Rádio Observador

Atentados de Paris

Gozar com Maomé, sim. E insultar negros e judeus?

500

O ator Ali Abbasi questionou, no Facebook, se seria aceitável chamar 'Nigger' a um negro ou dizer que Hitler foi um Messias, a propósito das caricaturas de Maomé. Foi bloqueado e o seu post removido.

"Liberdade de expressão seletiva, não é uma liberdade, ou é?", questionou o ator paquistanês.

ANDY RAIN/EPA

O Facebook voltou atrás na decisão de remover a publicação do ator paquistanês, Hamza Ali Abbasi, que escreveu, na sua página oficial naquela rede social, que ridicularizar o Islão é o mesmo que chamar uma pessoa negra de ‘Nigger’ – uma palavra com uma grande conotação racista no Estados Unidos e nos países anglo-saxónicos – ou adorar Aldolf Hitler como se de um Messias se tratasse.

Um polícia muçulmano francês morre a cumprir o seu dever às mãos de dois jovens falsamente induzidos a matar em nome da ‘religião da paz’, o Islão. Sim, até o meu sangue ferve quando alguém insulta o Islão… Mas isso não dá a estes indivíduos o direito de matar”.

“Mas o Ocidente precisa de entender que a liberdade de expressão inclui a crítica, a discordância ou mesmo a rejeição da fé ou da ideologia… Mas não deve permitir o ‘insulto’. Seria considerado ‘liberdade de expressão’ catalogar alguém como ‘Nigger’ ou dizer que o Hitler foi um Messias?”.

O comentário de Hamza Ali Abbasi surgiu na sequência do ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo e causou muita controvérsia. A equipa que supervisiona os conteúdos que são publicados no Facebook considerou que a publicação do ator paquistanês violava o regulamento da rede social e, além de remover o post em questão, bloqueou temporariamente a página de Abbasi.

Quando conseguiu recuperar o acesso à sua página, o ator publicou a mensagem que tinha recebido do Facebook a explicar que a sua conta tinha sido bloqueada e o comentário controverso na íntegra.

Pouco tempo depois, um utilizador do Facebook, Angelic Munni, fez chegar o seu desagrado com a decisão da rede social a Mark Zuckerberg e questionou-o sobre o que iria fazer em relação ao assunto. A resposta de um fundadores da rede social mais utilizada em todo o mundo foi pronta: “Não acho que isto [o comentário] devesse ter sido bloqueado. A nossa equipa pode ter cometido um erro. Justin [Osofsky], podes dar uma olhada?”, escreveu Zuckerberg, referindo-se ao vice-presidente de operações globais daquela rede social.

Justin Osofsky então pronunciou-se sobre o caso, repetindo o pedido de desculpas de Zuckerberg. “Como o Mark mencionou, nós cometemos um erro (…). Tentamos fazer o nosso melhor, mas às vezes cometemos erros. Pedimos desculpas e espero que o autor volte a publicar o post (…)”.

Apesar de se ter mostrado satisfeito com o ‘mea culpa’ do Facebook, Hamza Ali Abbasi questionou o modo como a rede social encara os comentários pró-Islão. “É engraçado que a liberdade de expressão” que o Facebook advoga seja “seletiva” e que tenham “eliminado este [post] em particular” entre todos os outros, comentou ao jornal Dawn, o mais antigo jornal paquistanês.

“A liberdade de expressão que não é universal, não é realmente liberdade, ou é?”, perguntou o ator paquistanês, que acrescentou, ainda, que “não é justo que, quando dizemos coisas que vão contra o Ocidente são consideradas racistas ou intolerantes. É permitido discordar, é permitido criticar, mas não devemos gozar com figuras exemplares/religiosas. (…) É importante abordar estas questões e transmitir a nossa mensagem da forma mais civilizada possível. Quando atinges um nível de insultos pejorativos, há uma possibilidade de existir alguma reação de uma comunidade com mais de dois milhões de pessoas”, escreveu o ator.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)