comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

O presidente do BCE tinha sido questionado pela eurodeputada socialista Elisa Ferreira sobre o facto de o BES ter colapsado apenas alguns meses depois de a troika (de que fazia parte o BCE) ter saído de Portugal e sobre o impacto que isso pode significar na credibilidade do BCE, nas vésperas de assumir a supervisão única dos principais bancos europeus. Em resposta, Mario Draghi fez questão de dizer que o BCE ainda não é entidade supervisora, o que só acontecerá em novembro, pelo que “não teve qualquer responsabilidade de supervisão sobre os bancos portugueses ou em outros bancos”.

“Portanto, o envolvimento do BCE no Banco Espírito Santo foi enquanto parte da troika, não teve um envolvimento específico”, afirmou Mario Draghi. Apesar disso, o presidente do BCE considerou em seguida que foi devido ao contributo do banco central que o Banco de Portugal melhorou a supervisão sobre os bancos portugueses, o que o levou a detetar os problemas no BES.

No domingo 3 de agosto, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, depois de o banco ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas. No chamado banco mau (‘bad bank’), um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES. No ‘banco bom’, o banco de transição que foi chamado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.

O objetivo das autoridades portuguesas é vender logo que possível o Novo Banco, que é agora liderado por Eduardo Stock da Cunha após a renúncia de Vítor Bento. O Novo Banco foi capitalizado com 4.900 milhões de euros do fundo de resolução bancário, sendo que 3.900 vieram de um empréstimo de dinheiro público e o restante dos bancos que participam no fundo.

Recuperação da zona euro em risco

Na mesma audição trimestral perante os eurodeputados, Mario Draghi mostrou-se cético em relação a uma melhoria do cenário económico da zona euro. “Os riscos em torno da esperada expansão são claramente do lado de queda”, disse, citado pela Bloomberg, acrescentando que os indicadores recentes não deram “qualquer indicação de que a queda da atividade económica tenha parado”.

Segundo a Bloomberg, no último trimestre do ano a economia da zona euro esteve estagnada, com os dados do PIB a apontarem mesmo para a estagnação de algumas das maiores economias da UE, como a Alemanha, França e Itália. Cenário que não tem tido indícios de mudança. Razão pela qual o presidente do BCE reiterou que a perspetiva é de que a inflação vá permanecer baixa “nos próximos meses”, aumentando apenas – e gradualmente – em 2015 e 2016.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)