A economia da zona euro cresceu 0,2% no terceiro trimestre do ano, face ao trimestre anterior, enquanto a economia no total da União Europeia cresceu 0,3%, de acordo com os dados divulgados hoje pelo Eurostat. O único país a crescer mais que 1% é a Roménia.

Os resultados são melhores que os do segundo trimestre, quando a economia na zona euro e na União Europeia cresciam em ambas as comparações menos uma décima (0,1% e 0,2%, respetivamente).

A Alemanha e a França voltaram a crescer, mas em níveis ainda muito baixos. A economia alemã cresceu 0,1% depois de um trimestre em contração, enquanto França cresceu 0,3%, mas vem de um trimestre de estagnação e outro de contração.

Por sua vez, a Itália voltou a entrar em recessão, com uma queda de 0,1% em cadeia. Este é o segundo trimestre consecutivo em contração, mas há três anos e um semestre que a economia italiana não cresce. Nestes últimos 13 trimestres, onze foram em contração e dois foram em estagnação.

Entre os 21 países que reportaram dados ao Eurostat (Dinamarca, Irlanda, Croácia, Luxemburgo, Malta, Eslovénia e Suécia ainda não entregaram os números), dois apresentam-se em recessão (Itália e Chipre).

Portugal surge com o pior resultado (crescimento de 0,2%) a seguir a estes dois países, e à Alemanha, que cresceu apenas 0,1%, mas com igual resultado ao da Bélgica, Estónia, Holanda e Finlândia.

Destaque ainda para a Grécia, que surge pelo terceiro trimestre consecutivo a crescer, depois de conseguir um crescimento de 0,7% no seu PIB no terceiro trimestre do ano.

Em comparação com igual período do ano passado, a economia da zona euro cresceu 0,8% e a da Europa a 28 cresceu 1,3%.