Saber gerir. Melhor, saber liderar. A forma como uma empresa é gerida tem impacto na hora de fazer contas à faturação. Os dados que Jack Zenger, especialista em liderança e cofundador da Zenger Folkman, reuniu com Joe Folkman, o outro cofundador, e divulgou na Forbes comprovam isso mesmo: os bons líderes são capazes de duplicar lucros. Para o sucesso, não bastam números.

Os especialistas começaram por analisar uma base de dados de 500 mil relatórios que continham feedback dos colaboradores sobre o desempenho de 50 mil gestores. A premissa em que se basearam foi simples: para descobrir o quão eficaz é determinado líder, não há nada melhor do que ouvir a opinião de quem está sob a sua liderança.

Reunidos os relatórios, os especialistas concluíram que a eficácia da liderança tinha um “efeito dramático” nas receitas das empresas. Depois de isolarem os fatores externos ao desempenho, dividiram os lideres das organizações em três grupos: os melhores, que ocupavam uma fatia de 10%, os piores, que ocupavam oura fatia de 10% e os bons, que ocupavam os restantes 80% dos relatórios. Os resultados não deixaram margem para dúvidas.

As contas revelaram que, enquanto as empresas lideradas pelos líderes mais fracos obtiveram prejuízos na ordem de 1,2 milhões de dólares (cerca de 1 milhão de euros), as organizações sob a liderança de gestores mais fortes obtiveram lucros na ordem dos 4,5 milhões de dólares (3,8 milhões de euros) A fatia de 80% de bons líderes obteve lucros na ordem de 2,4 milhões de dólares (cerca de 2 milhões de euros).

No final, a conclusão não poderia ser outra: os maus líderes perderam dinheiro, os bons lideres obtiveram lucro e os melhores conseguiram duplicar os lucros da empresa, face aos resultados obtidos pelos outros 90%. A liderança também entra nas contas do sucesso.