Carlos Alberto da Silva e Vasconcelos, médico e professor na Universidade do Porto, declarou este ano ter recebido da farmacêutica Gilead 851.635 euros pela participação no Congresso Mundial AIDS 2014. Este foi o valor mais alto declarado na Plataforma de Comunicações – Transparência e Publicidade, presente no site do Infarmed, este ano. No extremo oposto, encontram-se declarações de patrocínios na ordem dos 25 euros, correspondentes a refeições de trabalho, livros e reuniões.

De acordo com o balanço de atividade de 2014, publicado na terça-feira pelo Infarmed, esta plataforma registou 3.553 novas entidades em 2014, num total de 7.449 entidades (desde 15 de fevereiro de 2013) e foram declarados patrocínios concedidos no valor de 60.742.277,02 euros, com destaque para as empresas farmacêuticas.

Em causa estão ofertas de livros especializados, almoços de trabalho, participações em reuniões de trabalho, workshops, jornadas, cursos e congressos.

Desde março de 2013 que médicos, farmacêuticos, enfermeiros e associações de doentes estão obrigados a declarar todos os prémios recebidos (com efeitos a partir de 15 de fevereiro) por parte de farmacêuticas e outras empresas ligadas ao setor da saúde. No final de março, depois de uma primeira versão em que os profissionais teriam de declarar tudo o que recebessem, o Ministério da Saúde fixou um montante mínimo – de 25 euros – a partir do qual todos os profissionais de saúde e entidades coletivas do setor têm de declarar ao Infarmed todos os patrocínios, subvenções e outros prémios. Caso não o façam, as multas podem variar entre os dois mil e os 45 mil euros. 

[Atualização: Entretanto o médico em causa contactou o Observador e esclareceu que não recebeu 851 mil euros, mas sim 8,5 mil euros]