538kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

O mundo abandonou os refugiados sírios, acusa a Amnistia Internacional

Este artigo tem mais de 5 anos

"Não se compreende que estas pessoas estejam entregues a si próprias", comenta a responsável da organização de direitos humanos em Portugal. Resposta da UE é "chocante", acrescenta.

7 fotos

O mundo abandonou os refugiados sírios. A acusação é da Amnistia Internacional, que, em vésperas de uma conferência da ONU sobre a situação síria, elaborou um novo relatório sobre o estado dos mais de 10 milhões de sírios que, desde novembro de 2011, já foram forçados a abandonar as suas casas em consequência da guerra civil. E o cenário não é positivo.

“O apoio da comunidade internacional é muito menor do que o necessário”, lê-se no documento, que refere que “um dos pontos mais urgentes é o realojamento dos refugiados”, mas, neste campo, a grande maioria dos países mundiais não tem feito o suficiente. “O número de locais de realojamento oferecidos é vergonhosamente baixo”, acusa a Amnistia Internacional.

“Pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, o número de pessoas forçadas a sair das suas casas ultrapassou os 50 milhões. Um em cada cinco refugiados é sírio”, sublinha o relatório, que não hesita em classificar a crise da Síria como a “pior de uma geração”.

Dos cerca de 10 milhões de refugiados sírios, 6,5 milhões viram-se obrigados a sair de suas casas mas mantiveram-se em território nacional, enquanto quatro milhões procuraram noutros países a segurança que lhes faltava na Síria. E a esmagadora maioria desses refugiados está concentrada em apenas cinco países, todos vizinhos: Turquia, Líbano, Jordânia, Iraque e Egito. O objetivo da Amnistia Internacional é que, até ao fim de 2016, 10% dos refugiados que estão nestes países tenham uma solução de realojamento efetiva.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No Líbano, por exemplo, o número de refugiados da Síria já representa mais de 25% do total da população do país. Essa concentração leva a Amnistia Internacional a pedir urgência numa resposta mais efetiva de outros países, nomeadamente dos que compõem o Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), que inclui o Bahrain, o Kuwait, o Qatar, Omã, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Em três anos, nenhum destes países colocou qualquer local de realojamento à disposição de refugiados da Síria, situação que a organização apelida de “chocante”.

“Já não é razoável que os países vizinhos da Síria continuem a providenciar refúgio àqueles que fogem à guerra sem uma cooperação e assistência internacionais substancialmente aumentadas”, afirma o relatório.

refugiados_sirios04

MIlton Cappelletti

“A falta de generosidade é chocante”

Se os países do Golfo não ficam bem na fotografia, os grandes da Europa também não. Juntos, Reino Unido, França, Polónia, Itália e Espanha – os maiores países da União Europeia (UE), se excluirmos a Alemanha – apenas têm disponíveis dois mil locais de realojamento, uma situação que para Teresa Pina, diretora executiva da Amnistia Internacional em Portugal, só merece um comentário: “Chocante”.

“Nada disto faz sentido. Estes cinco grandes países da UE têm tido uma resposta chocante, desconcertante. A falta de generosidade é chocante”, repete.

Dentro do espaço europeu, a Suécia e a Alemanha estão na linha da frente da receção de refugiados sírios. Desde novembro de 2011, a Suécia recebeu 50.235 pedidos de asilo e disponibilizou 1.200 locais de realojamento. Já a Alemanha pôs 30 mil destes locais à disposição, tendo recebido 46.265 pedidos de asilo.

No último ano, Portugal recebeu 15 pedidos de asilo humanitário e tem 23 locais de realojamento disponíveis, bem como um conjunto de 70 bolsas universitárias. “Em comparação com os cinco maiores países da UE, [a resposta portuguesa] é equilibrada”, comenta Teresa Pina, para quem este relatório é, acima de tudo, “uma forma de pressão” à comunidade internacional para que ponha fim a uma “situação insustentável”.

A insustentabilidade da situação agravou-se, aliás, recentemente, com o aparecimento do autodenominado Estado Islâmico.

“O número total de sírios que chegou – e pediu asilo – aos 28 Estados-membros da União Europeia em três anos era, até ao fim de outubro, de aproximadamente 150 mil – mais ou menos o mesmo número de pessoas que chegaram à Turquia em fuga do avanço do Estado Islâmico a Kobane, no espaço de uma semana de setembro de 2014”, lê-se.

refugiados_sirios03

Milton Cappelletti

É por isso que, diz Teresa Pina, é “urgente” que o objetivo de realojar 10% de refugiados até 2016 seja cumprido. “Não se compreende que estas pessoas estejam entregues a si próprias”, resume.

Documentos

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.